Águas Cuiabá - Iguá Saneamento

Águas Cuiabá - Iguá Saneamento
Av. Gonçalo Antunes de Barros, 3196 - Carumbé - CEP 78050-667 - Cuiabá-MT • Telefones: 0800 646 6115

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi, 6 - Centro Político Administrativo, Cuiabá - MT

Conecte na ALMT

Prefeitura Municipal de Rondonópolis

Prefeitura Municipal de Rondonópolis
Endereço: Avenida Duque de Caxias, 1000, Vila Aurora, 78740-022 Telefone: (66) 3411-3500

AJUDE ESTA CAUSA

AJUDE ESTA CAUSA
SANTA CASA DE CUIABÁ | (65) 3051-1946

Impostômetro do Brasil

domingo, 6 de janeiro de 2019

"Parlamento da Venezuela declara ilegítimo novo mandato de Maduro"

Venezuela Militärparade in Caracas | Nicolas Maduro, Präsident & Ehefrau Cilia Flores (Getty Images/AFP/F. Parra)Líder venezuelano toma posse em 10 de janeiro, e Assembleia Nacional afirma que, a partir dessa data, a presidência será considerada usurpada. Declaração vem um dia depois de o Grupo de Lima ter rejeitado novo mandato. A Assembleia Nacional da Venezuela, controlada pela oposição, declarou ilegítimo o novo mandato do presidente Nicolás Maduro, que tem início previsto para o próximo dia 10. Os parlamentares se reuniram neste sábado (05/01) para sua primeira sessão de 2019. "A partir de 10 de janeiro, ele estará usurpando a presidência e, consequentemente, esta Assembleia Nacional será a única representante legítima do povo", afirmou o novo presidente do parlamento venezuelano, Juan Guaidó, ao tomar posse no cargo neste sábado. Guaidó, de 35 anos, ainda rechaçou a "ditadura" que se instaurou no país, afirmando que os venezuelanos vivem hoje sob um "sistema opressivo". "E não é só isso – é miserável", disse o político diante dos demais parlamentares.
Ele também nomeou uma série de opositores do governo Maduro que foram presos, forçados ao exílio ou mortos, e lembrou os milhares de venezuelanos que tiveram de deixar o país atingido por uma grave crise política, econômica, social e humanitária.
"Hoje as mães venezuelanas se despedem dos filhos num terminal, num aeroporto e até num cemitério. Isso não é justo para o nosso país", afirmou.
Guaidó adiantou que um de seus primeiros atos à frente do parlamento será criar um órgão provisório para restaurar a ordem constitucional do país, mas não deu maiores detalhes. Em seu discurso, ainda pediu apoio dos militares nos esforços para "restaurar a democracia".
O novo presidente se dirigia apenas a parlamentares da oposição e a cerca de 20 diplomatas estrangeiros dos Estados Unidos, Canadá, Japão, Itália e Alemanha, que participaram da sessão inaugural em solidariedade.
Os legisladores leais ao governo, por sua vez, há muito tempo boicotam as sessões da Assembleia Nacional, alegando que o órgão não possui mais a autoridade de antes.
De fato, a Assembleia Nacional, eleita em 2015 com maioria opositora, na prática não tem conseguido exercer suas funções. As decisões dos parlamentares não chegam a virar lei, e eles só se reúnem quando a Assembleia Nacional Constituinte – órgão plenipotenciário instalado por Maduro em 2017 e não reconhecido por potências estrangeiras – não está em sessão.
A primeira reunião da Assembleia Nacional em 2019 ocorre um dia depois de o Grupo de Lima ter anunciado que também não vai reconhecer o segundo mandato de Maduro na Venezuela.
Reunidos na capital peruana, os chanceleres dos países que integram o grupo instaram o líder venezuelano a não assumir a presidência em 10 de janeiro e a entregar o poder à Assembleia Nacional "até que novas eleições presidenciais democráticas sejam realizadas".
O México foi o único dos 14 Estados do grupo a não assinar a declaração. Os ministros de Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Guiana, Honduras, Panamá, Paraguai, Peru e Santa Lúcia respaldaram o documento. Entre outros pontos, eles se comprometeram a suspender a cooperação militar com Caracas, bem como rever o status de suas relações diplomáticas com o país.
Maduro deve tomar posse para seu segundo mandato de seis anos (2019-2025) na próxima quinta-feira, após ter sido reeleito em eleições antecipadas controversas em maio de 2018. O pleito foi boicotado pela maioria da oposição e condenado pela comunidade internacional.
Na sexta-feira, o Grupo de Lima reiterou que as eleições do ano passado não têm legitimidade pois não contaram "com a participação de todos os atores políticos venezuelanos, nem com a presença de observadores internacionais independentes, nem com garantias e padrões necessários a um processo livre, justo e transparente".
EK/afp/ap/efe/lusa/cp

Nenhum comentário:

Postar um comentário