Complexo Hospitalar de Cuiabá

Complexo Hospitalar de Cuiabá
CENTRAL DE ATENDIMENTO 55 65 3051-3000

Águas Cuiabá

Águas Cuiabá
Av. Gonçalo Antunes de Barros, 3196 - Carumbé Av. Gonçalo Antunes de Barros, 3196 - Carumbé 78050-667 - Cuiabá / MT 0800 646 6115

Prefeitura de Várzea Grande

Prefeitura de Várzea Grande
AV. CASTELO BRANCO, 2500 - CENTRO SUL, VÁRZEA GRANDE

Tribunal de Contas de Mato Grosso - Presidente Dr. Guilherme Maluf

Tribunal de Contas de Mato Grosso - Presidente Dr. Guilherme Maluf
Rua Cons. Benjamin Duarte Monteiro, Nº 01, - Ed. Marechal Rondon - Centro Político Administrativo - Cuiabá-MT

sexta-feira, 6 de março de 2020

"Projeto cria mecanismos de proteção a territórios de comunidades tradicionais pesqueiras"

Trabalho - geral - trabalhador pescador artesanal pescadoresO Projeto de Lei 131/20 assegura a comunidades pesqueiras tradicionais – que têm a pesca artesanal como modo de vida – preferência para acessar e utilizar os recursos naturais presentes no território onde vivem. A proposta também garante a essas comunidades o direito de serem consultadas previamente sobre planos e decisões que afetem a gestão das superfícies de terra ou corpos d´água utilizados por elas para viver e desenvolver atividades produtivas.
Enviado à Câmara dos Deputados pelo Conselho Pastoral dos Pescadores, o texto foi adotado pela Comissão de Legislação Participativa (CLP), a qual cabe receber sugestões da sociedade civil organizada.
“As ameaças à vida e à integridade dos territórios pesqueiros exigem que demonstremos a importância da pesca artesanal como atividade econômica fundamental para a garantia da segurança e do sustento de milhares de famílias, bem como para a conservação dos biomas e ecossistemas brasileiros”, diz uma cartilha divulgada pelo Conselho Pastoral dos Pescadores.
De acordo com a proposta, caberá ao Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), com a coparticipação da comunidade, no prazo máximo de dois anos, identificar, delimitar, demarcar, titular e proceder à desocupação das áreas de terra e água localizadas no território de comunidades tradicionais pesqueiras.
Segundo o projeto, esses territórios envolvem as áreas de pesca e coleta, as áreas de moradias, os locais de embarque e os trajetos com os barcos, os locais sagrados e as áreas necessárias à reprodução física e cultural do grupo pesqueiro.
O reconhecimento como território pesqueiro, segundo o projeto, confere às comunidades tradicionais o direito de permanecerem na área delimitada por meio da concessão do direito real de uso.
Tramitação
O projeto deverá ser analisado por uma comissão especial e, em seguida, pelo Plenário.
Reportagem – Murilo Souza
Edição – Régis Oliveira
Foto: Igor Mota/Agência Pará
Caminho Político

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos