Águas Cuiabá - Iguá Saneamento

Águas Cuiabá - Iguá Saneamento
Av. Gonçalo Antunes de Barros, 3196 - Carumbé - CEP 78050-667 - Cuiabá-MT • Telefones: 0800 646 6115

ANUNCIE AQUI!

ANUNCIE AQUI!
SUA EMPRESA COM MAIS VISIBILIDADE E VENDA

Conecte na ALMT

AJUDE ESTA CAUSA

AJUDE ESTA CAUSA
SANTA CASA DE CUIABÁ | (65) 3051-1946

Prefeitura Municipal de Rondonópolis

Prefeitura Municipal de Rondonópolis
Endereço: Avenida Duque de Caxias, 1000, Vila Aurora, 78740-022 Telefone: (66) 3411-3500

domingo, 2 de dezembro de 2018

"Bolsonaro crítica forma como europeus defendem florestas e indígenas"

Foto de Jair BolsonaroEm Resende, presidente eleito condena governos anteriores por terem aceitado "de forma passiva e servil" a demarcação de terras. Ele diz ainda querer combater "indústria da multa ambiental". O presidente eleito, Jair Bolsonaro, afirmou neste sábado (01/12) que a economia brasileira é prejudicada por uma "uma política tacanha" que valoriza as questões ambientais e indígenas, recordando que a Europa pouco fez para preservar as suas florestas.
"Temos tudo para ser uma grande nação, mas por causa de uma política tacanha e mesquinha, que tem relevado a questão ambiental e indígena, continuamos a patinar na economia e nós temos que mudar isso aqui", disse Bolsonaro, em Resende (RJ), após a cerimônia de formatura de aspirantes a oficial na Academia Militar das Agulhas Negras (Aman), onde se formou há 41 anos.
"Eu acredito na ciência, ponto final!... Agora, o que fez a Europa para manter as suas florestas? E querem dar a sua opinião aqui?", disse o ex-militar ao ser questionado sobre as mudanças climáticas.
Bolsonaro criticou também o fato de governos brasileiros anteriores terem aceitado "de forma passiva e servil" indicações de países estrangeiros para "a expansão ou demarcação das terras indígenas".
O político do PSL reforçou suas críticas dos últimos dias ao Acordo de Paris, considerando que não é favorável aos interesses do país e é contra as políticas ambientais nacionais.
O presidente eleito afirmou em outubro último, que não retiraria o Brasil do Acordo de Paris, sobre medidas contra o aquecimento global, depois de ter ameaçado fazê-lo durante a campanha presidencial, mas sentenciou neste sábado que a fiscalização ambiental no seu governo mudará em relação ao modelo atual.
O presidente eleito reiterou que vai combater o que classifica como "indústria da multa ambiental". Ele disse que não permitirá que o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) fixem multas "a torto e a direito".
"Eu mesmo fui multado. Se não me engano em 2012. Foram 10 mil reais. O processo foi levando avante, foi arquivado no Supremo Tribunal Federal, mas o Ibama levou a multa para frente. Estou na iminência de entrar na dívida ativa. Vou pagar essa multa, mas sou a prova viva do descaso, da parcialidade e do péssimo trabalho prestado por alguns fiscais do Ibama e do ICMBio. Isso vai acabar."
Bolsonaro disse ainda que falta apoio concreto para as políticas em favor dos indígenas e do meio ambiente no país: "Eu fui, nas minhas andanças, ao Acre e à Rondônia. Em torno de 20% apenas dessas áreas podem ser usadas em benefício da população local. E 80% não. Isso está errado."
Questionado sobre o nome que comandará o Ministério do Meio Meio Ambiente, Bolsonaro indicou que ainda está inclinado em favor do agrônomo Xico Graziano, que foi do governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e no passado pertenceu aos quadros do PSDB. Graziano também foi secretário de Meio Ambiente de São Paulo.
Em Resende, o presidente eleito estava acompanhado do vice-presidente Hamilton Mourão; do general Fernando Azevedo e Silva, confirmado para o Ministério da Defesa; do general Augusto Heleno, que assumirá o Gabinete de Segurança Institucional; do ministro extraordinário da transição, Onyx Lorenzoni, que comandará a Casa Civil; e do governador eleito no Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC).
CA/abr/lusa/efe/cp

Nenhum comentário:

Postar um comentário