Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso
Cons. Benjamin Duarte Monteiro, Nº 01, Ed. Marechal Rondon

Prefeitura Municipal de Tangará da Serra

Prefeitura Municipal de Tangará da Serra
Avenida Brasil, 2351 - N, Jardim Europa, 78.300-901 (65) 3311-4800

Deputado Estadual Drº. Eugênio de Paiva (PSB-40)

Deputado Estadual Drº. Eugênio de Paiva (PSB-40)
Agora como deputado estadual, Eugênio tem sido a voz do Araguaia, representa o #VALEDOARAGUAIA! 100% ARAGUAIA!🏆

Governo de Mato Grosso

Governo de Mato Grosso
Palácio Paiaguás - Rua Des. Carlos Avalone, s/n - Centro Político Administrativo

Prefeitura de Rondonópolis

Prefeitura de Rondonópolis
Endereço: Avenida Duque de Caxias, 1000, Vila Aurora, 78740-022 Telefone: (66) 3411 - 3500 WhatsApp (Ouvidoria): (66) 9 8438 - 0857

terça-feira, 24 de outubro de 2023

A batalha de Bolsonaro no TSE

Ex-presidente enfrenta nova rodada de julgamentos no Tribunal Superior Eleitoral. Para analistas, novas condenações diminuem chances de Bolsonaro reverter inelegibilidade. O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) enfrenta, nesta terça-feira (24/10), mais um julgamento no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sobre possíveis irregularidades cometidas durante as eleições gerais de 2022. Desta vez, a corte eleitoral vai analisar o caso envolvendo as comemorações do Bicentenário da Independência, em 7 de setembro do ano passado.
Bolsonaro é acusado de cometer abuso de poder político por supostamente ter utilizado as cerimônias para fazer campanha eleitoral. O questionamento é feito por meio de três ações de investigação judicial eleitoral (Aijes), de autoria do PDT e da ex-candidata à Presidência Soraya Thronicke (União Brasil).
Na semana passada, o ex-presidente foi absolvido no TSE em três ações que questionavam a utilização dos palácios do Planalto e da Alvorada em transmissões ao vivo nas redes sociais com objetivos eleitorais. Neste caso, a Procuradoria-Geral Eleitoral (PGE) se manifestou a favor de uma absolvição. O órgão, porém, pediu a condenação de Bolsonaro nas ações referentes a Sete de Setembro.
Menos de um ano depois de deixar a presidência, o ex-capitão do Exército, que governou o país entre 2019 e 2022, se encontra cercado por imbróglios jurídicos.
Em junho, ele foi condenado pelo TSE, que o tornou inelegível até 2030 por ter utilizado uma reunião com embaixadores para questionar o sistema eleitoral que o elegeu.
Novas condenações?
Contando com as Aijes que serão julgadas a partir desta terça, a principal figura da direita brasileira tem ainda pela frente nada menos que uma dúzia de ações na corte eleitoral do país. Os processos questionam, entre outros, os ataques ao sistema eleitoral após a divulgação do resultado; o uso da máquina pública para a promoção da candidatura por meio de programas sociais; e até mesmo um tratamento privilegiado à emissora Jovem Pan.
Isso sem falar das investigações na esfera criminal, como o caso das joias sauditas ou o inquérito sobre os atos golpistas promovidos por bolsonaristas na Praça dos Três Poderes, em Brasília, em 8 de janeiro deste ano. Além disso, na semana passada, a Polícia Federal colocou na rua uma operação para investigar se a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) estaria espionando adversários de Bolsonaro durante a gestão do ex-presidente. De acordo com especialistas ouvidos pela DW, mesmo que não seja possível aumentar o período de inelegibilidade – a pena é de oito anos, não cumulativa –, possíveis novas condenações tornariam a vida de Bolsonaro mais complicada por diminuírem as chances de outros recursos reverterem essas decisões.
"Objetivamente falando, a pena nesses casos nunca vai poder mais que os oito anos para os quais ele já foi condenado", explica a jurista Silvana Batini, procuradora regional da República e professora da FGV Direito Rio. "O que pode acontecer nessas situações é ele também receber uma multa. Além disso, a decisão que já decretou a inelegibilidade ainda não transitou em julgado – ou seja, ainda cabe recurso. Ele ter sido condenado não retira a necessidade de julgamento de outras ações", explica.
De acordo com Batini, no entanto, para além da condenação do próprio Bolsonaro, essas ações também podem assumir um caráter preventivo, protegendo as instituições de outros candidatos que possam se valer de abusos e crimes eleitorais semelhantes.
"A doutrina do abuso nas eleições é antiga no direito brasileiro, com conceitos e valores muito consolidados para evitar que se beneficie quem está com a máquina pública nas mãos. Mas o que não tínhamos ainda era uma jurisprudência forte nesse sentido, formada numa eleição presidencial. Ter uma jurisprudência formada por atos dessa natureza na eleição fortalece o sistema de justiça eleitoral e a própria democracia, porque a eleição não pode ser um vale-tudo", complementa a jurista.
Futuro político de Bolsonaro
Dentro da bolha bolsonarista, houve pouca repercussão sobre o arquivamento das ações que tentavam enquadrar as lives do ex-presidente como abuso de poder. "No clã Bolsonaro, só o Eduardo fez uma postagem miúda no Twitter. São ações vistas como irrelevantes para aguçar o eleitorado", comenta Marina Slhessarenko Barreto, pesquisadora do Núcleo Direito e Democracia (NDD) do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap) e do Centro de Análise da Liberdade e do Autoritarismo (Laut) e doutoranda em ciência política na USP.
Barreto pontua que agora, no caso do Bicentenário da Independência, é possível que a ação resulte numa condenação – mas que os efeitos sobre a base ainda são incertos. "Não acho que essas ações vão ter mais impacto que já tiveram, porque não tem como ter mais inelegibilidade. Mas, por outro lado, há uma PF que agora investiga servidores da Abin que monitoravam adversários, e isso preocupa muito mais a família Bolsonaro que o julgamento que está para acontecer. Tem Mauro Cid, tem outras frentes de apuração no cenário político que certamente vão ter muito mais impacto", acrescenta.
A pesquisadora, que também é uma das autoras do livro O Caminho da Autocracia, diz que a responsabilização é um passo necessário depois que um líder de perfil autoritário não é reeleito, como foi o caso de Bolsonaro em 2022. "A democracia continua e as instituições devem responder aos ataques. Durante o governo dele, STF, TSE e o front capilar de exercício burocrático sofreram ataques impressionantes. Nada é mais esperado do que elas saírem desse modo de autodefesa, sinalizando para a população, não só para os candidatos, que essas ações não são aceitáveis no campo democrático", afirma Barreto.
Professor do Departamento de Ciência Política da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Paulo Henrique Cassemiro vê o Judiciário operando no sentido de não dar espaço para o bolsonarismo, após a não reeleição do ex-presidente. "O Judiciário tem que fazer isso como estratégia de sobrevivência. Se Bolsonaro tivesse sido reeleito, iria destravar projetos para se perpetuar no poder, seja com golpe, seja inviabilizando a competição eleitoral para se eleger", diz.
Cassemiro não acredita numa perda de prestígio considerável do ex-capitão junto ao eleitorado, mas afirma que condenações, tanto na esfera eleitoral quanto criminal, podem complicar a viabilidade política dele. "Ele tem uma capacidade extraordinária de atração de votos, como já vimos provado em duas eleições. Por mais que estar perto da figura dele custe para quem o faz, já que ele tensiona o ambiente político, muitas lideranças bolsonaristas, como Tarcísio, não podem se distanciar muito porque perdem votos que Bolsonaro é capaz de atrair. Acho que a figura política do Bolsonaro não mudou nada com essas condenações. O que existe é um distensionamento do ambiente político com a saída dele", afirma.
Segundo ele, a extrema direita veio para ficar, com a condenação ou não de Bolsonaro. "Se isso acontecer, vão haver mobilizações em torno de outros projetos políticos. As formas de mobilização política vieram para ficar: redes sociais, bolhas informacionais de construção de narrativa. Isso vai manter a extrema direita ativada", conclui Cassemiro.
Fábio Corrêa/Caminho político
@caminhopolitico @cpweb
Curta nosso Instagram: @caminhopoliticomt
#NÃOreelezaVEREADORESemCUIABÁ
#FACISTASpoliticosRELIGIOSOSnunca!
#casadoshorrores #casadamutreta

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos