Complexo Hospitalar de Cuiabá

Complexo Hospitalar de Cuiabá
CENTRAL DE ATENDIMENTO 55 65 3051-3000

Águas Cuiabá

Águas Cuiabá
Av. Gonçalo Antunes de Barros, 3196 - Carumbé Av. Gonçalo Antunes de Barros, 3196 - Carumbé 78050-667 - Cuiabá / MT 0800 646 6115

Prefeitura de Tangará da Serra

Prefeitura de Tangará da Serra
Endereço: Avenida Brasil, 2351 - N, Jardim Europa 65 3311-4800

CÂMARA MUNICIPAL DE CUIABÁ

CÂMARA MUNICIPAL  DE CUIABÁ
Praça Moreira Cabral - Centro - s/n - Cuiabá-MT - Fone: (65) 3617-1500

domingo, 29 de setembro de 2019

"Líder verde: na proteção do clima, melhor proibir do que taxar"

Annalena Baerbock, copresidente do Partido Verde alemãoTachando de "tímido demais" o pacote climático anunciado por Berlim, Annalena Baerbock citou amianto como exemplo de eficácia das proibições em questões ambientais. Para críticos, ela quer "reeducar a sociedade". A copresidente do Partido Verde alemão Annalena Baerbock considera medidas de regulamentação um elemento central para uma melhor proteção do clima, preferível à aplicação de taxas. "Para mim, o direito normativo – pode-se também chamar de proibições – é o elemento central, por ser também o mais justo, socialmente. É também o instrumento que sempre mais nos ajudou na política ambiental", declarou em entrevista transmitida neste domingo (29/09) pela emissora Deutschlandfunk. Como exemplo, Baerbock citou o patógeno amianto nos materiais de construção: "Não se sugeriu 'temos que fazer ficar um pouco mais caro', mas sim proibiu-se." Ela classificou a atual política do governo federal alemão para o clima como excessivamente tímida.
"Quando se diz à população: 'Introduzimos um preço para o CO2 que não tem qualquer efeito para a política climática e que, além disso, é socialmente injusto, pois alivia sobretudo os altos assalariados', então também eu, como cidadã comum, diria: 'Este é claramente o instrumento errado, e o governo não sabe o que faz.'"
Em 20 de setembro, Berlim anunciou um pacote para combater a mudança climática com investimentos de até 54 bilhões de euros em energia, transporte, construção, inovação e desenvolvimento. O objetivo seria alcançar até 2030 uma redução de 55% das emissões de CO2, em relação a 1990.
Entre outras medidas, pretende-se impor uma "taxa de CO2", encarecendo combustíveis nocivos ao clima, como petróleo, gás natural e carvão mineral. O governo alemão pretende começar em 2021, nos setores de transportes e calefação, cobrando dez euros por tonelada de dióxido de carbono, preço que os críticos consideram baixo demais.
Políticos alemães conservadores-cristãos e liberais condenaram duramente as declarações da líder verde Baerbock. Segundo o vice-chefe de bancada da União Social Cristã (CSU), Georg Nüsslein, "os verdes estão mostrando sua verdadeira cara": para eles, a questão seria, então, reeducar através de proibições.
Seu colega Andreas Jung, da bancada parlamentar da União Democrata Cristã (CDU), alegou que a coalizão governamental prefere apostar em inovações. "Em contraste, um caminho de mão única, com preferencial para proibições, levaria a um beco sem saída."
Por sua vez, o porta-voz para assuntos climáticos do Partido Liberal Democrático (FDP), Lukas Köhler, acusou o Partido Verde de utilizar a proteção do clima como "folha de figueira para sua ideologia", pois "quem quer reeducar a sociedade, aposta em medidas isoladas e proibições".
AV/afp,dpa/cp

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos