Águas Cuiabá - Iguá Saneamento

Águas Cuiabá - Iguá Saneamento
Av. Gonçalo Antunes de Barros, 3196 - Carumbé - CEP 78050-667 - Cuiabá-MT • Telefones: 0800 646 6115

MRV ENGENHARIA

Prefeitura de Cuiabá

Prefeitura de Cuiabá
Praça Alencastro, nº 158 - Centro - CEP: 78005-906

ABERT - Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão

ABERT -  Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão
SAF/SUL Qd 02 Bl D Sl 101 Ed.Via Esplanada (Atrás do Anexo do Ministério da Saúde) | Brasília - DF

ABAV EXPO 2018 Conecta

ABAV EXPO 2018 Conecta
Av. Olavo Fontoura, 1209 - Portão 1 - Santana, São Paulo - SP E-mail: visit@abavexpo.com.br

quarta-feira, 30 de maio de 2018

"Conselho de Ética arquiva processo do Psol contra Alberto Fraga"

Por 10 votos a 1, o Conselho de Ética da Câmara dos Deputados arquivou o processo de quebra de decoro contra o deputado Alberto Fraga (DEM-F), apresentado pelo Psol.
Em março, o deputado publicou em sua página da rede social Twitter informações falsas sobre a vereadora Marielle Franco, que havia sido assassinada dois dias antes da postagem. No texto da denúncia, o Psol alega que o deputado abusou de suas prerrogativas constitucionais quando propagou notícias mentirosas.
Alex Ferreira/Câmara dos Deputados
Apresentação do Plano de Trabalho. Dep. Adilton Sachetti (PRB - MT)
O relator do processo, Adilton Sachetti, deu parecer favorável ao arquivamento
Fraga lembrou que o que estava em discussão não era o crime contra a vereadora Marielle e que, após a postagem, admitiu o erro em rede nacional.
"Eu falei pra quase cem milhões de pessoas, dizendo que eu tinha cometido um erro, dizendo que eu tinha me equivocado e, como um coronel, eu teria que ter checado as informações, como um policial. Então eu fiz as desculpas necessárias", disse Fraga.
O relator do processo, deputado Adilton Sachetti (PRB-MT), recomendou que a denúncia fosse arquivada.
Para ele, o reconhecimento da culpa deve ser levado em consideração.
"Para fazer nossas defesas, das nossas convicções, a gente pode errar, e o que me levou a não aceitar a admissibilidade é exatamente porque foi dado a oportunidade de defesa e o deputado fez essa defesa pública"
Representando o Psol, partido que propôs a denúncia ao Conselho de Ética, o deputado Chico Alencar (RJ) defendeu que a admissão de culpa não é o bastante, devido à gravidade do que ocorreu com Marielle Franco.
"Consideramos aquela autocrítica insuficiente pela carga dramática dessa violência, que não pode ser esquecida. Creio que isso merece algo mais do que simplesmente ir para o arquivo. Que a gente saia engrandecido daqui com muito cuidado quando fizermos acusações em relação à pessoa que não pode mais se defender."
Reportagem – Giovanna Maria
Edição – Ana Chalub

Nenhum comentário:

Postar um comentário