Águas Cuiabá - Iguá Saneamento

Águas Cuiabá - Iguá Saneamento
Av. Gonçalo Antunes de Barros, 3196 - Carumbé - CEP 78050-667 - Cuiabá-MT • Telefones: 0800 646 6115

ANUNCIE AQUI!

ANUNCIE AQUI!
SUA EMPRESA COM MAIS VISIBILIDADE E VENDA

Certificado de Responsabilidade Social

Prefeitura de Cuiabá

Prefeitura de Cuiabá
Praça Alencastro, nº 158 - Centro - CEP: 78005-906

ABERT - Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão

ABERT -  Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão
SAF/SUL Qd 02 Bl D Sl 101 Ed.Via Esplanada (Atrás do Anexo do Ministério da Saúde) | Brasília - DF

domingo, 1 de julho de 2018

"O golpe que condena e mata"

No Brasil pós-golpe, todo dia é dia de retrocesso. Se nesta segunda (18) ficamos escandalizados com a notícia de que os cortes nas políticas sociais alcançaram 94,9%, nesta terça (19) nos deparamos com mais um retrocesso, a cobertura de vacinação de bebês e crianças atingiu seu menor nível em 16 anos. A notícia circula pelos jornais no momento em que o Brasil registra surtos extemporâneos de febre amarela, malária, dengue e outras epidemias de grave impacto. O golpe de 2016 não só quer acabar com direitos e enterrar nossas esperanças de retomada, ele coordena um verdadeiro esfacelamento de programas sociais de preservação da vida, de sobrevivência de nossas crianças.
A Emenda Constitucional 95 - que redefiniu o teto dos gastos públicos - não só corta recursos, ela ceifa o futuro e condena milhões ao desalento e à miséria extrema. O saldo do golpe aponta que a pobreza extrema aumentou 11% em 2017, atingindo 14,8 milhões de pessoas.
Dados da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) revelam que o Brasil ocupa a segunda pior posição quando o assunto é mobilidade social. A pesquisa mostra que mais de um terço daqueles que nascem entre os 20% mais pobres permanece na base da pirâmide, somente 7% chega ao segmento dos 20% mais ricos. A OCDE indicou que esse dado tende a piorar nos próximos anos.
A política da gestão entreguista de Temer é clara, é uma política de terra arrasada, neoliberal e de extrema violência. E mais, seu desenvolvimento, ou seja sua estabilização, só irá acelerar e ampliar os ataques contra o povo, ampliando enormemente o impacto de políticas regressivas e de caráter privatista.
Nunca é demais reiterar que é dever das forças revolucionárias, populares e democráticas, da classe trabalhadora, lutar com todas as suas forças e por todos os meios para barrar a onda golpista que tomou conta do país desde 2016.
Joanne Mota é jornalista e assessora da CTB Nacional

Nenhum comentário:

Postar um comentário