SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

A STELMAT visa o fortalecimento dos negócios em governança de TI

A STELMAT visa o fortalecimento dos negócios em governança de TI
Av. Isaac Póvoas, 927, Bairro Goiabeiras

Tribunal de Contas de Mato Grosso - Presidente Dr. Guilherme Maluf

Tribunal de Contas de Mato Grosso - Presidente Dr. Guilherme Maluf
Rua Cons. Benjamin Duarte Monteiro, Nº 01, - Ed. Marechal Rondon - Centro Político Administrativo - Cuiabá-MT

Loja Oficial - Casa Prado

Loja Oficial - Casa Prado
Camisetas, Polos, Calças, Bermudas, Sapatos e Acessórios de Qualidade na Casa Prado!

sexta-feira, 6 de março de 2020

"DESTAQUE: Presidente do Incra rejeita críticas à MP da regularização fundiária"

Debate sobre a regularização fundiária das ocupações incidentes em terras situadas em áreas da União ou do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária-Incra. Presidente do INCRA, Geraldo Melo FilhoEm seminário na Câmara dos Deputados, o presidente do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), Geraldo Melo Filho, rebateu as críticas de ambientalistas que veem risco de a medida provisória da regularização fundiária (MP 910/19) legalizar áreas invadidas por grileiros e incentivar o desmatamento. Segundo Melo Filho, a MP pode se transformar em instrumento de controle ambiental, já que vai permitir a identificação e eventual responsabilização dos ocupantes de terras públicas. “Estamos publicando um material que mostra o seguinte: a diferença de desmatamento em uma mesma gleba de uma área que está regularizada em comparação com outra área que não está regularizada é de 135%. Então, quem disser que regularizar não ajuda no controle ambiental não conhece os dados. É a garantia do poder fiscalizatório do Estado”, disse Melo Filho.
O presidente do Incra garantiu que ocupações em terras indígenas e quilombolas, unidades de conservação, florestas públicas e em outras áreas de utilidade pública ou de interesse social da União não serão passíveis de regularização fundiária.
Além disso, ele ressaltou que o produtor só será beneficiado se o seu imóvel estiver inscrito no Cadastro Ambiental Rural e não estiver sob embargo ambiental nem tiver sido objeto de infração ambiental.
Regularização no DF
O seminário foi realizado nesta quinta-feira (5) por iniciativa do deputado Luis Miranda (DEM-DF), que é relator-revisor da medida provisória. Para uma plateia cheia de agricultores, Miranda anunciou um acordo para facilitar a regularização fundiária no Distrito Federal.
Debate sobre a regularização fundiária das ocupações incidentes em terras situadas em áreas da União ou do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária-Incra. Dep. Luis Miranda (DEM - DF)“Fizemos uma proposição de emenda para que as áreas da União que estão ocupadas e gerenciadas pelo GDF [governo do Distrito Federal] – o GDF faz a gestão, mas não tem o poder de documentar e de fazer a regularização fundiária – sejam doadas para que o Distrito Federal possa fazer a regularização fundiária dos agricultores”, afirmou.
Já em relação ao texto geral da medida provisória, o deputado Luis Miranda acredita que as principais polêmicas estejam sendo superadas para a votação da matéria na comissão mista de deputados e senadores, possivelmente na próxima semana.
Segundo Miranda, a data de vigência do Código Florestal (Lei 12.651/12), maio de 2012, deve ser usada como marco temporal das ocupações de terra da União passíveis de regularização fundiária.
“Um dos pontos pacificados é que não iremos acatar nenhuma emenda que trate de expansão do desmatamento. Tudo que foi decidido em 2012 referente ao Código Florestal será mantido. Outro ponto pacificado é que áreas que realmente foram utilizadas por grileiros de forma ilegal não entrarão na regularização”, disse o deputado.
Depois de votada na comissão mista, a medida provisória sobre regularização fundiária ainda passará por análise dos Plenários da Câmara e do Senado.
Reportagem – José Carlos Oliveira
Edição – Régis Oliveira
Caminho Político

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos