Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso
Cons. Benjamin Duarte Monteiro, Nº 01, Ed. Marechal Rondon

Prefeitura Municipal de Tangará da Serra

Prefeitura Municipal de Tangará da Serra
Avenida Brasil, 2351 - N, Jardim Europa, 78.300-901 (65) 3311-4800

Deputado Estadual Drº. Eugênio de Paiva (PSB-40)

Deputado Estadual Drº. Eugênio de Paiva (PSB-40)
Agora como deputado estadual, Eugênio tem sido a voz do Araguaia, representa o #VALEDOARAGUAIA! 100% ARAGUAIA!🏆

Governo de Mato Grosso

Governo de Mato Grosso
Palácio Paiaguás - Rua Des. Carlos Avalone, s/n - Centro Político Administrativo

Prefeitura de Rondonópolis

Prefeitura de Rondonópolis
Endereço: Avenida Duque de Caxias, 1000, Vila Aurora, 78740-022 Telefone: (66) 3411 - 3500 WhatsApp (Ouvidoria): (66) 9 8438 - 0857

segunda-feira, 20 de novembro de 2023

‘A dobradiça da história’. Palestina e a Nova Ordem Mundial.

"Era evidente há anos, quando a preeminência da América começou a desmoronar-se, que os EUA poderiam encontrar o seu caminho para uma nova era de forma criativa, imaginativa, sábia, corajosa - ou estúpida e violentamente, um defensor cruel da sua própria causa perdida [...] Gaza é o que parece ser a escolha errada", escreve, Patrick Lawrence, crítico de mídia, ensaísta, palestrante e autor do livro Time No Longer: Americans after the American Century.
Eis o artigo.: Bombardear hospitais era, há poucos dias, uma linha vermelha não declarada que as Forças de Defesa de Israel não ousavam ultrapassar sem provocar desgosto e condenação internacionais. No momento em que escrevo, as FDI estão bombardeando hospitais e, pelo que li, seus soldados estão atirando em pacientes, entre eles inválidos, enquanto tentam evacuar edifícios que serão demolidos em breve.
Há agora repulsa e condenação, e elas encontram expressão não apenas nas ruas de muitas cidades, mas também nos círculos governamentais. Axios informou na segunda-feira que um memorando interno do Departamento de Estado, assinado por 100 funcionários do Estado e sua agência de ajuda, USAID, acusa o presidente Biden de mentir sobre a campanha militar de Israel em Gaza e de cumplicidade em crimes de guerra. Na terça-feira, o New York Times estimou em 400 os signatários de outra carta a Biden, representando 40 departamentos e agências governamentais, incluindo o Conselho de Segurança Nacional – isso além de uma carta aberta ao secretário de Estado Blinken assinada por mais de 1.000 membros da Agência Internacional. Funcionários de desenvolvimento. Tanto quanto sei, esta medida de dissidência nos círculos políticos e governamentais é mais ou menos sem precedente.
Para além das nossas montanhas púrpuras e planícies frutíferas, o Dáil irlandês votará esta semana a expulsão do embaixador israelense, a exclusão de Israel de um acordo comercial da União Europeia por violar as suas cláusulas de direitos humanos e - uma moção do Sinn Féin - o encaminhamento de Israel para a Comissão Internacional Corte Criminal. Emmanuel Macron apelou no fim de semana passado a um cessar-fogo, o primeiro líder ocidental a fazê-lo. Dada a recusa desafiadora de Biden a nem mesmo considerar pedir a Israel que aceite um cessar-fogo, o presidente francês emitiu implicitamente uma rejeição da violência israelense e da política dos EUA que a apoia.
Não podemos dar muita importância a acontecimentos como estes, mas também não devemos dar-lhes pouca importância. Estes são sinais na superfície de movimentos muito mais profundos, alguns metros abaixo do solo da nossa civilização. As coisas estão gradualmente a desmoronar-se em consequência da selvageria de Israel e da cumplicidade dos EUA, em casa, nos EUA, no mundo Atlântico como um todo e certamente entre o Ocidente e o mundo além dele. Agora é hora de olhar para frente para ver o que podemos ver do mundo que está por vir.
Christopher Lydon, que produz Radio Open Source para WBUR em Boston, sugeriu no fim de semana que atingimos “uma virada na história – resultados extremamente incertos”. Ele fez esta observação no início de uma longa entrevista com Chas Freeman, o embaixador aposentado por quem compartilho com Lydon grande admiração. Freeman concordou com o pensamento da história. Eu também. Tudo está mudando, mudando completamente, se você me permitir emprestar e distorcer a famosa frase de Yeats.
Aqui está Chas em nosso momento:
Isto é claramente o que o chanceler alemão Scholz chama de Zeitenwende – isto é, um momento de mudança épica, um momento de grandes mudanças numa nova direção na história. Já falamos antes sobre o fato de que 500 anos de domínio global da cultura euro-americana, da cultura atlântica, chegaram ao fim.
O que vemos neste momento na Palestina é o fim do colonialismo dos colonos. O colonialismo dos colonos é um fenômeno dos últimos dois séculos e é sempre acompanhado de genocídio. A única exceção em que consigo pensar é a Nova Zelândia, onde o poder Māori se opôs aos britânicos o suficiente para preservar a sua cultura como uma cultura separada.
Pode parecer improvável que os palestinos consigam resistir tão bem ao Ocidente hegemônico como os Māori no século XIX, embora os resultados, como diz Chris Lydon, sejam extremamente incertos. Em qualquer caso, não se quer ver uma entidade palestina separada e até mesmo segregada emergir da catástrofe Israel-Palestina, mas sim uma nação única e secular na qual culturas de todos os tipos estão integradas e, mais do que tolerantes, aceitando totalmente uma outro. Então argumentei recentemente neste espaço.
Li aqui e ali, em muitos lugares díspares, a observação de que os EUA “foram longe demais desta vez”. Foi assim que Ajamu Baraka, que dirige a Aliança Negra pela Paz, disse outro dia. Cada comentarista que apresenta esse argumento vai direto ao ponto. Os EUA foram longe demais inúmeras vezes desde que assumiram as suas pretensões imperiais, é claro, a partir da Guerra Hispano-Americana. Mas estamos mais uma vez a assistir à selvageria genocida na televisão, tal como vimos aldeias a arder e os arrozais a ficarem vermelhos durante a guerra do Vietnã. Se os EUA nunca recuperarem totalmente da sua violência impiedosa na Indochina, os danos serão permanentes desta vez. A obscenidade que patrocina às mãos de um regime enlouquecido de apartheid é simplesmente demasiado frontal. A desumanidade em tempo real será a ruína da América, para não falar do apartheid de Israel.
A chamada autoridade moral da América tem sido uma ficção durante décadas, eu diria desde as vitórias de 1945, mas está agora em algo próximo do colapso em queda livre. Até os israelenses, num paradoxo estranho e invertido, questionam agora o direito da América de criticar as indecências e desumanidades dos outros. Recue com as suas “pausas humanitárias”, dizem eles. Você matou mais iraquianos do que nós matamos palestinos. Dois regimes moralmente falidos brigando: o que pensarão a seguir?
A pretensão da autoridade moral da América serviu como argumento de base – fraco, vacilante, ridicularizado, ressentido em todo o mundo – para a “ordem baseada em regras”, uma frase que considero tão desprezível que faço uma pausa antes de a escrever. O que pode significar tal ordem, como é que alguém, desde malianos a chilenos e chineses, deve levar a ideia a sério quando a ordem baseada em regras trata de aprovar e fornecer militarmente um genocídio televisivo que não devemos chamar – uma dos regras – um genocídio?
A devastação do estatuto da América na comunidade das nações – e não creio que estejamos vendo a nada menos do que isso – é, no seu conjunto, a consequência de uma complacência há muito evidente entre as cliques políticas da América. Como Chas Freeman salienta na sua conversa com Chris Lydon, Israel está agora violando as leis dos EUA que circunscrevem a utilização de armamentos fabricados nos EUA; viola várias resoluções do Conselho de Segurança da ONU. E ninguém nos EUA diz nada sobre isso, diz Freeman com óbvia ira. É o resto do mundo que está começando a se manifestar. Coloco a questão desta forma: assistimos à chegada do fim à Era da Hipocrisia Hegemônica, como proponho que a chamemos.
“A paciência do mundo conosco e a nossa arrogância e presunção estão chegando ao fim”, observa Chas. “Não teremos outra escolha senão reconhecer que somos uma grande potência entre outras grandes potências. Somos uma civilização entre múltiplas civilizações”.
Não pude deixar de notar como esta realidade se reflete claramente na cimeira que Biden terá com Xi Jinping em São Francisco esta semana. As pessoas que realmente dirigem a política enquanto Biden vagueia inexpressivo pelos corredores da Casa Branca têm-se esforçado para enfatizar que o nosso vacilante presidente não chegará a lado nenhum com o líder chinês e não conseguirá fazer nada de importante. Os ideólogos de Biden, como já observei diversas vezes neste espaço, fritaram a relação sino-americana na primeira oportunidade que tiveram depois que Joe assumiu o cargo. A arrogância e a ignorância, como observou um deputado francês aquando da invasão do Iraque em 2003, são as piores de todas as combinações possíveis.
Lembra-se de quando Moscou e Pequim começaram a aproximar-se há cerca de uma década? Washington pressionava imprudentemente a OTAN o mais próximo possível da fronteira ocidental da Rússia, ao mesmo tempo que prosseguia com a sua neocontenção da China. As duas nações disseram mais ou menos em uníssono: chega disso. Não há como trabalhar com essas pessoas. A relação Rússia-China para agora pouco antes de uma aliança formal e é o eixo, ou um deles, daquilo que os chineses, especialmente, agora regularmente chamam de “a nova ordem mundial”. Esta é a ordem multipolar de que fala Freeman.
Os EUA revelam-se desta forma um catalisador brilhante, embora perverso, na bem-vinda ruína do seu século e de alguma superioridade. E o seu apoio incondicional à onda diária de assassinatos, fome e desidratação de Israel em Gaza está de acordo com isto. Temos agora os chineses a prepararem-se, ao que tudo indica, para desempenhar um papel diplomático na procura de uma solução. Temos o Irã e a Arábia Saudita numa cimeira para determinar um curso de ação comum em resposta à crise de Gaza. Temos a Turquia denunciando Israel de forma militante e conversando com o Irã após longos, longos anos de animosidade. Temos um bom número de amigos da América que desligam as suas relações com Tel Aviv.
Era evidente há anos, quando a preeminência da América começou a desmoronar-se, que os EUA poderiam encontrar o seu caminho para uma nova era de forma criativa, imaginativa, sábia, corajosa - ou estúpida e violentamente, um defensor cruel da sua própria causa perdida. Esta foi a escolha que explorei em Somebody Else's Century: East and West in a Post-Western World, publicado em 2010. Gaza é o que parece ser a escolha errada.
Quando vejo os vídeos horríveis de Gaza, penso nas pessoas que vejo como atores da história. Eles sofrem, na verdade, pelos pecados daqueles que pretendem nos liderar. O sofrimento deles está girando a roda da história. Devemos-lhes muito por isso, à medida que a ordem que eles também defendem venha a existir.
Artigo publicado por Scheerpost e Caminho Político. Edição: Régis Oliveira. @caminhopolitico @cpweb
Curta nosso Instagram: @caminhopoliticomt

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos