Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso
Cons. Benjamin Duarte Monteiro, Nº 01, Ed. Marechal Rondon

Prefeitura Municipal de Tangará da Serra

Prefeitura Municipal de Tangará da Serra
Avenida Brasil, 2351 - N, Jardim Europa, 78.300-901 (65) 3311-4800

Deputado Estadual Drº. Eugênio de Paiva (PSB-40)

Deputado Estadual Drº. Eugênio de Paiva (PSB-40)
Agora como deputado estadual, Eugênio tem sido a voz do Araguaia, representa o #VALEDOARAGUAIA! 100% ARAGUAIA!🏆

Governo de Mato Grosso

Governo de Mato Grosso
Palácio Paiaguás - Rua Des. Carlos Avalone, s/n - Centro Político Administrativo

Prefeitura de Rondonópolis

Prefeitura de Rondonópolis
Endereço: Avenida Duque de Caxias, 1000, Vila Aurora, 78740-022 Telefone: (66) 3411 - 3500 WhatsApp (Ouvidoria): (66) 9 8438 - 0857

quinta-feira, 21 de dezembro de 2023

Milei edita megadecreto para liberalizar economia argentina

Texto abre caminho para privatização de estatais e desregulamentação de sistema de saúde e relações trabalhistas. Medidas serão analisadas pelo Congresso, e foram recebidas com protestos em Buenos Aires.
O presidente da Argentina, Javier Milei, editou na noite de quarta-feira (20/12) um decreto que altera mais de 300 normas do país, com o objetivo de liberalizar relações econômicas e reduzir o papel do Estado, um dos eixos de sua campanha vitoriosa à Casa Rosada. O plano faz parte do pacote de medidas drásticas anunciado logo após a posse do novo governo para enfrentar a grave crise econômica da Argentina.
O Decreto de Necessidade e Urgência (DNU), tipo de ordem que o presidente pode emitir em ocasiões específicas, entra em vigor imediatamente, e agora será enviado para uma comissão que analisará o texto. Em seguida, será submetido ao Congresso, que pode derrubá-lo se tanto o Senado como a Câmara assim decidirem.
Privatização de empresas públicas
O pacote inclui a revogação do regime de empresas estatais e regulamentos que impedem a privatização de empresas públicas, a revogação da lei do aluguel, a possibilidade dos clubes de futebol se tornarem sociedades anônimas e a autorização da transferência total ou parcial da participação acionária da Aerolíneas Argentinas.
O decreto também revoga a Lei de Abastecimento, que prevê sanções contra empresas em casos de escassez de determinados produtos, bem como a Lei de Góndolas, que obriga os supermercados a oferecer um número mínimo de produtos fabricados por pequenas empresas.
Além disso, as medidas anunciadas em cadeia nacional de rádio e televisão estabelecem a reforma do Código Aduaneiro para "facilitar" o comércio internacional e "proibir a proibição de exportações", nas palavras do presidente populista de direita.
"Recebemos a pior herança da história", disse o chefe de Estado argentino. Entre os fardos dos governos dos últimos anos, em sua maioria peronistas, Milei citou "o déficit consolidado de 15% do PIB, a maior carga tributária do mundo, a falta de reservas no Banco Central, a confiança no crédito destruída, a emissão monetária desenfreada e a crise inflacionária anual de 15.000%".
Ele também reclamou dos "inadimplentes em série" que tiraram treze zeros do peso e destruíram cinco outras moedas nacionais, além de "duas crises hiperinflacionárias sem guerras, 50% da população abaixo da linha da pobreza, 10% da população indigente e cinco milhões de argentinos que não têm dinheiro para comer".
Milei anunciou ainda que, nos próximos dias, convocará "sessões extraordinárias" no Congresso Nacional e "um pacote de leis será enviado para acompanhar essas reformas e avançar o processo de mudança".
Ele afirmou que as medidas vão preparar "as bases da reconstrução da economia argentina e devolver a liberdade e a autonomia aos indivíduos, tirando o Estado de suas costas".
"Cacerolazo" em Buenos Aires
As medidas de desregulamentação econômica e privatização do setor público anunciadas por Milei foram recebidas com um panelaço nas ruas de Buenos Aires. Moradores protestaram em cruzamentos, janelas e varandas, batendo em panelas e outros utensílios domésticos.
"Fora Milei!" foi ouvido nas ruas da capital argentina, onde, há apenas um mês, Milei venceu por quase doze pontos sobre o então ministro da economia, o peronista Sergio Massa.
Os protestos aconteceram em várias áreas da cidade, dos locais mais abastados, como Palermo e Belgrano, aos bairros mais pobres, como Caballito, Almagro e Avellaneda.
O governo ameaçou os manifestantes que bloquearem ruas com cortes de benefícios e prisão.
lr/bl (Reuters, EFE, AFP)Caminho político
@caminhopolitico @cpweb
Curta nosso Instagram: @caminhopoliticomt
Curta nosso facebook: /cp.web.96

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos