Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

GOVERNO DE MATO GROSSO

Deputado Estadual Drº. Eugênio de Paiva (PSB-40)

Deputado Estadual Drº. Eugênio de Paiva (PSB-40)
Agora como deputado estadual, Eugênio tem sido a voz do Araguaia, representa o #VALEDOARAGUAIA! 100% ARAGUAIA!🏆

Governo de Mato Grosso

Governo de Mato Grosso
Palácio Paiaguás - Rua Des. Carlos Avalone, s/n - Centro Político Administrativo

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

terça-feira, 18 de junho de 2024

LIBERDADE DE IMPRENSA: "Democracia não caiu do céu", lembra ministra no GMF

Na abertura do Global Media Forum (GMF) da DW, o painel formado pela ministra alemã das Relações Exteriores, Annalena Baerbock, com a Nobel da Paz filipino-americana Maria Ressa e a empreendedora de mídia ugandense Scovia Culton Nakamy, ambas jornalistas, focou no poder da democracia.
As participantes discutiram que processos políticos e sociais seriam necessários para tornar mais resilientes as sociedades e democracias, e como vozes diversas podem se tornar mais visíveis por todo o panorama midiático. "A democracia não caiu do céu", Baerbock recordou ao público, "precisamos protegê-la."
A política do Partido Verde enfatizou que alguns aspectos das sociedades abertas, que se costumava considerar inquestionáveis – como direitos iguais para todos os gêneros, ou ao aborto – estão sendo colocados em questão por certos protagonistas políticos.
"Este é um ano crucial para a democracia", concordou Ressa: 2024 é potencialmente um "ponto de virada" para a ordem internacional baseada em regras, pois "71% do mundo se encontra agora sob regime autoritário; a democracia está resvalando". "Nossa janela de oportunidade para agir está se fechando, mas ainda está lá."
Baerbock, Ressa e Nakamya – que é fundadora do site Her Story Uganda, de jornalismo voltado para a igualdade de gêneros – também falaram sobre o assédio online dirigido especificamente contra mulheres.
Baerbock recordou que antes de se tornar ministra teve que lidar com o assédio sexualizado online. De início, ignorou, pensando que era a única reação possível, mas quando soube como outras mulheres proeminentes sofriam o mesmo tipo de agressão, entendeu quão insidioso era seu efeito. "O parâmetro dos direitos femininos é crucial": se as mulheres estão em perigo, esse é um mau presságio para toda a sociedade."
Compartilhando soluções em tempos sombrios
Realizado anualmente, em 2024 o GMF reúne, a partir desta segunda-feira (17/06) mais de 1.500 líderes políticos e midiáticos, jornalistas, acadêmicos e outros profissionais e protagonistas de todo o mundo. O local é o World Conference Center, na ex-capital Bonn, no oeste da Alemanha.
"Mesmo em tempos sombrios, o otimismo é o melhor caminho, porque em geral pessimistas não contribuem para soluções": com essas palavras, o diretor-geral da DW, Peter Limbourg, abriu o GMF 2024.
Os tempos são, de fato, sombrios: guerras grassam na Ucrânia, Oriente Médio, Sudão e outros locais; por todo o mundo, regimes autoritários parecem estar avançando – enquanto a democracia se retrai. E com ela, a liberdade de imprensa e de opinião perde campo.
O lema do atual GMF é Sharing solutions – compartilhar soluções. Entre as questões abordadas, estão: como os jornalistas podem cumprir sua missão, apesar dos perigos e da pressão crescente? Como chegar até o máximo de usuários, em suas respectivas sociedades? Como os avanços tecnológicos influenciam a mídia e seu consumo?
"Não é só o mundo digital que transforma o jornalismo: a inteligência artificial [IA] vai agitá-lo ainda mais", afirma Limbourg. Pois as possibilidades de abusar da IA são grandes, como, por exemplo, com imagens e vozes enganosamente realistas.
Em seu discurso na abertura do evento, Baerbock, mencionou a existência de deep fakes que a apresentam como prostituta, comentando: "A IA torna a desinformação mais barata, mais fácil e mais eficaz."
Ressa teve experiências semelhantes: em seu portal online de notícias Rappler, ela bate repetidamente de frente com os poderosos – e sente as consequências. Também ela é vítima de imagens obscenas forjadas. Para vir a Bonn, teve que pedir permissão ao governo.
Combater o cansaço midiático, dar voz a quem acha que não tem
Outros pontos-chave no dia de abertura do GMF 2024 foram o noticiário sobre o voto popular, neste super ano eleitoral, e a correlação entre democracia e mídias. Escutando-se os participantes das diversas rodadas de debates, o quadro resultante é predominantemente negativo.
Justamente graças às redes sociais, é possível contornar a imprensa controlada pelos governos, sobretudo as grandes emissoras. Desse modo, mais gente pode se informar de modo independente e reagir por conta própria.
Por outro lado, a desconfiança em relação à mídia se alastra por toda parte, assim como um fastio para com as informações. Também a participação nas urnas cai em muitos países. A mensagem geral dos debates é: quem atua na mídia precisa estabelecer o contato direto com a gente e seus problemas quotidianos.
Ellen Heinrichs, diretora executiva do Bonn Institute, que se engaja pelo jornalismo construtivo, comenta sobre o esgotamento das notícias ruins: "As pessoas estão sobrecarregadas". Com frequência excessiva, o jornalismo é só o que os políticos dizem, e "nós precisamos de uma diversidade de perspectivas". Mas o jornalismo construtivo não deve ignorar os problemas, e sim também oferecer soluções.
Anant Geonka, diretor da editora de jornais Indian-Express, ressalta que os departamentos de checagem de fatos, como praticamente toda redação tem agora, não são nada de novo: verificar os fatos sempre foi uma tarefa obrigatória para todo meio de comunicação sério e a base da confiabilidade midiática, que é o principal capital do jornalismo.
Adriano Nuvunga dirige em Moçambique o Centro para Democracia e Direitos Humanos. Ele registra democratização em diversas nações da África, mas "os governos não escutam os cidadãos, não representam seus interesses", o que os deixa com a impressão de que a democracia não tem nada a lhes oferecer. Assim, para ele, a função do jornalismo seria dar uma voz a essas pessoas.
"Continuem trabalhando!"
Retornando ao tema inteligência artificial, o diretor-geral Peter Limbourg aconselha empregá-la como instrumento, não como substituto do jornalismo de produção humana: "A IA pode servir de apoio, mas as decisões jornalísticas importantes devem ser sempre tomadas por seres humanos."
De maneira enfática, a Nobel da Paz Maria Ressa reivindica um controle internacional para a IA e as megaempresas por trás dela. Não há muito mais tempo, ressalta: "A janela de oportunidade para agir está se fechando – mas ainda está aberta."
A ministra Baerbock partilha incondicionalmente dessa opinião: "Somos por uma regulamentação internacional da IA. Temos que configurá-la de modo que os seres humanos mantenham o controle." Isso ocorre também em nível europeu, mas para leis é preciso maioria, lembra, rebatendo quem acha que o progresso no assunto vai lento demais.
No entanto, trata-se de uma questão ainda maior do que inteligência artificial e mídia, destaca a chefe da diplomacia alemã: "Como tornar nossas sociedades mais resistentes?" O jornalismo independente é uma pedra de toque de todo sistema democrático: ela chama os poderosos à responsabilidade, enfatiza Baerbock.
Diante dos grandes problemas globais, é inevitável que em algum momento no GMF desponte a pergunta: o que podem fazer os jornalistas para combater as tendências erradas? A resposta de Maria Ressa foi recebida com aplauso retumbante: "Muito simples: continuem trabalhando!"
Assessoria/Caminho Político
@caminhopolitico cpweb
Curta nosso Instagram: @caminhopoliticomt
Curta nosso facebook: /cp.web.96

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos