Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

GOVERNO DE MATO GROSSO

Deputado Estadual Drº. Eugênio de Paiva (PSB-40)

Deputado Estadual Drº. Eugênio de Paiva (PSB-40)
Agora como deputado estadual, Eugênio tem sido a voz do Araguaia, representa o #VALEDOARAGUAIA! 100% ARAGUAIA!🏆

Governo de Mato Grosso

Governo de Mato Grosso
Palácio Paiaguás - Rua Des. Carlos Avalone, s/n - Centro Político Administrativo

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

sábado, 8 de junho de 2024

A sigla populista de esquerda que desafia ultradireita alemã

Sahra Wagenknecht, ex-líder parlamentar do A Esquerda, concorre às eleições europeias com o partido que leva seu nome. Alvo principal são os eleitores que votam na ultradireita basicamente por protesto, sem convicção. Quando a política esquerdista alemã Sahra Wagenknecht anunciou em 2023 que fundaria seu próprio partido, comentou-se que quem tinha mais motivos para se preocupar era a populista de direita Alternativa para a Alemanha (AfD). As eleições legislativas europeia deste domingo (09/06) serão o primeiro grande teste para essa teoria.
Para diversos analistas, a Aliança Sahra Wagenknecht (BSW) ocupa uma posição ímpar no cenário político alemã: esquerdista em assuntos econômicos, porém mais próxima da extrema direita em questões como imigração e diversidade de gênero. Numa coletiva de imprensa em Berlim, no fim de abril, a protagonista explicou seu próprio fenômeno, numa típica combinação de termos precisos, porém simples.
"Está claro que temos um governo muito impopular. A economia alemã está em crise [...] temos tido inflação acima da média, e os partidos do governo perderam seriamente popularidade. E isso, é claro, fortaleceu muito a AfD e a extrema direita do espectro político."
A decisão de Wagenknecht de se separar da legenda A Esquerda, da qual já foi líder de bancada parlamentar, esfacelou a representação do partido no Bundestag, e talvez tenha destruído suas chances de ser uma força política significativa no futuro: dez de seus 38 deputados federais desertaram para a BSW. Wagenknecht diz que precisava seguir adiante porque o velho partido socialista "não estava mais chegando até a quem está insatisfeito e quer uma alternativa séria".
Ela admite que está pescando nas mesmas águas que os populistas de direita: "Nós acreditamos, e muitas consultas também demonstraram, que grande parte dos eleitores da AfD são eleitores por protesto. Não são ultradireitistas, não sustentam as posições radicais de direita [...] eles sentem que não estão sendo escutados. E não estão: não é só um sentimento, é a verdade."
Pedra no sapato do A Esquerda – e da AfD
Embora descarte formar uma coalizão com a extrema direita, Wagenknecht partilha algumas visões políticas com a AfD: sua sigla se opõe à exportação de armas para a Ucrânia e às sanções contra a Rússia, e quer desmilitarizar a União Europeia e remover as armas nucleares dos Estados Unidos do continente.
A BSW reivindica, ainda, uma solução diplomática para a Ucrânia – embora sua fundadora seja vaga à forma que poderá ter tal solução, uma vez que a agressora Rússia tem demonstrado pouca inclinação a participar de negociações de paz.
Na coletiva de imprensa, Wagenknecht propôs que o Ocidente se comprometa a suspender os envios de armamentos para Kiev, se Moscou concordasse com um cessar-fogo imediato – o que provavelmente forçaria os ucranianos a cederem os territórios invadidos.
Nos últimos anos, é possível que nenhuma personagem política tenha sido tão incômoda na Alemanha quanto Sahra Wagenknecht, tanto para seus aliados como para os adversários. Bem antes de abandonar A Esquerda, ela se tornara uma pedra no sapato para seus correligionários, cansados da atenção midiática em torno dela e de seu desprezo pela disciplina partidária.
Por diversas vezes, criticou a liderança da legenda por fazer o jogo dos que ela denomina "esquerdistas de lifestyle", cujas políticas de inclusão de comunidades marginalizadas estariam, por sua vez, marginalizando o eleitorado tradicional, sobretudo as classes operárias do Leste Alemão.
E é justamente nessa parte do país – pertencente de 1949 a 1990 à comunista República Democrática Alemã (RDA) –, que Wagenknecht se tornou mais popular. Uma pesquisa de opinião realizada em maio no estado da Turíngia pelo instituto Insa apontou, por exemplo, 16% de popularidade para a BSW, bem acima da média nacional de 7%.
Segundo o deputado federal da BSW Christian Leye, isso provaria que Wagenknecht é o maior temor da AfD no panorama político alemão. "Com razão, muita gente acha que o governo não vem adotando medidas no interesse dos trabalhadores. Tudo está ficando cada vez mais caro, a guerra e as sanções impulsionaram a inflação, e a infraestrutura pública está em péssimo estado", queixa-se o ex-presidente estadual do A Esquerda.
Conservadora no social, socialista na economia
Essa análise é confirmada pela pós-doutoranda em ciências políticas Sarah Wagner, da Universidade de Mannheim: seu estudo sobre a ascensão de Sahra Wagenknecht mostrou que a popularidade dela compete com a dos líderes da AfD, mesmo entre os próprios eleitores do partido ultradireitista.
"Estamos vendo que a questão da imigração está muito fortemente associada a Wagenknecht. No entanto, o potencial dela não se limita aos críticos da imigração: ela está também recebendo apoio de gente que é, no geral, conservadora. Por exemplo: críticos da proteção do clima ou opositores dos direitos das comunidades LGBTQI."
Segundo Wagner, grande parte dos atuais adeptos da AfD não são especialmente engajados, portanto podem ser conquistados: "São eleitores insatisfeitos com a democracia, conservadores e – embora muitos não se sintam necessariamente bem votando para a AfD – eles não veem outro partido em que possam votar."
Para certos analistas, Wagenknecht está oferecendo algo que nunca se viu antes no país: valores sociais conservadores aliados a valores econômicos socialistas. "Não se sabe exatamente quantos cidadãos se alinham com os valores conservadores de esquerda, mas dá para dizer que é um grupo significativo", observa Wagner.
A melhor analogia para a BSW no campo internacional talvez seja o Partido Socialista (SP) da Holanda, que adotou uma linha mais dura em relação à imigração; ou o Partido Comunista da Grécia (KKE), que votou contra a proposta de institucionalizar o casamento homossexual.
A guinada de Wagenknecht é também significativa para sua carreira política: nascida em 1969 em Jena, Turíngia, de mãe alemã e pai iraniano, ela passou praticamente toda vida no partido atualmente chamado A Esquerda – desde sua versão original, o comunista Partido Socialista Unitário da Alemanha (SED), que governava a RDA.
Já há quem projete o provável plano de batalha de Sahra Wagenknecht: à candidatura às eleições europeias deste domingo, se seguirão, no terceiro trimestre, campanhas em plena escala em três estados do Leste: Brandemburgo, Saxônia e Turíngia. Seu sucesso ou fracasso talvez venha a ditar muito do futuro político da Alemanha.
Ben Knight/Caminho Político
@caminhopolitico cpweb
Curta nosso Instagram: @caminhopoliticomt
Curta nosso facebook: /cp.web.96

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos