Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo Cep: 78.049-901- Cuiabá MT.

Salesiano Santo Antônio

Salesiano Santo Antônio
Rua Alexandre de Barros, 387, Chácara dos Pinheiros Cuiabá

Seu título está na mão

Seu título está na mão
1º Título de Eleitor Decreto nº 3.029 - 9.1.1881

Assembleia Legislativa de Mato Grosso

Assembleia Legislativa de Mato Grosso
Seja bem-vindo ao perfil oficial da Assembleia Legislativa de Mato Grosso!

quinta-feira, 12 de maio de 2022

Morte de jornalista palestina causa indignação

Shireen Abu Akleh foi baleada durante operação militar israelense. Rede Al Jazeera e palestinos acusam israelenses pela morte e exigem investigação independente. Israel dá versões desencontradas sobre episódio. A jornalista Shireen Abu Akleh foi homenageada nesta quinta-feira (12/05) na cidade de Ramala, na Cisjordânia, em meio a pedidos por uma investigação independente para apurar as circunstâncias e responsabilidade pela sua morte.
A palestino-americana, que trabalhava para a rede Al Jazeera, morreu na quarta-feira após ser atingida por um disparo na cabeça enquanto cobria uma operação militar israelense na cidade de Jenin.
A Al Jazeera e testemunhas no local, incluindo um colega repórter da mesma emissora e um fotógrafo da agência de notícias France Press (AFP) apontaram que ela morreu como resultado de tiros disparados pelas forças israelenses. A rede sediada no Catar acusou, em comunicado, que Abu Akleh foi atingida "deliberadamente".
Shireen Abu Akleh, uma palestina cristã de 51 anos que também possuía cidadania americana, usava um capacete e um colete à prova de balas com a palavra "Imprensa" escrito nele quando cobria a operação, num campo de refugiados.
Israel diz "não ter certeza" sobre a responsabilidade
As autoridades de Israel afirmaram que solicitaram uma investigação conjunta junto às autoridades palestinas e disseram que "não está claro" quem teria sido o responsável pela morte.
Inicialmente, o primeiro-ministro israelense, Naftali Bennett, indicou que, segundo informações recolhidas, existia uma "considerável possibilidade" de que palestinos armados tenham sido os responsáveis pela morte da jornalista.
Mais tarde, porém, o ministro da Defesa de Israel, Benny Gantz, afirmou que os israelenses não têm certeza sobre o que aconteceu e que não poderia descartar a possibilidade de o disparo ter sido efetuado por israelenses. "Não temos certeza de como ela foi morta, mas queremos chegar ao fundo desse incidente e descobrir a verdade o máximo que pudermos", disse Gantz a repórteres.Cerimônia homenageia jornalista
Na quinta-feira, o corpo de Abu Akleh foi levado ao complexo presidencial da Autoridade Nacional Palestina para uma cerimônia oficial em Ramala.
O presidente Mahmoud Abbas prestou homenagem à jornalista e rejeitou a oferta de Israel para uma investigação conjunta.
"Rejeitamos a investigação conjunta com as autoridades de ocupação israelenses porque eles cometeram o crime e porque não confiamos neles", disse Abbas.
Ele acrescentou que a Autoridade Nacional Palestina "irá imediatamente ao Tribunal Penal Internacional" para denunciar o caso.
Em 2021, as forças de Israel destruíram um edifício que sediava os escritórios da agência de notícias Associated Press e outras organizações jornalísticas na faixa de Gaza. O ataque aconteceu uma hora depois de os militares terem avisado o proprietário que iam atacar o edifício, ordenando a sua evacuação.
Abu Akleh recebeu homenagens de jornalistas de todo o mundo nas mídias sociais. Muitos ofereceram condolências e lamentaram a perda de uma colega altamente respeitada, conhecida por sua cobertura firme de assuntos do Oriente Médio.
Muitas pessoas depositaram flores no local da morte da jornalista, e manifestações foram registradas em diversas regiões dos territórios palestinos.
Ela "era a irmã de todos os palestinos", afirmou seu irmão Antun Abu Akleh à AFP.
Crescem os pedidos por investigação independente
Os apelos por uma investigação independente sobre os responsáveis ​​pela morte de Abu Akleh também ganharam apoio de grupos de jornalistas e líderes mundiais.
Christophe Deloire, diretor-geral da ONG Repórteres Sem Fronteiras, disse que a organização estava "decepcionada" com a oferta de Israel de realizar uma investigação conjunta, acrescentando que "uma investigação internacional independente deve ser iniciada".
O secretário-geral da ONU, António Guterres, por sua vez, disse estar "chocado" e instou "as autoridades da região a realizarem uma investigação independente e transparente" para garantir que os responsáveis ​​pelo assassinato sejam responsabilizados. A diplomacia da União Europeia também pediu um inquérito "independente".
Durante uma visita a Teerã nesta quinta-feira, o emir do Catar, Tamim bin Hamas Al-Thani, acusou Israel de matar a jornalista. "Os autores deste crime hediondo devem ser responsabilizados", declarou.
Já os Estados Unidos, aliados próximos de Israel, apelaram para uma investigação rápida sobre a morte de Abu Akleh. Por outro lado, os americanos disseram que Washington confiaria em uma investigação liderada pelos israelenses.
"Pedimos uma investigação imediata e completa", disse o porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Ned Price, em uma coletiva de imprensa. "Os israelenses têm os meios e as capacidades para conduzir uma investigação completa e abrangente."
A Al Jazeera informou que o corpo de Abu Akleh será levado para Jerusalém Oriental nesta quinta-feira. O funeral deve ocorrer numa igreja da cidade, e o enterro está previsto para sexta-feira.
jps/rs/dj (AFP, AP, Reuters)cp
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos