Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso
Cons. Benjamin Duarte Monteiro, Nº 01, Ed. Marechal Rondon

Prefeitura Municipal de Tangará da Serra

Prefeitura Municipal de Tangará da Serra
Avenida Brasil, 2351 - N, Jardim Europa, 78.300-901 (65) 3311-4800

Deputado Estadual Drº. Eugênio de Paiva (PSB-40)

Deputado Estadual Drº. Eugênio de Paiva (PSB-40)
Agora como deputado estadual, Eugênio tem sido a voz do Araguaia, representa o #VALEDOARAGUAIA! 100% ARAGUAIA!🏆

Governo de Mato Grosso

Governo de Mato Grosso
Palácio Paiaguás - Rua Des. Carlos Avalone, s/n - Centro Político Administrativo

Prefeitura de Rondonópolis

Prefeitura de Rondonópolis
Endereço: Avenida Duque de Caxias, 1000, Vila Aurora, 78740-022 Telefone: (66) 3411 - 3500 WhatsApp (Ouvidoria): (66) 9 8438 - 0857

quarta-feira, 7 de setembro de 2022

Suspensão do piso da enfermagem afeta cerca de 7 mil famílias em MT

A suspensão do piso da enfermagem por meio de liminar do ministro Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), no último domingo (4) afeta, de imediato, cerca de sete mil profissionais da enfermagem em Mato Grosso que trabalham na rede privada e deveriam receber o piso salarial já neste mês. Porém, a suspensão por 60 dias ainda pode afetar também os 29 mil trabalhadores que atuam em hospitais públicos.Pela lei 14.434/2022, os profissionais da enfermagem que atuam na rede privada deveriam começar a receber o piso em setembro – no salário referente ao mês trabalhado de agosto. Antes da aprovação da lei, não existia um valor mínimo que deveria ser pago à categoria. 
“A suspensão da lei do piso é uma notícia muito triste para a enfermagem brasileira. Sete mil profissionais da enfermagem de Mato Grosso que seriam valorizados em setembro tiveram o seu direito suspenso. Mas não foi suspenso o trabalho, não foi suspenso o risco a que esses profissionais se submetem diariamente”, lamenta a presidente do Conselho Regional de Enfermagem de Mato Grosso (Coren-MT), Ligia Arfeli.
Segundo o ministro, a suspensão é para que se prove o impacto do piso e de onde sairá o recurso para o custeio. “Todos esses estudos já foram realizados quando o projeto de lei ainda estava em discussão no Congresso Nacional. Os estudos mostraram que dar um pouco de dignidade para a enfermagem representa apenas 4% do orçamento do SUS e um acréscimo de 2% na massa salarial dos contratantes”, argumenta a presidente do Coren-MT.
A suspensão da lei do piso da enfermagem por 60 dias também pode afetar os demais 29 mil profissionais da enfermagem que trabalham na rede pública, pois o orçamento para o ano de 2023 – quando o piso deve entrar em vigor nas prefeituras, estados e União – deve ser fechado nos próximos dois meses e, se esse aumento na folha salarial não estiver previsto, não poderá ser pago.
“A enfermagem sempre esteve na frente de batalha, enfrentando pandemias, crises, superlotação, falta de estrutura. Estabelecer um salário mínimo para a categoria é essencial para valorizar esses profissionais que estão presentes na sociedade do nascimento à morte e que nunca fogem da luta”, enfatiza Ligia.
Piso da enfermagem
Sancionada em agosto deste ano, a lei 14.434/2022 estabelece o piso para os profissionais da enfermagem de todo o país e é resultado de uma luta de mais de 20 anos. Pela lei, os enfermeiros devem receber R$ 4.750, os técnicos de enfermagem R$ 3.325 e os auxiliares de enfermagem e parteiras R$ 2.375.
Assessoria/estadãomt/Caminho Político
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos