Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso
Cons. Benjamin Duarte Monteiro, Nº 01, Ed. Marechal Rondon

Prefeitura Municipal de Tangará da Serra

Prefeitura Municipal de Tangará da Serra
Avenida Brasil, 2351 - N, Jardim Europa, 78.300-901 (65) 3311-4800

Deputado Estadual Drº. Eugênio de Paiva (PSB-40)

Deputado Estadual Drº. Eugênio de Paiva (PSB-40)
Agora como deputado estadual, Eugênio tem sido a voz do Araguaia, representa o #VALEDOARAGUAIA! 100% ARAGUAIA!🏆

Governo de Mato Grosso

Governo de Mato Grosso
Palácio Paiaguás - Rua Des. Carlos Avalone, s/n - Centro Político Administrativo

Prefeitura de Rondonópolis

Prefeitura de Rondonópolis
Endereço: Avenida Duque de Caxias, 1000, Vila Aurora, 78740-022 Telefone: (66) 3411 - 3500 WhatsApp (Ouvidoria): (66) 9 8438 - 0857

quarta-feira, 3 de janeiro de 2024

Explosões no Irã matam mais de cem e elevam tensão na região

Duas bombas foram detonadas durante cerimônia em memória do general Soleimani, morto em 2020 em ataque de drone dos EUA. Atentado pode ser o mais letal em solo iraniano desde a Revolução Islâmica de 1979. Duas explosões mataram ao menos 103 pessoas nesta quarta-feira (03/01) no Irã, durante uma cerimônia em homenagem a um general iraniano assassinado em um ataque de drone dos EUA em 2020. O incidente tem potencial para agravar ainda mais as tensões no Oriente Médio, já exacerbadas pela guerra entre Israel e o grupo radical palestino Hamas.
Até o momento, nenhum grupo assumiu a autoria do atentado no evento em memória do general Qassim Soleimani, ex-líder da poderosa Força Quds da Guarda Revolucionária iraniana, unidade de elite responsável pelo serviço de inteligência e por conduzir operações militares secretas no exterior.
O atentado na cidade de Kerman, a 820 quilômetros a sudeste de Teerã, parece ser o mais letal no país desde a Revolução Islâmica que instaurou o regime liderado pelos aiatolás, em 1979.
Imagens compartilhadas em redes socias e na mídia iraniana sugerem que a primeira explosão ocorreu a cerca de 700 metros da sepultura de Soleimani no Cemitério dos Mártires de Kerman, enquanto um grande número de pessoas aguardava em longas filas para prestar suas homenagens ao general.
O ministro iraniano do Interior, Ahmad Vahidi, disse que o segundo artefato explodiu cerca de 20 minutos depois, causando a maioria das mortes e ferimentos. Relatos no local dão conta que a segunda detonação atingiu a multidão enquanto as pessoas fugiam do local. O incidente deixou ao menos 211 feridos.
As autoridades iranianas decretaram luto nacional nesta quinta-feira.
Regime iraniano coleciona inimigos
O Irã possui um grande número de grupos rivais que poderiam estar por trás do atentado, como organizações militantes, grupos de exilados iranianos e agentes de outros países.
Israel já realizou ataques no Irã em razão de seu programa nuclear, inclusive com assassinatos pontuais, mas não ataques em massa como o desta terça-feira.
Grupos extremistas sunitas, incluindo o "Estado Islâmico" (EI), atingiram o país no passado com atentados em larga escala, matando um grande número de civis da maioria xiita iraniana. Esses grupos, no entanto, não agiram contra a relativamente pacífica cidade de Kerman.
O Irã vem enfrentando nos últimos anos uma série de protestos em massa. A morte da jovem Mahsa Amini, em 2022, gerou uma onda de revolta no país. Ela morreu sob custódia da polícia, depois de ter sido presa por supostamente não usar o véu islâmico da maneira adequada.
Teerã também coleciona desafetos em razão de seu apoio a organizações radicais como o Hamas, a milícia xiita libanesa Hisbolá, e os rebeldes houthi no Iêmen.
Com a guerra travada por Israel na Faixa de Gaza após os ataques do Hamas que mataram mais de 1,2 mil pessoas em Israel em outubro do ano passado, o Hisbolá e os houthi deram início a uma série de ataques a alvos israelenses, dizendo agir em nome dos palestinos.
Israel também é o principal suspeito de um ataque ocorrido nesta terça-feira em Beirute, que matou o vice-líder do Hamas no Líbano Saleh al-Aruri, em uma região densamente povoada na capital libanesa.
Raisi promete punir os culpados
O presidente iraniano, Ebrahim Raisi, condenou o atentado em Kerman e prometeu punir os culpados. "Sem dúvida, os perpetradores e comandantes desse ato covarde serão logo identificados e punidos por suas ações repugnantes", afirmou.
Em Beirute, o líder do Hisbolá, Hassan Nasrallah, condenou o atentado e disse que as pessoas mortas no ataque são "mártires que morreram na mesma estrada, causa e batalha lideradas por Soleimani".
O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, ofereceu suas condolências após o que chamou de "ataque terrorista repugnante".
A União Europeia (UE) divulgou uma declaração expressando "solidariedade com o povo iraniano". O presidente russo, Vladimir Putin, classificou o ataque como "cruel e cínico".
Herói nacional assassinado pelos EUA
O general Qassim Soleimani, que foi uma espécie de arquiteto das atividades militares iranianas no Oriente Médio, é tido como um herói nacional pelo regime teocrático iraniano.
Entre suas atuações na região, ele ajudou a preservar o governo do presidente da Síria, Bashrar al-Assad, durante as revoltas de 2011 na Primavera Árabe que resultaram na guerra civil no país, que continua até os dias atuais.
Sua popularidade no Irã aumentou durante a invasão americana no Iraque em 2003, quando ele se tornou alvo dos EUA por ajudar grupos radicais a colocarem bombas em estradas que mataram e mutilaram soldados americanos.
Uma década mais tarde, Soleimani se tornaria o principal e mais conhecido líder militar iraniano. Ele rejeitou o clamor popular para que entrasse para a política, embora fosse tão ou mais poderoso do que as lideranças civis do país.
O assassinato do general, ocorrido durante o governo do presidente Donald Trump, agravou as tensões entre Washington e Teerã e resultou na saída iraniana do acordo nuclear entre o regime islâmico e o Ocidente.
Até esta quarta-feira, o ataque mais mortal realizado em solo iraniano desde a Revolução Islâmica havia sido o atentado com um caminhão-bomba à sede do Partido Islâmico Republicano em Teerã, que matou 72 pessoas, incluindo quatro ministros de Estado, oito 8 vice-ministros e 23 parlamentares.
rc/bl (DPA, Reuters)Caminho Político
@caminhopolitico @cpweb
Curta nosso Instagram: @caminhopoliticomt
Curta nosso facebook: /cp.web.96

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos