Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso
Cons. Benjamin Duarte Monteiro, Nº 01, Ed. Marechal Rondon

Prefeitura Municipal de Tangará da Serra

Prefeitura Municipal de Tangará da Serra
Avenida Brasil, 2351 - N, Jardim Europa, 78.300-901 (65) 3311-4800

Deputado Estadual Drº. Eugênio de Paiva (PSB-40)

Deputado Estadual Drº. Eugênio de Paiva (PSB-40)
Agora como deputado estadual, Eugênio tem sido a voz do Araguaia, representa o #VALEDOARAGUAIA! 100% ARAGUAIA!🏆

Governo de Mato Grosso

Governo de Mato Grosso
Palácio Paiaguás - Rua Des. Carlos Avalone, s/n - Centro Político Administrativo

Prefeitura de Rondonópolis

Prefeitura de Rondonópolis
Endereço: Avenida Duque de Caxias, 1000, Vila Aurora, 78740-022 Telefone: (66) 3411 - 3500 WhatsApp (Ouvidoria): (66) 9 8438 - 0857

segunda-feira, 19 de fevereiro de 2024

Israel declara Lula persona non grata por "antissemitismo"

Petista equiparou ações do Exército Israelense na Faixa de Gaza a crimes de Hitler. Governo de Netanyahu diz que presidente brasileiro cometeu "grave ataque antissemita" e exige retratação.O Ministério do das Relações Exteriores de Israel declarou nesta segunda-feira (19/02) que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva é persona non grata, ou seja, não será bem-vindo no país, por o brasileiro ter comparado a ofensiva de Israel na Faixa de Gaza ao massacre de judeus pelos nazistas na Segunda Guerra Mundial.
"Não esqueceremos nem perdoaremos. Este é um grave ataque antissemita. Em meu nome e em nome dos cidadãos de Israel, informem o presidente Lula que ele é persona non grata em Israel até que se se retrate", escreveu o ministro israelense das Relações Exteriores, Israel Katz, em postagens nas redes sociais.
"A comparação do presidente brasileiro Lula entre a guerra justa de Israel contra o Hamas e as ações de Hitler e dos nazistas, que exterminaram 6 milhões de judeus, é um grave ataque antissemita que profana a memória daqueles que morreram no Holocausto."
Durante uma visita de Estado á Etiópia, neste fim de semana, Lula, indagado sobre a decisão de alguns países de suspender repasses financeiros à Agência da ONU para os Refugiados Palestinos (UNRWA), disse que "o que está acontecendo na Faixa de Gaza e com o povo palestino não existe em nenhum outro momento histórico. Aliás, existiu: quando o Hitler resolveu matar os judeus".
Ele classificou como "genocídio" e "chacina" a reação de Israel aos ataques terroristas do grupo extremista Hamas de 7 de outubro de 2023, e comparou a operação israelense ao extermínio sistemático de milhões de judeus pelos nazistas chefiados por Adolf Hitler, entre 1933 e 1945.
Lula deu as declarações durante entrevista em Adis Abeba, na Etiópia, onde participou nos últimos dias da 37ª Cúpula da União Africana e de reuniões bilaterais com chefes de Estado do continente.
O termo persona non grata (pessoa indesejada, em latim) é um instrumento jurídico empregado nas relações internacionais, descrito no Artigo 9º da Convenção de Viena sobre relações diplomáticas, para explicitar que um indivíduo não é bem-vindo em determinado país.
Chanceler de Israel repreende embaixador brasileiro
Em reação à fala de Lula, o governo do primeiro-ministro israelense, Benjamim, Netanyahu, convocou o embaixador brasileiro Frederico Meyer para dar explicações.
O próprio Netanyahu afirmou nas redes sociais que a declaração banalizava o Holocausto – o massacre de 6 milhões de judeus na Segunda Guerra Mundial: "Comparar Israel ao Holocausto nazista e a Hitler é ultrapassar uma linha vermelha. Israel luta por sua defesa e garantia do seu futuro até a vitória completa."
O embaixador Meyer foi recebido pelo chanceler Katz no Yad Vashem, o Memorial do Holocausto, o que significou uma mudança no protocolo. Normalmente, as reuniões com embaixadores para advertências ou reprimendas ocorrem na sede da chancelaria do país.
A declaração de Lula como persona non grata em Israel veio de maneira surpreendente durante uma coletiva conjunta de imprensa entre Katz e Meyer.
"Eu trouxe o senhor a um lugar que testemunha, mais do que qualquer outra coisa, o que os nazistas e Hitler fizeram aos judeus, incluindo membros da minha família", disse o ministro, segundo o jornal The Times of Israel. "A comparação entre a guerra de Israel contra o Hamas e as atrocidades de Hitler e dos nazistas é uma vergonha."
Diferentes entidades judaicas criticaram a declaração de Lula. Para algumas destas, a fala do brasileiro "profana a memória dos que morreram no Holocausto".
rc (EFE, AFP, Reuters, ots)Caminho Político
@caminhopolitico @cpweb
Curta nosso Instagram: @caminhopoliticomt
Curta nosso facebook: /cp.web.96

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos