Águas Cuiabá - Iguá Saneamento

Águas Cuiabá - Iguá Saneamento
Av. Gonçalo Antunes de Barros, 3196 - Carumbé - CEP 78050-667 - Cuiabá-MT • Telefones: 0800 646 6115

MRV ENGENHARIA

Prefeitura de Cuiabá

Prefeitura de Cuiabá
Praça Alencastro, nº 158 - Centro - CEP: 78005-906

ABERT - Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão

ABERT -  Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão
SAF/SUL Qd 02 Bl D Sl 101 Ed.Via Esplanada (Atrás do Anexo do Ministério da Saúde) | Brasília - DF

ABAV EXPO 2018 Conecta

ABAV EXPO 2018 Conecta
Av. Olavo Fontoura, 1209 - Portão 1 - Santana, São Paulo - SP E-mail: visit@abavexpo.com.br

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

"SEGUNDA GUERRA MUNDIAL: Polônia tem direito a indenizações da Alemanha, afirma parecer"

Premiê Beata Szydlo Assessores legais do Parlamento polonês afirmam que país tem direito a reparações por causa da destruição causada pelos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial. Governo sinaliza disposição de cobrar. Um comitê de assessores legais do Parlamento da Polônia afirmou nesta segunda-feira (11/09) que o país tem direito a exigir reparações da Alemanha por causa da destruição causada pelos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial. "É legítimo afirmar que a República da Polônia tem direito a indenizações da República Federal da Alemanha, e a afirmação de que esse direito caducou é infundada", afirma o parecer. A declaração de 1953, na qual a Polônia renuncia a indenizações, seria inconstitucional e só teria ocorrido por pressão da União Soviética, acrescenta o parecer. Além disso, ela só valeria para a Alemanha Oriental. Nos últimos dias, membros do governo polonês insistiram que o país tem direito a reparações da Alemanha, e a primeira-ministra Beata Szydlo afirmou que o governo está disposto a cobrá-las. O governo da Alemanha rejeitou as exigências e argumentou que a Polônia renunciou às novas indenizações em 1953 e reiterou essa posição em mais de uma oportunidade. Especialistas afirmam que, de fato, a Polônia renunciou a novas indenizações em 1970 e também depois de 1989, já como Estado soberano. O ministro do Exterior da Polônia, Witold Waszczykowski, disse nesta segunda-feira que são necessários mais pareceres, além de uma análise dos prejuízos da Polônia durante a Segunda Guerra Mundial, para que o governo adote uma posição unificada. A Polônia foi uma das maiores vítimas do regime nazista. De uma população de 35 milhões de pessoas em 1939, cerca de 6 milhões foram mortas e outras 10 milhões foram vítimas de crimes e do terror nazista. Além disso, cidades e vilarejos foram completamente destruídos.
AS/dpa/kna/cp

Nenhum comentário:

Postar um comentário