SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

A STELMAT visa o fortalecimento dos negócios em governança de TI

A STELMAT visa o fortalecimento dos negócios em governança de TI
Av. Isaac Póvoas, 927, Bairro Goiabeiras

Tribunal de Contas de Mato Grosso - Presidente Dr. Guilherme Maluf

Tribunal de Contas de Mato Grosso - Presidente Dr. Guilherme Maluf
Rua Cons. Benjamin Duarte Monteiro, Nº 01, - Ed. Marechal Rondon - Centro Político Administrativo - Cuiabá-MT

Loja Oficial - Casa Prado

Loja Oficial - Casa Prado
Camisetas, Polos, Calças, Bermudas, Sapatos e Acessórios de Qualidade na Casa Prado!

terça-feira, 17 de março de 2020

"CORONAVÍRUS: Pandemia de coronavírus pode durar até dois anos, diz agência alemã"

Pessoa passa diante de painel com desenho do coronavírusInstituto Robert Koch diz que duração depende, entre outros fatores, de quando haverá vacina para o coronavírus disponível. Agência eleva risco à saúde da população do país de "moderado" para "alto". As medidas restritivas adotadas por diversos países para combater a disseminação do coronavírus Sars-Cov-2, causador da doença respiratória covid-19, podem ter de vigorar por dois anos "em caso extremo", disse nesta terça-feira Lothar Wieler, diretor do Instituto Robert Koch (RKI), responsável pela prevenção e controle de doenças na Alemanha.
Para Wieler, a pandemia do coronavírus pode durar "até dois anos", e, por isso, a situação precisa ser constantemente reavaliada. O diretor-geral do RKI também lembrou que pandemias costumam ocorrer em "ondas", mas que não se sabe exatamente com que velocidade essas ondas se propagam. Por isso, poderá demorar anos até que as infecções atinjam o nível esperado de entre 60% e 70% da população.
A duração da pandemia, segundo Wieler, também depende de quando haverá uma vacina disponível – o que poderia acontecer no ano que vem.
Nesta terça-feira, o RKI também classificou o risco do coronavírus para a população como "alto". Wieler justificou a alteração com a constatação de um aumento veloz do número de infecções no país, além de um "alarme" soado por hospitais e secretarias de saúde regionais. Em algumas áreas do país, o número de pacientes infectados e que precisam de auxílio respiratório e terapia intensiva nas casas de saúde vem aumentando rapidamente, enquanto em outros locais a situação é mais calma.
Os hospitais na Alemanha também disseram esperar uma subida drástica no número de pacientes infectados com o coronavírus nos próximos dias, mas dizem estar preparados e que o sistema não ficará sobrecarregado.
Wieler destacou que o risco para a população varia de região para região no país e que há áreas na Alemanha que podem ser enquadradas com um risco "muito alto", a exemplo de Heinsberg, cidade mais afetada pela doença respiratória covid-19, causada pelo coronavírus Sars-Cov-2. Um risco "muito alto" é o mais alto nível de alarme na Alemanha. Até agora, a ameaça que o coronavírus representava para a saúde da população havia sido classificada de "moderada".
Nos últimos dias, autoridades do país vêm anunciando medidas de distanciamento social para conter a propagação do coronavírus, incluindo o fechamento de escolas e creches. Nesta terça, o Ministério das Relações Exteriores da Alemanha desaconselhou viagens turísticas por todo o mundo para evitar que mais cidadãos alemães fiquem retidos no exterior.
"Decidimos desaconselhar todas as viagens desnecessárias e turísticas de alemães para o exterior. Por isso, pedimos urgentemente: fique em casa. Assim, você ajuda a si mesmo e aos outros! Esse alerta vale para todo o mundo", escreveu Maas, no Twitter.Maas também anunciou um plano para repatriar milhares de turistas alemães retidos em países estrangeiros devido à crise do coronavírus. Segundo Maas, 50 milhões de euros serão disponibilizados para o programa de repatriação. O governo alemão fará todo o possível para trazer as pessoas afetadas de volta à Alemanha nos próximos dias e está em contato com companhias aéreas.
Os primeiros a serem repatriados devem ser os alemães que se encontram em regiões particularmente afetadas pelo coronavírus, incluindo Marrocos, Egito, República Dominicana, Filipinas e Maldivas.A Alemanha vem registrando ascensão rápida no número de casos confirmados. Segundo o RKI, o país registrou 6.012 infecções pelo coronavírus até a noite de segunda-feira (16/03), com 13 mortes. São 1.100 infecções a mais do que no dia anterior. O mapa da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos e usado como uma das referências para apurar o número de casos em tempo real computava quase 7.700 casos na Alemanha na tarde de terça-feira (horário local).
Infografik Flattening the curve PTO diretor do RKI admitiu também que é preciso partir do princípio de que o número de casos é bem maior do que o divulgado pela agência. Para os especialistas, a dinâmica – ou seja, a velocidade – da disseminação é decisiva. Wieler sublinhou que é preciso fazer de tudo para conter a propagação do Sars-Cov-2 para que o sistema de saúde não seja sobrecarregado, inclusive uma preparação rápida para tratar de casos graves.
O ministro da Saúde, Jens Spahn, também anunciou que encarregaria o RKI de avaliar os números relativos aos pacientes já curados do coronavírus. A medida é importante para o esclarecimento da população. Spahn explicou que, a cada dia, aumenta a diferença entre as novas confirmações estatisticamente apuradas e infecções que passaram despercebidas, em parte por ocorrerem sem sintomas.
RK/dpa/afp/ots/cp

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos