SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

A STELMAT visa o fortalecimento dos negócios em governança de TI

A STELMAT visa o fortalecimento dos negócios em governança de TI
Av. Isaac Póvoas, 927, Bairro Goiabeiras

Tribunal de Contas de Mato Grosso - Presidente Dr. Guilherme Maluf

Tribunal de Contas de Mato Grosso - Presidente Dr. Guilherme Maluf
Rua Cons. Benjamin Duarte Monteiro, Nº 01, - Ed. Marechal Rondon - Centro Político Administrativo - Cuiabá-MT

Loja Oficial - Casa Prado

Loja Oficial - Casa Prado
Camisetas, Polos, Calças, Bermudas, Sapatos e Acessórios de Qualidade na Casa Prado!

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2020

"É como estar numa prisão": um drama brasileiro em Wuhan"

Hui Zhang e a filha Isabela em Wuhan, China Há mais de dez dias sem sair de casa, a chinesa Hui Zhang e a filha brasileira, de um ano, aguardam repatriação ao Brasil. Família reclama da demora de Brasília para agir e teme xenofobia na chegada ao país."É como estar numa prisão", diz a chinesa Hui Zhang, de 33 anos, sobre o confinamento vivido por ela e a filha brasileira Isabela, de um ano e meio, na China. Já são mais de dez dias sem sair de um apartamento em Wuhan, epicentro do atual surto de coronavírus que já deixou mais de 560 mortos e mais de 28 mil infectados. Hui mora há dois anos em Santa Catarina com o marido, Luis Pablo Lassalle, e viajou para a China para apresentar a filha à família. O marido é argentino e ficou no Brasil. Hui não imaginava que a visita familiar fosse se transformar num drama. As duas aguardam agora para serem repatriadas pelo governo brasileiro nesta semana.
A imagem pode conter: uma ou mais pessoasA viagem de Hui e Isabela começou no final de outubro, e o voo de volta ao Brasil deveria ter partido no dia 25 de janeiro, do aeroporto de Wuhan, onde mora a maior parte da família de Hui. Mas dois dias antes o governo chinês bloqueou todos os acessos à cidade. Nos dias seguintes, Hui só saiu para almoçar com a filha na casa de uma tia, que vive na mesma rua. Foram cinco saídas curtas de casa entre 23 e 27 de janeiro.
O governo chinês aumentou as restrições de circulação na cidade no dia 27. Desde então, só é possível transitar nas ruas para comprar comida ou em casos de emergência de saúde.
Hui e o marido tentaram diversos canais de contato com o governo brasileiro, do Itamaraty até a Defensoria Pública da União, que abriu um procedimento jurídico internacional no dia 31 para pedir o repatriamento da família. A demora em obter uma resposta concreta e o aumento das restrições geraram ansiedade e receio de uma infecção pelo vírus, conta Hui.
"Todos os dias, mais casos de coronavírus são confirmados na cidade, então estamos preocupados. Nos sentimos muito ansiosas, nervosas e tristes com tudo isso", disse Hui em uma conversa de vídeo com o marido.
Com mantimentos em casa, Hui preferiu racionar a alimentação para não precisar sair por alguns dias. Por isso, ela e a filha ainda não precisaram ir ao mercado desde a aplicação das restrições de locomoção na cidade."A Hui me diz que os vegetais já acabaram, mas ainda tem arroz, leite, iogurte e outros alimentos. Ainda bem que confirmaram o retorno [ao Brasil] para esta semana, porque em mais alguns dias ela teria que sair para ir ao mercado, o que é sempre um risco a mais para ser infectado, principalmente se você está com um bebê", diz Pablo.
O casal se conheceu em Wuhan, onde Pablo, que é ilustrador, morou por sete anos a trabalho. Em 2018 vieram para o Brasil. O destino foi a cidade de Palhoça, vizinha de Florianópolis. Foi na cidade de menos de 180 mil habitantes que nasceu Isabela. É acompanhando o desenvolvimento da filha e com conversas por vídeo com o marido que Hui preenche o tempo na clausura forçada.
"Nossa filha tem dormido bastante, umas 14 horas por dia. Mas quando está de pé ela usa bastante energia, como qualquer criança nessa idade. Ela aprendeu a correr há pouco tempo, então passa boa parte do tempo correndo no corredor e na sala. Sempre nos falamos duas vezes por dia. O fuso chinês é 11 horas à frente do Brasil, então aproveitamos para falar de manhã bem cedo ou de noite, antes de elas dormirem", conta Pablo.
Wuhan é uma das maiores cidades da China e é conhecida por ser um centro logístico e de transporte na região centro-leste do país. Há muitas linhas de trem, e o aeroporto é bastante movimentado.
Mesmo assim, da janela do seu apartamento, Hui não vê ninguém nas ruas. O prédio tem agora menos da metade dos moradores habituais. Em 25 de janeiro foi o feriado do Ano Novo chinês, quando muitos moradores viajaram para o interior para visitar parentes. A cidade, que normalmente tem 11 milhões de habitantes, hoje está com apenas 6 milhões, segundo estimativas do governo local.
Demora do governo brasileiro
A família reclama da demora do governo federal para confirmar o resgate dos brasileiros que estão na China. Enquanto outros países começavam a retirar seus cidadãos no final de janeiro, o presidente Jair Bolsonaro dava declarações de que o transporte não era "oportuno". Outra justificativa foi a falta de uma legislação federal para regimes de quarentena.
Somente no dia 2 de fevereiro, após inclusive uma carta e um vídeo de brasileiros pedindo retorno ao país, o governo confirmou que iria trazer os brasileiros de volta. Mas a aflição de Hui e Pablo continuou.
Inicialmente o governo federal declarou que apenas brasileiros seriam transportados. Como Hui é chinesa, apenas Isabela teria direito à repatriação. A embaixada brasileira em Pequim só confirmou que a mãe também poderia retornar ao Brasil isso no dia 3 de fevereiro, para alívio da família.
"Estou há mais de dez dias sem conseguir trabalhar ou dormir direito. O governo brasileiro ficou dias sem nos dar resposta, procuramos vários órgãos. É um absurdo, porque a minha filha é brasileira e a mãe precisava vir junto. Outros países retiraram seus cidadãos há vários dias. A embaixada brasileira em Pequim sempre nos tratou muito bem, mas os órgãos aqui no Brasil ou não davam resposta ou simplesmente nos ignoravam", afirma Pablo.
Medo de xenofobia após retorno ao Brasil
Dois aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) decolaram nesta quarta-feira de Brasília com destino à Wuhan. A previsão é que os brasileiros embarquem de volta na sexta-feira – um alívio para Hui, pois ela garante ter mantimentos suficientes até lá. Mesmo assim, ainda faltam alguns detalhes importantes.
"Ainda não disseram como será o transporte da minha esposa e da minha filha até o aeroporto, que fica a cerca de 45 minutos de carro do nosso apartamento. Já até pensamos que um cunhado dela pode dar carona, mas ela precisa de uma autorização para eles circularem na cidade", diz Pablo.
O Senado aprovou nesta quarta-feira um projeto de lei que estabelece medidas para o combate ao coronavírus e as regras para a repatriação de brasileiros que estão em Wuhan.
Segundo o governo federal, 34 brasileiros e parentes que se encontram em Wuhan ficarão 18 dias em uma base militar de Anápolis, cidade goiana que fica a 150 quilômetros de Brasília. Pablo já se prepara para ir buscar a mulher e a filha. Além da saudade, há o medo de que elas sofram xenofobia.
"Durante as últimas semanas eu dei entrevistas e falei com muita gente, postei nossa história em redes sociais. Recebemos muitas mensagens de apoio, mas também muitos xingamentos de pessoas dizendo coisas horríveis", conta Pablo.
"Acho que algumas são pessoas ruins mesmo, mas a grande maioria você vê que só escrevem bobagens como ‘não quero vocês no meu país' porque não têm qualquer tipo de informação sobre o vírus", diz.
A DW Brasil entrou em contato com o Ministério das Relações Exteriores nesta terça-feira, mas não obteve retorno até a publicação desta reportagem. Nesta quinta-feira, o Ministério da Saúde disse estar monitorando nove casos suspeitos do novo coronavírus, todos nas regiões Sul e Sudeste: Rio de Janeiro (1), São Paulo (3), Santa Catarina (1), Rio Grande do Sul (3) e Minas Gerais (1).
Hyury Potter/Caminho Político

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos