O Grupo São Benedito é uma das maiores construtoras da região Centro-Oeste.

O Grupo São Benedito é uma das maiores construtoras da região Centro-Oeste.
O Grupo São Benedito é uma das maiores construtoras da região Centro-Oeste.

MAIO AMARELO

Trabalhando e Cuidando da Gente

Iguá Saneamento

Iguá Saneamento
Rua Gomes de Carvalho, 1306 - 15º andar - São Paulo - SP

sexta-feira, 29 de março de 2019

"Mulheres querem rejeição de projeto que extingue cota de candidaturas femininas"

Lançamento da Agenda Legislativa do Grupo Mulheres do Brasil/DF com a Bancada Feminina do Congresso NacionalRejeitar e mandar para o arquivo o Projeto de Lei 1256/19, do Senado, que acaba com o percentual mínimo de candidaturas de cada sexo nas eleições é o principal foco do Grupo Mulheres do Brasil, que, nesta quarta-feira (27), apresentou a sua agenda legislativa prioritária para as deputadas e senadoras, em evento no Salão Nobre da Câmara dos Deputados.

Desde 2009, mulheres precisam ser 30% das candidaturas registradas por um partido e o projeto do Senado acaba com essa cota.

Para a procuradora da Mulher da Câmara, deputada Leandre (PV-PR), isso é um retrocesso inaceitável. “A mulher, se não tiver isso, talvez nem candidaturas nós tenhamos.” Segundo ela, a proposta dos senadores “é um prejuízo muito grande para tudo que foi conquistado."

A professora Lígia Pinto, líder de políticas públicas do Grupo Mulheres do Brasil, ressalta que o maior problema das candidaturas femininas é o pouco espaço dentro dos partidos. “As mulheres que já tinham espaço na política foram financiadas com esses 30%, mas as outras não. Elas não têm espaço de liderança dentro dos seus partidos, então não conseguem lançar candidaturas viáveis.”

Segundo Lígia, o problema real não é de algumas poucas mulheres terem sido usadas como “laranjas”. “Eles estão colocando luz sobre isso porque dá Ibope”, critica a professora referindo-se às denúncias de que, nas últimas eleições, alguns partidos usaram de outras formas o dinheiro que deveria ser destinado a candidatas mulheres.
Violência doméstica
Além desse projeto do fim das cotas de candidaturas, a também representante do Grupo de Mulheres do Brasil Carol Caputo diz que o colegiado também defende propostas que pretendem combater a violência contra a mulher e que aperfeiçoam a Lei Maria da Penha.

“Mais recentemente, foi proposto um projeto que prevê que, se um agressor tem posse ou porte de armas, o juiz para proteger essa mulher agredida pode determinar que seja suspensa essa posse ou esse porte de armas", acrescenta Carol à lista de prioridades do grupo. Esse projeto (PL 17/19) foi aprovado neste mês pela Câmara e enviado ao Senado. 

Já o projeto de lei que acaba com o percentual mínimo de candidaturas de cada sexo está no Senado onde recebeu parecer pela rejeição na Comissão de Constituição e Justiça.
Reportagem – Newton Araújo
Edição – Natalia Doederlein

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos