Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso
Cons. Benjamin Duarte Monteiro, Nº 01, Ed. Marechal Rondon

Prefeitura Municipal de Tangará da Serra

Prefeitura Municipal de Tangará da Serra
Avenida Brasil, 2351 - N, Jardim Europa, 78.300-901 (65) 3311-4800

Deputado Estadual Drº. Eugênio de Paiva (PSB-40)

Deputado Estadual Drº. Eugênio de Paiva (PSB-40)
Agora como deputado estadual, Eugênio tem sido a voz do Araguaia, representa o #VALEDOARAGUAIA! 100% ARAGUAIA!🏆

Governo de Mato Grosso

Governo de Mato Grosso
Palácio Paiaguás - Rua Des. Carlos Avalone, s/n - Centro Político Administrativo

Prefeitura de Rondonópolis

Prefeitura de Rondonópolis
Endereço: Avenida Duque de Caxias, 1000, Vila Aurora, 78740-022 Telefone: (66) 3411 - 3500 WhatsApp (Ouvidoria): (66) 9 8438 - 0857

terça-feira, 9 de agosto de 2022

“A fome voltou, mas sabemos como eliminá-la”, diz Tereza Campello“

Ex-ministra afirma que a volta do Brasil ao mapa da fome foi um fenômeno construído pelas políticas adotadas após o golpe de estado de 2016. A ex-ministra Tereza Campello, que teve papel decisivo na retirada do Brasil do mapa da fome, conquista alcançada no governo da ex-presidente Dilma Rousseff, afirmou, em entrevista ao jornalista Leonardo Attuch, editor da TV 247, que a volta deste fenômeno às grandes cidades brasileiras foi uma construção deliberada do governo golpista de Michel Temer e de sua continuidade, representada por Jair Bolsonaro. Organizadora do livro “Da fome à fome”, que aborda a fome em todas as suas dimensões, ela afirma que a fome hoje é um fenômeno nacional, e não mais apenas concentrada no Norte e no Nordeste. “A análise superficial atribui a fome à pandemia, mas a inflexão aconteceu bem antes da pandemia. O Brasil já tinha voltado ao mapa da fome dois anos antes da pandemia. E depois houve um agravamento”, diz ela. “Todas as políticas públicas que nos tiraram do mapa da fome foram destruídas”, acrescenta.
Tereza afirma que o Brasil é um grande produtor de alimentos, mas o que falta hoje é renda. “Nos governos Lula e Dilma, os salários cresciam acima da inflação e havia geração de empregos formais. Hoje, a renda é cada vez menor e os empregos são precários”, diz ela. “Temos 65 milhões de pessoas em insegurança alimentar. Uma França, duas Venezuelas. Os que estão comendo, estão comendo pior. Muitas estão comendo ultraprocessados e macarrão instantâneo com salsicha, o que altera o padrão de saúde dos brasileiros. Estamos numa sindemia global: a pandemia da fome, da obesidade e das mudanças climáticas. O Brasil hoje tem recorde de fome, de obesidade, de produção de grãos e de desmatamento. Todos esses fenômenos têm a mesma origem: o fato de que o governo não protege o povo, protege o exportador”, afirma.
De fato, nos últimos anos, a renda do brasileiro foi completamente achatada e os brasileiros reduziram seu padrão alimentar. Segundo Tereza Campello, para enfrentar estes problemas, o Brasil precisa de medidas emergenciais e estruturais. “Renda é essencial, assim como melhor a alimentação fora de casa, com merendas e restaurantes populares”, afirma. “A alimentação escolar comprada localmente é um ganha-ganha. Universidades, presídios e quartéis devem comprar alimentação local”, acrescenta.
Tereza lembra que a primeira medida do governo genocida de Jair Bolsonaro foi extinguir o Conselho Nacional de Segurança Alimentar (Consea). “Duas medidas imediatas de um novo governo Lula seriam organizar as transferências de renda e estruturar a alimentação escolar”, diz ela. “O Brasil tinha no governo Dilma a primeira geração sem fome e na escola e agora temos uma geração com fome e fora da escola”. A boa notícia, ela aponta, é que o Partido dos Trabalhadores tem experiências acumuladas e sabe como reverter o problema. “Podemos conseguir ganhos expressivos no curto prazo”, afirma.
BAIXE O LIVRO DIGITAL AQUI:
ASSISTA AQUI:
Assessoria/Caminho Político
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos