Águas Cuiabá - Iguá Saneamento

Águas Cuiabá - Iguá Saneamento
Av. Gonçalo Antunes de Barros, 3196 - Carumbé - CEP 78050-667 - Cuiabá-MT • Telefones: 0800 646 6115

BOLSONARO X CLASSE TRABALHADORA

BOLSONARO X CLASSE TRABALHADORA
BOLSONARO NÃO!

Prefeitura de Cuiabá

Prefeitura de Cuiabá
Praça Alencastro, nº 158 - Centro - CEP: 78005-906

ABERT - Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão

ABERT -  Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão
SAF/SUL Qd 02 Bl D Sl 101 Ed.Via Esplanada (Atrás do Anexo do Ministério da Saúde) | Brasília - DF

ABAV EXPO 2018 Conecta

ABAV EXPO 2018 Conecta
Av. Olavo Fontoura, 1209 - Portão 1 - Santana, São Paulo - SP E-mail: visit@abavexpo.com.br

segunda-feira, 6 de agosto de 2018

"AS POSSIBILIDADES DA NANOTECNOLOGIA PARA A AGRICULTURA DE MATO GROSSO"

De acordo com projeções das Organizações das Nações Unidas (ONU), a população mundial será de cerca de 9,8 bilhões no ano de 2.050. Neste cenário futuro, a Organização para Agricultura e Alimentos da ONU (FAO/ONU) estima que a produção de alimentos deverá aumentar70%. A produção de grãos e de carne deverá crescer mais rapidamente do que se observa atualmente, em parte pela mudança do poder aquisitivo das populações de países em desenvolvimento. (http://www.fao.org/brasil/noticias/detail-events/en/c/901168/). Estes dados indicam a necessidade do aumento das atividades no campo e significa oportunidade de crescimento econômico e manutenção da posição estratégica do Brasil e, especialmente do Estado de Mato Grosso, no mercado global de commodities.
Portanto, numa perspectiva míope, típica de sociedades desprovidas de conhecimento e domínio tecnológico, o agronegócio no Estado de Mato Grosso está com o futuro garantido. Parece não haver risco nenhum. Porém, um dos desafios é que este setor seja sustentável sob os pontos de vista econômico e ambiental. Atualmente, a elevada produtividade das lavouras só é alcançada com extensa aplicação de agroquímicos, mesmo sob condições climáticas favoráveis. Neste modelo, parece não haver alternativa aos produtores, pois a demanda por alimentos é real e, ao mesmo tempo, atendê-la requer a seleção de cultivares específicos e o uso de grandes quantidades de corretivos de solos, fertilizantes e pesticidas, além do aumento de área, vindo na maioria das vezes de desmatamentos irregulares. Este complexo paradigma causa enorme pressão sobre o setor, já que a sociedade anseia por alimentos em quantidade crescente e exige alimentos saudáveis e seguros com conservação ambiental. Qual a solução para esta equação? Só existe uma: INVESTIMENTO + EDUCAÇÃO + CONHECIMENTO CIENTÍFICO + INOVAÇÃO TECNOLÓGICA = AGRICULTURA SUSTENTÁVEL.
Nas últimas décadas o domínio da biotecnologia trouxe muitas contribuições. No entanto, está claro que novas tecnologias devem ser incorporadas. O risco de esgotamento dos recursos naturais, energia e a contaminação do meio ambiente por pesticidas, mantém a comunidade científica na busca por romper com o paradigma atual no campo. É urgente produzir alimentos com insumos agrícolas mais eficientes e seguros para o meio ambiente.
Neste contexto, o surgimento da nanociência trouxe novo fôlego e lança possibilidades de contribuições significativaspara a atividade agricultura com o mínimo de impacto possível. Na nanociência, a matéria é controlada em escala diminuta e os materiais, produtos, formulações químicas, pesticidas, fertilizantes e agroquímicos em geral, podem se comportar de forma muito mais eficiente do quê os convencionais, comercializados atualmente.
A corrida pelo desenvolvimento da nanotecnologia na agricultura está a passos largos e alguns caminhos estão sendo apontados. Por exemplo, a formulação de nanopesticidas para liberação controlada de moléculas ativas tem sido apontada como uma estratégia promissora para reduzir o número de aplicações nas lavouras e minimizar o impacto ambiental em culturas de larga escala. Em outra frente, os nanofertilizantes podem contribuir muito para reduzir a quantidade de insumos utilizados atualmente nas culturas de larga escala, como soja, milho e algodão, as mais importantes no estado de Mato Grosso.
Estas e outras questões, na vanguarda do conhecimento, serão apresentadas e debatidas no I Seminário Mato-grossense de Nanotecnologia na Agricultura (I MT-NanoAgro), que irá reunir especialistas nacionais para semear ideias sobre os impactos da nanotecnologia na agricultura, considerando-se questões estratégicas relacionadas ao aumento de produtividade, preservação ambiental, PD&I, legislação e formação de recursos humanos qualificados para atuação no setor, de vital importância para o estado de Mato Grosso. O I MT-NanoAgro será nesta terça-feira (7/8/2018), no Teatro Zulmira Canavarros da ALMT, e é uma ação conjunta da Universidade Federal e Mato Grosso e da Frente Parlamentar do Agronegócio da Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso. As inscrições são gratuitas e podem ser realizadas pelo site www.redemtnanoagro.com.br.
Ailton José Terezo é professor do Departamento de Química da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)

Nenhum comentário:

Postar um comentário