Águas Cuiabá - Iguá Saneamento

Águas Cuiabá - Iguá Saneamento
Av. Gonçalo Antunes de Barros, 3196 - Carumbé - CEP 78050-667 - Cuiabá-MT • Telefones: 0800 646 6115

ANUNCIE AQUI!

ANUNCIE AQUI!
SUA EMPRESA COM MAIS VISIBILIDADE E VENDA

Conecte na ALMT

AJUDE ESTA CAUSA

AJUDE ESTA CAUSA
SANTA CASA DE CUIABÁ | (65) 3051-1946

Prefeitura Municipal de Rondonópolis

Prefeitura Municipal de Rondonópolis
Endereço: Avenida Duque de Caxias, 1000, Vila Aurora, 78740-022 Telefone: (66) 3411-3500

quarta-feira, 19 de setembro de 2018

"“Casa bagunçada é como o sócio de Mauro Mendes deixou o Governo”, dispara Pedro Taques"

O governador Pedro Taques (PSDB), candidato à reeleição, rebateu o candidato Mauro Mendes (DEM) e disse que “casa bagunçada” é como o ex-governador Silval Barbosa (MDB) deixou Mato Grosso. O tucano reagiu ao questionamento do democrata feito durante encontro com empresários na Federação das Indústrias de Mato Grosso (Fiemt) e lamentou a postura de não reconhecer os avanços da atual gestão. “Casa bagunçada é como o ex-governador Silval Barbosa, sócio de Mauro Mendes na compra de um garimpo e de um avião, deixou o Governo de Mato Grosso; casa bagunçada é a situação das empresas de Mauro Mendes, que entraram em recuperação judicial, a exemplo da Mavi engenharia, que contratou 200 trabalhadores para construir um linhão de energia em Cacoal e depois os demitiu com salário atrasados. Até hoje esses trabalhadores esperam receber o dinheiro”, disparou o governador.
Em evento realizado pela Fiemt para ouvir todos os candidatos ao Governo, o ex-prefeito não reconheceu as ações de gestão implementadas por Taques, como a PEC do Teto dos Gastos, e afirmou que “se isso é casa arrumada, não sei o que é casa bagunçada”.
Apesar de todo o cenário fiscal difícil, com uma crise econômica nacional, Pedro Taques explicou que conseguiu reduzir o custeio da máquina em R$ 1 bilhão, reduziu em 18% o número de cargos comissionados. Além disso, 72% dos cargos em comissão são ocupados por servidores efetivos.
Em razão da corrupção no governo anterior, realizou auditoria em contratos de obras e serviços e também criou o Comitê Interinstitucional de Recuperação de Ativos, o Cira, que recuperou cerca de R$ 1,2 bilhão da corrupção.
“Esquecer que Mato Grosso viveu uma crise econômica sem precedentes, que nosso Estado foi dilapidado pela corrupção e não reconhecer que a nossa gestão trabalhou sem parar para organizar a casa é sinal de má-fé. Temos que respeitar o trabalho que contou com milhares de servidores honestos e, acima de tudo, humildade para reconhecer os avanços”, completou Taques.
No ano passado foi aprovada a PEC do Teto dos Gastos para garantir que o Estado siga economizando, sem aumento de gastos acima da inflação. Dessa forma, o Governo deve economizar cerca de R$ 50 milhões por mês. A PEC também prevê um regime de recuperação fiscal em médio prazo. A lei segura a despesa dos Poderes, limita o crescimento da folha de pagamentos, prevê revisão de incentivos e reformas, garantindo a recuperação das contas Públicas.
Na área da saúde, a gestão Pedro Taques também adotou medidas que irão corrigir distorções históricas. A principal delas é o Fundo Estadual de Equilíbrio Fiscal (FEEF), cuja estimativa de arrecadação é de R$ 180 milhões por ano, que devem ser investidos exclusivamente na Saúde. De acordo com a lei 10.709 – que instituiu o fundo, os recursos arrecadados serão repassados à Secretaria Estadual de Saúde (SES) até o dia 7 do mês subsequente da arrecadação. Hospitais filantrópicos também serão beneficiados.

Nenhum comentário:

Postar um comentário