Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso
Cons. Benjamin Duarte Monteiro, Nº 01, Ed. Marechal Rondon

Prefeitura Municipal de Tangará da Serra

Prefeitura Municipal de Tangará da Serra
Avenida Brasil, 2351 - N, Jardim Europa, 78.300-901 (65) 3311-4800

Deputado Estadual Drº. Eugênio de Paiva (PSB-40)

Deputado Estadual Drº. Eugênio de Paiva (PSB-40)
Agora como deputado estadual, Eugênio tem sido a voz do Araguaia, representa o #VALEDOARAGUAIA! 100% ARAGUAIA!🏆

Governo de Mato Grosso

Governo de Mato Grosso
Palácio Paiaguás - Rua Des. Carlos Avalone, s/n - Centro Político Administrativo

Prefeitura de Rondonópolis

Prefeitura de Rondonópolis
Endereço: Avenida Duque de Caxias, 1000, Vila Aurora, 78740-022 Telefone: (66) 3411 - 3500 WhatsApp (Ouvidoria): (66) 9 8438 - 0857

quarta-feira, 18 de outubro de 2023

TSE arquiva três ações contra Bolsonaro

Processos eram referentes ao uso irregular de prédios públicos para atos de campanha. Ex-presidente já está inelegível após condenação por ataques ao sistema eleitoral feitos em reunião com embaixadores. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) arquivou nesta terça-feira (17/10) três ações contra o ex-presidente Jair Bolsonaro que tratavam de supostos abusos de poder político e conduta proibida a agentes públicos em período eleitoral durante sua campanha à reeleição em 2024.
Os processos em torno do suposto uso irregular de sedes da Presidência para atos de campanha atingiam também o ex-candidato a vice na chapa de Bolsonaro, o general Braga Netto.
A primeira ação julgada pelo TSE diz respeito a uma transmissão ao vivo nas redes sociais feita por Bolsonaro em 18 de agosto, na qual ele aparece em frente a um fundo branco pedindo votos e exibindo material de campanha.
Os juízes consideraram que não estava claro o local em que o ex-presidente fez a transmissão e seguiram por unanimidade o voto do relator, o ministro Benedito Gonçalves, que pediu o arquivamento do processo.
Gonçalves concluiu que não havia prova da prática de condutas irregulares, o que prejudica a verificação de gravidade, sendo este um dos pré-requisitos para que os pedidos sejam aceitos pelo TSE.
"Confusão entre o público e o privado"
A segunda ação tratava de outra transmissão ao vivo feita por Bolsonaro em 21 de agosto a partir da biblioteca do Palácio da Alvorada.
Apesar de considerar que estava "caracterizada a realização de ato público de campanha em benefício dos investigados e de terceiros", e que o uso da biblioteca mostraria uma proximidade com o poder e uma ideia de "confusão entre o público e o privado", Gonçalves pediu arquivamento do caso.
O ministro concluiu que a atuação do TSE para inibir a conduta já teria atendido ao objetivo à época, e que, embora tenha sido praticada conduta vedada, não ficou preenchido o requisito de gravidade. A ação foi rejeitada pela maioria dos magistrados.
Os ministros Floriano de Azevedo Marques e André Ramos Tavares divergiram do relator e pediram aplicação de multa a Bolsonaro pelo uso de edifícios públicos, mas saíram derrotados. Ambos, no entanto, também consideraram que não foi preenchido o pré-requisito da gravidade para uma condenação.
Gonçalves propôs a fixação de um entendimento, a ser aplicada às eleições a partir de 2024, permitido o uso de cômodos de prédios públicos para transmissões ao vivo de caráter eleitoral, desde que se trate de ambiente neutro, sem elementos associados ao Poder Público ou ao cargo.
O uso, porém, deve ser restrito à pessoa que exerce o cargo público e o conteúdo deve ser relacionado à sua candidatura. Além disso, não deve haver utilização de recursos públicos e os gastos devem ser registrados.
Inelegibilidade inalterada
A terceira ação pediu a condenação de Bolsonaro por irregularidades eleitorais em eventos nos quais aliados pediram votos para o ex-presidente nos palácios da Alvorada e do Planalto. Parlamentares e artistas utilizaram os edifícios públicos para expressar apoio à reeleição do então mandatário.
Gonçalves, porém, avaliou que não ficou configurado o abuso de poder político e votou pela rejeição do pedido de inelegibilidade de Bolsonaro e de Braga Netto.
Azevedo Marques votou pela aplicação de multas no valor de R$ 70 mil a Bolsonaro e de R$ 20 mil a Braga Netto, mas a ação foi rejeitada por maioria.
Em junho, o TSE decidiu por cinco votos a dois pela inelegibilidade de Bolsonaro, devido à disseminação de informações falsas e aos ataques ao sistema eleitoral feitos durante uma reunião com embaixadores. O ex-presidente não poderá disputar eleições até 2030 por abuso de poder político e uso indevido dos meios de comunicação.
Se fosse condenado em qualquer uma das três ações julgadas nesta terça-feira, o período de sua inelegibilidade não seria alterado.
rc/cn (ots)Caminho político
@caminhopolitico @cpweb
Curta nosso Instagram: @caminhopoliticomt
#CALOTEDÍVIDAMILIONÁRIAPREFEITURAdeCUIABÁR$165Milhões
#renunciaemanuel #chicocinquentinha
#renunciestopaRADO #STOPAradoNAmutretagem
#NÃOreelezaVEREADORESemCUIABÁ
#FACISTASpoliticosRELIGIOSOSnunca!
#casadoshorrores #casadamutreta

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos