Águas Cuiabá - Iguá Saneamento

Águas Cuiabá - Iguá Saneamento
Av. Gonçalo Antunes de Barros, 3196 - Carumbé - CEP 78050-667 - Cuiabá-MT • Telefones: 0800 646 6115

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi, 6 - Centro Político Administrativo, Cuiabá - MT

Conecte na ALMT

Se inscreva no site www.omatogrosso.com e responda a pergunta: QUAL A TV QUE VOCÊ SE VÊ?

Se inscreva no site www.omatogrosso.com e responda a pergunta: QUAL A TV QUE VOCÊ SE VÊ?
O sorteio será dia 05.03.2019 Boa sorte

quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

"STJ mantém condenação a Igreja Universal por coação de fiel: Indenização é de R$ 20 mil"

A 3ª Turma do STJ (Superior Tribunal de Justiça) manteve nesta 4ª feira (28.fev.2018) condenação contra a Igreja Universal do Reino de Deus por coação a 1 casal de fiéis. Acusada de induzi-los a uma sucessiva doação de bens, a instituição deverá pagar uma indenização de R$ 20 mil.O colegiado seguiu o entendimento do julgamento do TJ-RS (Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul). Na ação, o casal alegou que estava passando por problemas financeiros e que a igreja iludia a fiel com a promessa de solução. De acordo com o testemunho deles, os pastores recolhiam quantias em dinheiro ao final dos cultos dizendo que, quanto mais fosse doado, mais eles receberiam em troca. A mulher doou bens à Igreja Universal e vendeu itens da família, como carro, joias e eletrodomésticos. Os doações ocorreram sem o consentimento do marido.
Em recurso, a Igreja Universal alegou que o recebimento de doações não é considerado ato ilícito, mas exercício regular de direito. A instituição contestou a condenação por danos materiais baseada exclusivamente em prova testemunhal.
“As doações às instituições religiosas, de todos os matizes, são um componente essencial da liberdade de consciência e de crença garantida pelo artigo 5º, VI, da Constituição. No entanto, a hipótese dos autos narra uma situação excepcionalíssima em que as doações foram resultado de coação moral irresistível, sob a ameaça de sofrimento e condenação espiritual”, afirmou a relatora do recurso, ministra Nancy Andrighi.
RENAN MELO XAVIER

Nenhum comentário:

Postar um comentário