Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso
Cons. Benjamin Duarte Monteiro, Nº 01, Ed. Marechal Rondon

Prefeitura Municipal de Tangará da Serra

Prefeitura Municipal de Tangará da Serra
Avenida Brasil, 2351 - N, Jardim Europa, 78.300-901 (65) 3311-4800

Deputado Estadual Drº. Eugênio de Paiva (PSB-40)

Deputado Estadual Drº. Eugênio de Paiva (PSB-40)
Agora como deputado estadual, Eugênio tem sido a voz do Araguaia, representa o #VALEDOARAGUAIA! 100% ARAGUAIA!🏆

Governo de Mato Grosso

Governo de Mato Grosso
Palácio Paiaguás - Rua Des. Carlos Avalone, s/n - Centro Político Administrativo

Prefeitura de Rondonópolis

Prefeitura de Rondonópolis
Endereço: Avenida Duque de Caxias, 1000, Vila Aurora, 78740-022 Telefone: (66) 3411 - 3500 WhatsApp (Ouvidoria): (66) 9 8438 - 0857

domingo, 7 de janeiro de 2024

TRÊS REIS MAGOS: Como os ossos dos Três Reis Magos foram parar na Alemanha

A longa jornada dos Reis Magos à região alemã da Renânia começa com a história da Igreja Católica Romana – e o ímpeto colecionador da mãe de um imperador: no ano 313, o Imperador Constantino, o Grande, soberano do Império Romano, promulgava o chamado Édito de Milão, acabando com a perseguição oficial ao cristianismo.
Muitos romanos renunciaram então aos deuses da antiguidade e abraçaram a nova fé, incluindo Helena, a mãe do imperador. Ela foi ainda mais além, tomando para si a missão de encontrar todos os lugares e objetos que pudessem ter alguma ligação com Jesus de Nazaré. Em Jerusalém, por exemplo, ela teria descoberto o túmulo dele e também a cruz na qual ele teria morrido. Foi durante essa busca por relíquias que ela provavelmente se deparou com os restos mortais dos Três Reis Magos.
De Constantinopla a Milão
Hoje cristãos de todo o mundo os reverenciam como os sábios do Oriente que seguiram a estrela de Belém até a manjedoura de Jesus e prestaram homenagem a ele como o filho recém-nascido de Deus. Na Bíblia, eles não são chamados de reis, mas de astrólogos ou magos.
Mas, quer fossem ou não reis, as relíquias eram valiosas o suficiente para que a mãe do imperador as levasse para Constantinopla (hoje Istambul). Helena, contudo, não pôde manter sua descoberta por muito tempo: o imperador a doou ao bispo milanês Eustórgio, que colocou o presente num sarcófago de mármore e o levou numa carroça de bois para Milão.
No fim de uma árdua viagem de quase 2 mil quilômetros até a Itália, pouco antes da chegada, os animais teriam desmaiado de exaustão em frente aos portões da cidade. Exatamente naquele local – pelo menos é o que diz a lenda – Eustórgio mandou construir uma basílica para nela sepultar os Três Reis Magos.
Santos como espólio de guerra
Lá os ossos permaneceram por mais de sete séculos – até que o imperador Frederico 1º, conhecido como Barbarossa, sitiou Milão, em 1162. Ao seu lado estava o arcebispo de Colônia, Rainald von Dassel, que não apenas era um homem da igreja, como também chanceler imperial e líder militar de Barbarossa. Quando a cidade italiana finalmente caiu, Von Dassel pediu os restos dos Três Reis Magos como despojos de guerra.
"O arcebispo certamente visava o ganho de prestígio para Colônia", conjectura Matthias Deml, porta-voz da Catedral de Colônia. "Afinal, esses santos importantes, que realmente remontam aos tempos bíblicos, foram, obviamente, de imensa importância."
"Um tesouro incomparável"
Quando o arcebispo entrou em Colônia com uma grande comitiva, em 23 de julho de 1164, os moradores da cidade o aplaudiram com entusiasmo. Na bagagem, afinal, ele trazia uma carga preciosa – e, com ela, "um tesouro incomparável, mais valioso que todo ouro e pedras preciosas", como ele mesmo registrou por escrito.
"O impressionante é que, antes de 1162, não havia fontes sobre a existência dessas relíquias", comenta Deml. "Ao chegarem a Colônia, porém, elas são mundialmente famosas, pois Dassel anunciava por onde passava que agora detinha os ossos dos Três Reis Magos."
O imenso alarde, porém, também despertou cobiça. Há muitas histórias sobre o transporte dos ossos – carga que qualquer príncipe desejaria ter em mãos. Algumas fontes apontam que os ossos, declarados cadáveres da peste, chegaram aos Alpes em caixões de lata. Outros contam que as ferraduras dos cavalos foram pregadas de forma invertida, a fim de enganar possíveis perseguidores.
Um monge como inventor de histórias
Mas de todos esses relatos – a história de Helena e do bispo Eustórgio, assim como os supostos cuidados do arcebispo para proteger os restos mortais na viagem a Colônia – apenas a aclamada chegada a Colônia está oficialmente documentada.
Segundo Deml, a lenda dos Três Reis Magos foi fortemente ampliada pelo monge carmelita Johannes von Hildesheim, cujos escritos afirmam que eles não quiseram mais se separar depois da visita à manjedoura de Jesus. Um dia, então, o apóstolo Tomé teria aparecido, contado-lhes sobre a vida e a futura obra de Cristo e os ordenando bispos.
O monge ainda acrescentou um milagre na história da morte dos Reis Magos: o rei mais velho, já falecido, teria deslocado levemente seu corpo no túmulo para dar lugar ao segundo rei mais velho quando este veio a falecer. Da mesma forma, ambos teriam aberto espaço para o mais novo quando a sepultura foi novamente aberta para enterrar este último ao lado de seus companheiros.
A cidade de Hildesheim, aliás, não saiu de mãos vazias: do arcebispo de Colônia, ela ganhou as falanges dos dedos dos santos. "E não se tratava de uma parte pequena e insignificante do corpo: os dedos indicadores dos Três Reis Magos são de particular importância, pois foram usados para apontar para a estrela de Belém", enfatiza Deml.
Johannes von Hildesheim não foi o único a acrescentar detalhes à história dos "sábios do Oriente". Somente por volta do ano 500 é que eles receberam seus atuais nomes – Gaspar, Melchior e Baltazar – junto com uma interpretação simbólica: segundo a Igreja Católica, cada um deles deveria representar um dos continentes conhecidos há 2 mil anos – África, Ásia e Europa –, um sinal de que o mundo inteiro louvava Jesus.
Uma nova catedral
Essas preciosas relíquias estavam agora na catedral da cidade de Colônia. Para preservá-las, Philipp von Hochstaden, sucessor do arcebispo Von Dassel, que morreu numa batalha em 1167, encomendou um santuário de ouro, feito por um dos ourives mais renomados da Idade Média, Nicolau von Verdun.
Todos os dias, inúmeros peregrinos afluiam ao Santuário dos Três Reis, como é conhecido o relicário e onde, pela manhã, uma abertura era aberta para permitir a visualização dos restos mortais dos santos. Segundo Deml, as relíquias ajudariam contra muitos males. "Entre eles a epilepsia, mas também incêndios domésticos, febres, ladrões, piratas e outros males, que seriam assim banidos."
Imperadores e reis também viajavam para prestar homenagem aos Três Reis Magos. Não demorou muito para que a antiga catedral de Colônia não conseguisse mais acomodar as hordas de peregrinos de toda a Europa – uma nova construção, mais imponente, se fazia necessária. Assim, em 1248, Colônia começou a construir uma igreja gótica mais condizente com o novo fluxo de fiéis. Sua conclusão, no entanto, só aconteceu em 1880 – nada menos que 632 anos depois.
A lenda dos Três Reis Magos sobreviveu ao passar dos séculos, mas uma questão existe até hoje: serão mesmo eles? "Uma falsificação óbvia certamente não é", diz Deml. O santuário foi aberto no século 19, e quando os ossos foram examinados, descobriu-se que estavam embrulhados em antigos e valiosos tecidos de seda de Palmira (na atual Síria), que datam da Antiguidade Tardia.
"Portanto, seja lá quem for que estiver no Santuário dos Três Reis: são pessoas que foram reverenciadas por muitos séculos. Se de fato são os Três Reis Magos é, no fim das contas, uma questão de fé."
Suzanne Cords/Caminho Político
@caminhopolitico @cpweb
Curta nosso Instagram: @caminhopoliticomt
Curta nosso facebook: /cp.web.96

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos