Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

GOVERNO DE MATO GROSSO

Deputado Estadual Drº. Eugênio de Paiva (PSB-40)

Deputado Estadual Drº. Eugênio de Paiva (PSB-40)
Agora como deputado estadual, Eugênio tem sido a voz do Araguaia, representa o #VALEDOARAGUAIA! 100% ARAGUAIA!🏆

Governo de Mato Grosso

Governo de Mato Grosso
Palácio Paiaguás - Rua Des. Carlos Avalone, s/n - Centro Político Administrativo

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

quinta-feira, 27 de junho de 2024

Comunidades Tradicionais defendem uma gestão participativa da Bacia do Tapajós

O evento potencializou o engajamento para proteção dos rios da Bacia Hidrográfica do Tapajós. "Nós somos os rios e somos a terra. O rio é nossa rua e a nossa vida, por isso devemos lutar por todos que vivem nele e dependem dele", essa é a essência do compromisso que os representantes de povos indígenas, quilombolas, povos tradicionais, organizações de base e militantes de movimentos populares da região da Bacia do Rio Tapajós manifestaram durante o "Encontro das Águas: Construindo uma Gestão Hídrica Participativa no Tapajós", realizado nos dias 14 e 15 de junho em Alter do Chão, no Pará.
O Encontro das Águas teve como objetivo criar um espaço de escuta e compartilhamento para as organizações locais, visando a construção de estratégias coletivas para a governança das águas e proteção dos rios da Bacia Hidrográfica do Tapajós. A iniciativa busca promover a participação ativa das populações locais na formulação de instrumentos para proteção dos rios, fortalecendo a articulação entre os diferentes atores envolvidos na gestão dos recursos hídricos.
Entre os presentes estava Maria Leusa, liderança do Povo Munduruku, que destaca o trabalho coletivo e unificado como fundamental para proteger o Tapajós e a vida dos Povos Indígenas e Comunidades Tradicionais que vivem no território.
“É um momento em que nos reunimos, nos encontramos, e nos fortalecemos em nossa luta pela proteção do Tapajós e a vida do nosso povo. O rio Tapajós é fundamental para nossa existência e resistência. Ele é um símbolo da nossa luta e da nossa defesa contra as ameaças que estão surgindo. Estamos construindo um caminho para o futuro, lutando pela defesa da nossa vida. Essa é uma construção importante, um momento de aliança e cooperação. Nossa luta é também uma luta por defesa das causas dos quilombolas, ribeirinhos, pescadores e extrativistas. Por isso, é muito importante que estabeleçamos uma rede de apoio e cooperação para fortalecer a nossa resistência e proteger o rio Tapajós e a vida do nosso povo.”, declarou a liderança Munduruku.
O evento, organizado pelo Movimento Tapajós Vivo (MTV), Federação dos Povos Indígenas do Pará (FEPIPA), Instituto Centro de Vida (ICV) e WWF-Brasil, marca um importante passo para discutir temas relacionados à gestão participativa das águas. O encontro começou na sexta-feira (14) com debates sobre a importância dos rios vivos e saudáveis, bem como uma análise da conjuntura em defesa das águas e ameaças à Bacia Hidrográfica do Tapajós.
O Encontro das Águas simboliza o início do projeto "Rumo a uma Gestão Participativa da Água na Bacia do Tapajós", uma iniciativa conjunta que tem como intenção fortalecer a participação e a influência política dos povos indígenas e das comunidades tradicionais da Bacia do Tapajós nos espaços de gestão das águas. O objetivo é promover processos participativos que permitam às populações locais atuarem de forma ativa, qualificada, reconhecida e empoderada nos debates políticos sobre as águas do Tapajós.
"A chegada desse projeto ao Tapajós é de suma importância. Ele não traz soluções prontas, mas busca alinhar a luta já existente nos territórios, reafirmando nossa resistência. É fundamental valorizar nossos conhecimentos tradicionais e ancestrais, toda a cosmovisão de luta que já se prática nos territórios, alinhada a essa ferramenta de proteção dos rios. Nossa perspectiva é fortalecer nossa força coletiva, juntamente com os povos indígenas e comunidades tradicionais, para que possamos nos empoderar cada vez mais sobre esse tema", disse Concita Sompré, presidente da FEPIPA.
Formação de Defensores e Defensoras das Águas do Tapajós
No dia 15, o Encontro das Águas celebrou o lançamento do Curso de Formação de Defensores e Defensoras das Águas do Tapajós, que tem o propósito de fortalecer as vozes locais sobre a temática das águas. O curso destacou a importância dos povos das águas e da floresta sobre seus direitos de participação em políticas públicas e decisões que afetam diretamente o ambiente e a vida das Comunidades Tradicionais e Povos Indígenas.
Valdeci Oliveira da Comissão Pastoral da Pesca destacou a importância do curso, afirmando que ele ressalta a relevância dos Povos Indígenas e das Comunidades Tradicionais, especialmente no contexto atual. “Como pescadora, acredito que defender o rio e o ambiente onde ocorre a pesca é crucial diante dos vários desafios impostos. O curso será essencial para o contexto da pesca, contribuindo significativamente para a dinâmica do nosso trabalho com essas comunidades, na luta pela defesa dos territórios e pelo manejo adequado do pescado." afirma Valdeci.
O curso foi desenvolvido em parceria com a Escola de Militância Socioambiental da Amazônia (EMSA), vinculada ao Movimento Tapajós Vivo, e com o apoio de professores do Instituto de Ciência e Tecnologia das Águas da Universidade Federal do Oeste do Pará (ICTA/UFOPA).
Essa iniciativa marca um passo significativo na luta pela preservação do Tapajós, destacando a importância de uma abordagem sistêmica e participativa na gestão das águas e na valorização das culturas tradicionais que dependem desse ecossistema. "O curso é importante por promover a proteção das águas do Rio Tapajós através de um processo formativo que cria um espaço educativo dedicado à defesa da bacia do rio. Os participantes aprendem sobre as dinâmicas do Teles Pires, Juruena e das regiões do Alto, Médio e Baixo Tapajós. Além disso, o curso aborda a diversidade cultural da bacia, fornecendo ferramentas e instrumentos para a defesa legal e prática do rio, capacitando os alunos a atuarem efetivamente na sua proteção", destaca Johnson Portela, do Movimento Tapajós Vivo e diretor pedagógico do curso.
Assessoria/Caminho Político
@caminhopolitico cpweb
Curta nosso Instagram: @caminhopoliticomt
Curta nosso facebook: /cp.web.96

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos