Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso
Cons. Benjamin Duarte Monteiro, Nº 01, Ed. Marechal Rondon

Prefeitura Municipal de Tangará da Serra

Prefeitura Municipal de Tangará da Serra
Avenida Brasil, 2351 - N, Jardim Europa, 78.300-901 (65) 3311-4800

Deputado Estadual Drº. Eugênio de Paiva (PSB-40)

Deputado Estadual Drº. Eugênio de Paiva (PSB-40)
Agora como deputado estadual, Eugênio tem sido a voz do Araguaia, representa o #VALEDOARAGUAIA! 100% ARAGUAIA!🏆

Governo de Mato Grosso

Governo de Mato Grosso
Palácio Paiaguás - Rua Des. Carlos Avalone, s/n - Centro Político Administrativo

Prefeitura de Rondonópolis

Prefeitura de Rondonópolis
Endereço: Avenida Duque de Caxias, 1000, Vila Aurora, 78740-022 Telefone: (66) 3411 - 3500 WhatsApp (Ouvidoria): (66) 9 8438 - 0857

domingo, 17 de dezembro de 2023

VATICANO: Tribunal do Vaticano condena cardeal acusado de fraude

Em julgamento histórico, cardeal Becciu foi sentenciado a 5 anos de prisão por envolvimento na compra superfaturada de um edifício e desvio de fundos da Igreja.O Tribunal Penal do Vaticano condenou neste sábado (16/12) em primeira instância o cardeal italiano Angelo Becciu a cinco anos e meio de prisão, após um julgamento histórico relacionado com operações financeiras fraudulentas da Santa Sé.
O cardeal, de 75 anos, outrora um dos mais influentes do Vaticano, também foi multado em 8.000 euros (R$ 42.900). "Respeitamos o veredito, mas certamente entraremos com recurso", declarou o advogado do réu, Fabio Vignone.
O procurador havia pedido sete anos e três meses de prisão para o cardeal e uma multa de mais de 10.000 euros.
Ex-assessor próximo do papa Francisco, o cardeal Becciu é o membro de mais alta posição na hierarquia da Igreja Católica a ser julgado por esse tribunal do Vaticano, a Justiça civil da Cidade-Estado. O julgamento demorou dois anos e meio e teve 86 audiências.
No centro do caso está a compra superfaturada, por 350 milhões de euros (R$ 810,1 milhões), de um edifício de luxo em Londres entre 2014 e 2018, no âmbito dos investimentos da Santa Sé, que dispõe de um vasto patrimônio imobiliário.
Desde sua eleição em 2013, o papa Francisco vem tentando sanear as operações da Igreja. O pontífice argentino também reformou o sistema judicial para que bispos e cardeais possam ser julgados em tribunais laicos, e não apenas em instâncias religiosas.
O procurador Alessandro Diddi pediu penas de prisão que vão de quase quatro anos a até mais de 13 anos, além de sanções financeiras, contra Becciu e outros noves réus por fraude, desvio de fundos, abuso de poder, lavagem de dinheiro, corrupção e extorsão.
Das dez pessoas processadas, uma foi absolvida; outras duas, condenadas a pagarem uma multa; e outra, a uma pena de prisão sob sursis de um ano e meio. A pena mais dura, de sete anos e meio de prisão e multa de 10.000 euros, foi para Fabrizio Tirabassi, um ex-funcionário da Secretaria de Estado acusado de receber subornos.
Angelo Becciu
Corrupção
Ex-número dois da Secretaria de Estado, principal órgão do governo central da Santa Sé, no centro desta transação, o cardeal Becciu mantém seu título, mas foi destituído de todas as suas funções em setembro de 2020. O cardeal, nascido na Sardenha, alega inocência e garantiu que "nunca roubou um centavo". Também disse ter sido vítima de um "linchamento midiático".
O tribunal explicou que considerou Becciu culpado de malversação porque ele ordenou o pagamento de um total de 200,5 milhões de dólares entre 2013 e 2014, oriundos dos fundos da Secretaria de Estado, para um fundo de investimento "altamente especulativo" liderado por Raffaele Mincione. Este último também foi condenado, com uma sentença de cinco anos e meio de prisão e multa de 8.000 euros.
A Justiça também considerou o cardeal culpado de canalizar 125 mil euros a uma cooperativa administrada por seu irmão, assim como por ter pago outros 570 mil euros a um intermediário pela libertação de uma freira refém na África. O valor, na verdade, nunca foi usado para esse fim.
O tribunal ordenou ainda o confisco de bens no valor de 166 milhões de euros (R$ 894,8 milhões) dos condenados, bem como o pagamento de 200 milhões de euros (cerca de R$ 1 bilhão) em indenizações às partes civis, quatro instituições do Vaticano.
Ao final das 86 audiências deste processo conhecido como o "do imóvel de Londres", os debates trouxeram à luz a falta de transparência de algumas operações financeiras da Santa Sé, com revelações sobre escutas telefônicas e procedimentos opacos por meio de uma série de intermediários.
jps (AFP, ots)Caminho político
@caminhopolitico @cpweb
Curta nosso Instagram: @caminhopoliticomt
Curta nosso facebook: /cp.web.96

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos