A MAIOR FEIRA DE MATO GROSSO PARA SUPERMERCADOS, PADARIAS E HOTÉIS.

A MAIOR FEIRA DE MATO GROSSO PARA SUPERMERCADOS, PADARIAS E HOTÉIS.
Av. Historiador Rubens de Mendonça, 2.368 - Sala 104 Bosque da Saúde - Cuiabá-MT - 78050-000 comercial@expovarejo.com.br | Fone: (65) 3057-5200

Iguá Saneamento

Iguá Saneamento
Av. Gonçalo Antunes de Barros, 3196 - Carumbé - CEP 78050-667 - Cuiabá-MT • Telefones: 0800 646 6115

Vivência com o povo Xavante, 6 a 12 de Julho de 2018

Vivência com o povo Xavante, 6 a 12 de Julho de 2018
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo Cep: 78.049-901- Cuiabá MT.

Greenpeace no Brasil

ABERT - Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão

ABERT -  Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão
SAF/SUL Qd 02 Bl D Sl 101 Ed.Via Esplanada (Atrás do Anexo do Ministério da Saúde) | Brasília - DF

domingo, 1 de julho de 2018

"Justiça solta diretor da Dersa e 4 presos por desvios no Rodoanel de SP"

alckmin e laurence casagrande gilberto marques (1)A Justiça Federal decidiu soltar o diretor do Departamento Rodoviário S/A (Dersa), Pedro Paulo Dantas Amaral, e outros quatro presos na semana passada pela Polícia Federal (PF) a operação Pedra no Caminho, que investiga o desvio de até R$ 600 milhões das obras do trecho Norte do Rodoanel Mário Covas, em São Paulo. A juíza Maria Isabel do Prado, da 5ª Vara Federal Criminal de São Paulo, afirma que não é necessária a manutenção da prisão dos investigados para a continuidade da operação.
Além do diretor, também foram soltos Benedito Aparecido Trida, Adriano Francisco Bianconcini Trassi, Edison Mineiro Ferreira dos Santos e Valdir dos Santos Paula. Todos negam irregularidades.
O principal alvo da operação, Laurence Casagrande Lourenço, ex-diretor presidente da Dersa, continuará preso, agora em prisão preventiva. Ele ocupou postos importantes durante a gestão de Geraldo Alckmim (PSDB) no governo paulista, como a presidência da Companhia Energética de São Paulo (Cesp).
O Ministério Público Federal (MPF) estima que houve um sobrepreço de R$ 600 milhões nos custos da obra, que foi iniciada em 2013, mas ainda não concluída.
Segundo a Polícia Federal, o inquérito policial foi aberto em 2016, após um ex-funcionário de uma empresa que atuou nas obras apresentar informações sobre possíveis manipulações em termos aditivos da obra do Rodoanel. O objetivo era aumentar o valor pago a empreiteiras que já haviam vencido a licitação para realizar as obras.
As investigações apontam que aditivos contratuais, relacionados principalmente à fase de terraplanagem da obra, incluíam novos serviços para efetuar a remoção de rochas do solo. As provas produzidas no inquérito policial indicam que era previsível a existência das rochas e, portanto, o projeto inicial já contemplaria o custo de sua remoção.
Amanda Audi/CP

Nenhum comentário:

Postar um comentário