Águas Cuiabá - Iguá Saneamento

Águas Cuiabá - Iguá Saneamento
Av. Gonçalo Antunes de Barros, 3196 - Carumbé - CEP 78050-667 - Cuiabá-MT • Telefones: 0800 646 6115

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi, 6 - Centro Político Administrativo, Cuiabá - MT

Conecte na ALMT

Se inscreva no site www.omatogrosso.com e responda a pergunta: QUAL A TV QUE VOCÊ SE VÊ?

Se inscreva no site www.omatogrosso.com e responda a pergunta: QUAL A TV QUE VOCÊ SE VÊ?
O sorteio será dia 05.03.2019 Boa sorte

terça-feira, 29 de janeiro de 2019

"ONG vê corresponsabilidade alemã na tragédia de Brumadinho"

Bombeiros procuram vítimas nas proximidades da cidade de BrumadinhoMisereor afirma que TÜV-Süd deve esclarecer como certificou uma barragem que rompeu e afirma que indústria metalúrgica alemã também é responsável pelo respeito aos direitos humanos por parte de seus fornecedores. A ONG católica de ajuda ao desenvolvimento Misereor cobrou nesta terça-feira (29/01) esclarecimentos sobre a eventual corresponsabilidade de empresas alemãs na tragédia com a barragem de Brumadinho, em Minas Gerais, que já custou a vida de mais de 60 pessoas. O porta-voz de economia e direitos humanos da ONG, Armin Paasch, exigiu da certificadora TÜV-Süd, que atestou a estabilidade da barragem, uma investigação independente do caso e uma eventual participação nas indenizações para as vítimas.
Paasch afirmou ainda que a indústria metalúrgica e automotiva alemã, na condição de importadora de matérias-primas, é corresponsável pelo respeito aos direitos humanos por parte de seus fornecedores no exterior, como a Vale.
O porta-voz argumentou que a indústria alemã compra mais da metade de seu minério de ferro do Brasil.
"O caso evidencia, mais uma vez, a urgente necessidade de leis que cobrem dever de diligência ambiental e de direitos humanos das empresas, também na Alemanha", afirmou Paasch.
Ele cobrou do governo alemão que coloque em prática a sua já anunciada intenção de obrigar as empresas alemãs a verificarem se suas redes de fornecedores no exterior respeitam os direitos humanos.
AS/kna/cp

Nenhum comentário:

Postar um comentário