O Grupo São Benedito é uma das maiores construtoras da região Centro-Oeste.

O Grupo São Benedito é uma das maiores construtoras da região Centro-Oeste.
O Grupo São Benedito é uma das maiores construtoras da região Centro-Oeste.

ANUNCIE CONOSCO

Riseup! Pocket

Riseup! Pocket
Uma experiência que você nunca viveu, em busca dos resultados que você nunca obteve.

GOVERNO DE MATO GROSSO

GOVERNO DE MATO GROSSO
O Nota MT é um programa de incentivo ao exercício da Cidadania

sábado, 13 de outubro de 2018

"Economist" critica visões extremas de Bolsonaro

Revista britânica afirma que presidenciável do PSL lidera uma corrente de opiniões autoritárias e representa um risco à qualidade da democracia brasileira. Publicação, no entanto, considera nova ditadura improvável. A tradicional revista britânica The Economist voltou a criticar o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) nesta quinta-feira (11/10) em um artigo que cita as "visões extremas" do capitão da reserva e, ao mesmo tempo, minimiza preocupações de que ele possa levar o país de volta à ditadura.
"Em vez de uma volta a 1964, Bolsonaro representa uma ameaça mais insidiosa. Ele expressa visões extremas", afirma a revista. "É a qualidade da democracia brasileira, e não sua sobrevivência, que corre um risco mais imediato."
Há três semanas, a The Economist havia dedicado uma reportagem de capa à eleição brasileira. Na ocasião, Bolsonaro foi comparado a líderes populistas como Donald Trump, dos Estados Unidos, e Rodrigo Duterte, das Filipinas. O candidato do PSL foi considerado ainda uma "ameaça ao Brasil e à América Latina" e um "presidente desastroso" em potencial.Na reportagem desta semana, intitulada "O autoritário do Brasil sem um exército", a The Economist traça paralelos entre a situação atual do Brasil e a época do regime militar, que durou 21 anos (1964-1985).
Bolsonaro é um "defensor fervoroso da ditadura militar", diz a revista, tendo afirmado, por exemplo, que o erro do regime foi "torturar e não matar". Ele disse que indicaria militares para postos de ministros e seu vice é o general reformado Hamilton Mourão, que no mês passado falou na possibilidade de um "autogolpe" em caso de anarquia no país, destaca a publicação britânica.
Apesar de admitir algumas semelhanças entre a situação atual do Brasil e a da ditadura, como a polarização entre esquerda e direita, a The Economist afirma que isso não significa que Bolsonaro "iria ou poderia tentar replicar a ditadura".
"A mídia e uma sociedade civil vibrante apoiam a democracia", afirma a revista, acrescentando não haver razão para acreditar que as Forças Armadas queiram tomar o poder. "Elas têm orgulho de ser a instituição mais respeitada do Brasil."
Como evidência disso, a revista cita declarações de 2016 do comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, em que afirmou que aqueles que pedem intervenção militar são "tresloucados" ou "malucos".
Para a The Economist, mais do que um movimento de direita organizado, Bolsonaro comanda uma corrente de opiniões autoritárias, e "pode estar mais inclinado a uma dinastia que a uma ditadura". No primeiro turno, dois filhos do ex-capitão pegaram carona na sua popularidade: Flávio Bolsonaro, eleito senador pelo Rio de Janeiro, e Eduardo Bolsonaro, eleito deputado federal. Um terceiro filho assessora o pai em elação à política externa, aponta a revista.
A publicação termina o artigo em tom de alerta, citando algumas das visões extremas de Bolsonaro, como a convicção de que a polícia deve matar mais criminosos e seu apoio à liberalização do porte de armas.
PJ/ots/cp

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos