Prefeitura Municipal de Tangará da Serra

Prefeitura Municipal de Tangará da Serra
Avenida Brasil, 2351 - N, Jardim Europa, 78.300-901 (65) 3311-4800

O MATOGROSSO

O MATOGROSSO
Fatos, Realidade e Interativo com o Público

Deputado Estadual Drº. Eugênio de Paiva (PSB-40)

Deputado Estadual Drº. Eugênio de Paiva (PSB-40)
Agora como deputado estadual, Eugênio tem sido a voz do Araguaia, representa o #VALEDOARAGUAIA! 100% ARAGUAIA!🏆

Governo de Mato Grosso

Governo de Mato Grosso
Palácio Paiaguás - Rua Des. Carlos Avalone, s/n - Centro Político Administrativo

Prefeitura de Rondonópolis

Prefeitura de Rondonópolis
Endereço: Avenida Duque de Caxias, 1000, Vila Aurora, 78740-022 Telefone: (66) 3411 - 3500 WhatsApp (Ouvidoria): (66) 9 8438 - 0857

sábado, 23 de julho de 2022

Foto motivou assassinato de Bruno e Dom, diz MPF

Órgão denuncia três pessoas por duplo homicídio qualificado e ocultação de cadáver. Indigenista brasileiro e jornalista britânico foram mortos em 5 de junho na Amazônia.O Ministério Público Federal (MPF) denunciou nesta quinta-feira (21) três suspeitos pelo assassinato do indigenista e servidor da Funai Bruno Pereira, 41, e do jornalista britânico Dom Phillips, 57. Réus confessos, Amarildo Oliveira (conhecido como "Pelado”) e Jefferson da Silva Lima (o "Pelado da Dinha”) responderão pelos crimes de duplo homicídio qualificado e ocultação de cadáver junto a Oseney de Oliveira (o "Dos Santos”), cujo envolvimento foi apontado por testemunhas.
Um quarto suspeito, conhecido como "Colômbia”, detido pela Polícia Federal desde 8 de julho e apontado como mandante do crime, não foi incluído na denúncia.
Segundo o órgão, o assassinato teria acontecido porque Bruno pediu a Dom que fotografasse o barco dos acusados. O MPF considera o motivo "fútil" e aponta que isso pode agravar a pena. O jornalista fazia pesquisas para um livro sobre a Amazônia.
Bruno e Dom foram mortos a tiros na manhã do dia 5 de junho, ao voltarem de uma expedição pelo Vale do Javari, no Amazonas, e tiveram seus corpos queimados e enterrados. Seus cadáveres só foram encontrados dez dias depois.
A região onde o crime ocorreu faz fronteira com a Colômbia e o Peru, tem a maior concentração de povos indígenas isolados do mundo e é alvo da cobiça de criminosos.
Segundo a Procuradoria, Bruno e Amarildo haviam se desentendido em outras ocasiões por causa da pesca ilegal em território indígena, que o servidor da Funai trabalhava para coibir.
"Bruno foi morto com três tiros, sendo um deles pelas costas, sem qualquer possibilidade de defesa [...] Já Dom foi assassinado apenas por estar com Bruno", afirma o Ministério Público em nota.
O processo corre em Tabatinga (AM). A Justiça Federal retirou o sigilo dos autos.
ra/lf (Efe, ots)cp
@cpweb @caminhopolitico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos