Águas Cuiabá - Iguá Saneamento

Águas Cuiabá - Iguá Saneamento
Av. Gonçalo Antunes de Barros, 3196 - Carumbé - CEP 78050-667 - Cuiabá-MT • Telefones: 0800 646 6115

BOLSONARO X CLASSE TRABALHADORA

BOLSONARO X CLASSE TRABALHADORA
BOLSONARO NÃO!

Prefeitura de Cuiabá

Prefeitura de Cuiabá
Praça Alencastro, nº 158 - Centro - CEP: 78005-906

ABERT - Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão

ABERT -  Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão
SAF/SUL Qd 02 Bl D Sl 101 Ed.Via Esplanada (Atrás do Anexo do Ministério da Saúde) | Brasília - DF

ABAV EXPO 2018 Conecta

ABAV EXPO 2018 Conecta
Av. Olavo Fontoura, 1209 - Portão 1 - Santana, São Paulo - SP E-mail: visit@abavexpo.com.br

segunda-feira, 26 de fevereiro de 2018

"Comissão de Educação confirma votação de projeto que cria a Federal de Rondonópolis"

Luta pela emancipação do campus da UFMT percorreu longo caminho e deve ser concluída nesta terça-feira, 27, indo à sanção presidencial. A Comissão de Educação, Cultura e Desporto do Senado Federal divulgou nesta segunda-feira, 26, a pauta de projetos a serem votados na reunião ordinária programada para esta terça-feira. No primeiro item, está o projeto de lei que cria a Universidade Federal de Rondonópolis (UFR). A matéria será relatada pelo senador Wellington Fagundes (PR-MT), em sessão que começa às 11h30 – horário de Brasília, e poderá ser acompanhada ao vivo pela TV Senado. nicialmente, a matéria foi aprovada na Câmara dos Deputados, no final do ano passado, após grande esforço da bancada federal de Mato Grosso. Aprovada pela Comissão de Educação do Senado, o projeto será enviado a plenário. Wellington anunciou que pedirá o encaminhamento em regime de urgência, com a matéria podendo ser apreciada ainda na sessão desta terça-feira, 27. Concluído o processo legislativo, o projeto vai à sanção do presidente da República. “A criação dessa universidade representa mais que a independência em relação à direção central da UFMT. Além de permitir autonomia orçamentária, o que estamos vislumbrando é, sem dúvidas, um grande avanço na realização de pesquisas, prioritariamente voltadas para o desenvolvimento agrícola, além da discussão e planejamento de novos cursos, incluindo os voltados para a pequena produção agropastoril” – frisou o senador republicano.
A luta pela emancipação do campus começou há 10 anos e envolve toda a sociedade local. Criada em 1976, a Federal de Rondonópolis conta com seis blocos de salas de aula e laboratórios (A, B e C), o prédio da biblioteca, o anfiteatro com acomodação para 250 pessoas; o prédio do Núcleo de Estudos e Atividades da Terceira Idade, o prédio do laboratório de Climatologia, o Centro Meteorológico e construções menores, que abrigam a Prefeitura do Campus, Almoxarifado, Centros Acadêmicos, dentre outros.
O centro conta ainda com 22 cursos de graduação para atender Rondonópolis e região: Pedagogia, História, Matemática, Geografia, Ciências Biológicas, Letras (com Habilitação em Português e em Inglês), Administração, Ciências Contábeis, Economia, Biblioteconomia, Licenciatura em Informática, Zootecnia, Psicologia, Enfermagem, Medicina, Engenharia Mecânica, Engenharia Agrícola e Ambiental, Sistemas de Informação e Administração (modalidade EAD).
Além disso, a universidade possui atualmente três cursos de mestrado e um de doutorado e duas residências multiprofissionais em Saúde (Saúde da Família e Saúde do Adulto/Idoso). Ao todo, o campus conta com 300 professores e atende mais de 5 mil alunos.
Da Assessoria
Foto: Senador Wellington Fagundes (PR-MT), com a presidente da Comissão de Educação do Senado, senadora Lucia Vânia (PSD-GO)
Crédito: Agência Senado

Nenhum comentário:

Postar um comentário