A MAIOR FEIRA DE MATO GROSSO PARA SUPERMERCADOS, PADARIAS E HOTÉIS.

A MAIOR FEIRA DE MATO GROSSO PARA SUPERMERCADOS, PADARIAS E HOTÉIS.
Av. Historiador Rubens de Mendonça, 2.368 - Sala 104 Bosque da Saúde - Cuiabá-MT - 78050-000 comercial@expovarejo.com.br | Fone: (65) 3057-5200

Iguá Saneamento

Iguá Saneamento
Av. Gonçalo Antunes de Barros, 3196 - Carumbé - CEP 78050-667 - Cuiabá-MT • Telefones: 0800 646 6115

Prefeitura de Cuiabá

Prefeitura de Cuiabá
Praça Alencastro, nº 158 - Centro - CEP: 78005-906

ABERT - Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão

ABERT -  Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão
SAF/SUL Qd 02 Bl D Sl 101 Ed.Via Esplanada (Atrás do Anexo do Ministério da Saúde) | Brasília - DF

ABAV EXPO 2018 Conecta

ABAV EXPO 2018 Conecta
Av. Olavo Fontoura, 1209 - Portão 1 - Santana, São Paulo - SP E-mail: visit@abavexpo.com.br

domingo, 5 de agosto de 2018

"ELEIÇÕES 2018: "Em quem votei na eleição passada?"

Eleitor vota no primeiro turna do pleito de 2014 em São PauloEleitor pode até se lembrar em que votou para presidente, mas maioria acaba esquecendo quem escolheu para cargos legislativos. Um sintoma de muitos dos problemas e da forma de se fazer política no Brasil. Nas vésperas de eleições, costuma-se lembrar que o exercício democrático não se encerra nas urnas. É preciso fiscalizar a atuação dos candidatos eleitos nos anos seguintes. Entretanto, no Brasil, essa premissa esbarra em um fato peculiar: o brasileiro pode até lembrar em quem votou para presidente, sobretudo numa eleição polarizada com foi a de 2014, mas a maioria não sabe mais quem escolheu para os cargos legislativos. Uma sondagem da empresa de pesquisas Ideia Big Data mostra que, mais precisamente, 79% dos eleitores não sabem dizer em quem votaram para ocupar cadeiras no Congresso Nacional em 2014. "A crise de representatividade é um problema global, mas isso é uma coisa muito brasileira”, disse Maurício Moura, presidente da empresa, na apresentação do estudo, em janeiro.
Especialistas ouvidos pela DW Brasil analisam o fenômeno por diferentes abordagens. Em comum, apontam como um sintoma de muitos dos problemas do sistema político brasileiro. Há mais de dez anos, o cientista político Alberto Carlos Almeida se dedica a estudar o comportamento eleitoral no país. Em maio, lançou o livro O voto do brasileiro. Para ele, o esquecimento reflete um sistema político excêntrico, um problema agravado quando associado à baixa escolaridade.
Almeida explica que basicamente há dois tipos de sistemas eleitorais predominantes no mundo. Em um deles, o voto é na lista partidária. Após a eleição, os eleitores se recordam com maior facilidade em quem votaram, pois só precisam memorizar o nome de um partido. No outro modelo, do voto distrital, o voto também é personalizado. Mas, em geral, há poucos candidatos, que são do mesmo distrito do eleitor. Logo, existe uma relação de proximidade.
"O Brasil não é nem um, nem outro. O voto é na pessoa, mas tem milhares de candidatos. Então, as pessoas não lembram em quem votaram. Recentemente, eu baixei algumas pesquisas de outros países e, em todos, quanto mais baixa a escolaridade, menos o eleitor se lembra do voto. Há interação entre esses dois fatores: um país que com escolaridade média muito baixa e um sistema eleitoral que tem muitos candidatos por região eleitoral”, aponta.A cientista social e antropóloga Rosana Pinheiro-Machado, professora na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), vê uma ligação entre o esquecimento do voto e as relações de clientelismo que marcam a história política do país. No dia em que conversou com a DW Brasil, ela esteve em campo para estudar o efeito Bolsonaro nas periferias, e sua equipe tinha entrevistado 25 pessoas.
"Nenhum deles lembrava em quem votou para deputado, tampouco vereador. É preciso lembrar que, no caso das periferias, deputado e vereador são vistos como aquele que vai pagar. Uma grande parte das áreas mais pobres já esta com aquela relação de receber 70 reais por dia para militância paga. Principalmente nas regiões mais pobres do Brasil, a atuação parlamentar é vista com grande cinismo, na lógica clientelista que sempre pautou o Brasil”, avalia.
Na leitura de Pinheiro-Machado, o fenômeno também expressa o viés personalista do voto no Brasil.
"A questão mais imediata disso é a ausência de um pensamento democrático na cultura brasileira. Recentemente, o Brasil passou por dois impeachments de presidente. Quando se enxerga um problema nacional, tira o de cima. O poder é visto de cima para baixo, e espera-se que a figura do presidente seja milagrosa. A relação com a base parlamentar se reduz a uma relação de troca e benefício, e não como um exercício da democracia”, constata.
O índice de esquecimento do voto para os representantes do Congresso Nacional pode expressar, na verdade, uma forma de se relacionar com a política pautada em uma lógica própria. É dessa forma que enxerga o pesquisador João Vicente Lagüéns, do Núcleo de Antropologia da Política do Museu Nacional, vinculado à Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).
"A pessoa pode não saber responder em quem votou na última eleição, mas, se a conversa é aprofundada, é muito possível que se lembre do vínculo que motivou aquela escolha. Pode recordar, por exemplo, que votou em certo deputado porque uma pessoa em quem confia do sindicato sugeriu essa opção”, comenta.
"O voto é uma adesão, está ligado ao pertencimento a um conjunto. O sistema político opera muito mais em uma construção simbólica, afetiva, muito carregada de ligações. Portanto, o voto não é exatamente uma escolha racional”, explica. "A desqualificação da forma popular de elaborar a relação com a política é marca do nosso elitismo."
João Soares (do Rio)Caminho Político

Nenhum comentário:

Postar um comentário