Complexo Hospitalar de Cuiabá

Complexo Hospitalar de Cuiabá
CENTRAL DE ATENDIMENTO 55 65 3051-3000

Águas Cuiabá

Águas Cuiabá
Av. Gonçalo Antunes de Barros, 3196 - Carumbé Av. Gonçalo Antunes de Barros, 3196 - Carumbé 78050-667 - Cuiabá / MT 0800 646 6115

Prefeitura de Várzea Grande

Prefeitura de Várzea Grande
AV. CASTELO BRANCO, 2500 - CENTRO SUL, VÁRZEA GRANDE

Tribunal de Contas de Mato Grosso - Presidente Dr. Guilherme Maluf

Tribunal de Contas de Mato Grosso - Presidente Dr. Guilherme Maluf
Rua Cons. Benjamin Duarte Monteiro, Nº 01, - Ed. Marechal Rondon - Centro Político Administrativo - Cuiabá-MT

domingo, 10 de novembro de 2019

"Socialistas vencem, extrema direita cresce em eleição na Espanha"

Premiê espanhol Pedro Sánchez em meio a multidão de repórteresApurações confirmam pesquisas de intenção de voto, mantendo o PSOE na dianteira, embora sem maioria absoluta. Ultradireitista Vox passa a ser terceira maior força. O Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) venceu as eleições legislativas deste domingo (10/11), embora sem alcançar maioria absoluta, segundo os primeiros resultados parciais. Assim, mantém-se o impasse político que forçou o pleito antecipado. Por sua vez, a ultradireitista Vox aumentou significativamente sua participação no Parlamento nacional, estabelecendo-se como terceira força política da Espanha. Com 28% dos votos, ou 120 assentos, os socialistas mantiveram-se estáveis em relação ao pleito anterior, em abril. O segundo mais votado continua a ser o Partido Popular (PP), de centro-direita, com quase 21%, subindo de seus atuais 66 deputados para 87. A formação de extrema direita Vox, que tinha 24 deputados, conseguiu eleger 52 (15%), passando a ser a terceira maior força no parlamento espanhol. Ainda segundo a boca de urna, a coligação Unidas Podemos, de extrema esquerda, passa dos atuais 40 para 35 deputados, enquanto o Cidadãos (C's), de direita liberal, ficou como grande perdedor, caindo de 57 para apenas dez vagas parlamentares.
Extrema esquerda apela a Sánchez
O candidato do Unidas Podemos à presidência do governo, Pablo Iglesias, pediu a seu adversário socialista, o chefe de governo em exercício Pedro Sánchez, que forme uma coalizão governamental progressista, que faça frente "à extrema direita".
"Eu lhe transmiti que o que em abril era uma oportunidade histórica, agora é uma necessidade", declarou Iglesias numa coletiva de imprensa após a divulgação das primeiras contagens. Ele lamentou que o pleito deste domingo serviu para fortalecer a direita e "para que tenhamos uma extrema direita das piores da Europa", referindo-se à legenda Vox.
Ainda assim, com um total de 158 parlamentares, o bloco da esquerda espanhola, formado pelo PSOE, Unidas Podemos e Mais País, superou por sete assentos o bloco da direita, que reúne o PP, Vox e Cidadãos, somando 151 assentos.
Baixa participação
Segundo o Ministério do Interior, dos 37 milhões de espanhóis com direito a voto, até as 18h00 apenas 56% haviam ido às urnas para escolher os futuros 350 deputados e 208 senadores do país, comparado com 60,7% no mesmo período, no escrutínio anterior.
A última eleição geral da Espanha, em 28 de abril, também concedeu ao PSOE a maior parte dos votos, porém não a maioria absoluta. Falharam as tentativas do atual presidente do governo, Pedro Sánchez, para obter o apoio das demais legendas na formação do governo, forçando-o a convocar nova eleição. As atuais pesquisas de intenção de voto indicavam que o resultado não seria suficiente para romper o impasse político da Espanha.
Grande parcela da atenção mediática esteve na Catalunha, uma comunidade autônoma com forte presença de movimentos independentistas. Os protestos na região, por vezes de violentos, aumentaram desde 14 de outubro, quando foi divulgada a condenação de nove líderes envolvidos na tentativa de secessão de 2017, a penas entre nove e 13 anos de prisão.
AV/efe,lusa,ap,rtr,ots/cp

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos