Complexo Hospitalar de Cuiabá

Complexo Hospitalar de Cuiabá
CENTRAL DE ATENDIMENTO 55 65 3051-3000

Águas Cuiabá

Águas Cuiabá
Av. Gonçalo Antunes de Barros, 3196 - Carumbé Av. Gonçalo Antunes de Barros, 3196 - Carumbé 78050-667 - Cuiabá / MT 0800 646 6115

Prefeitura de Várzea Grande

Prefeitura de Várzea Grande
AV. CASTELO BRANCO, 2500 - CENTRO SUL, VÁRZEA GRANDE

Tribunal de Contas de Mato Grosso - Presidente Dr. Guilherme Maluf

Tribunal de Contas de Mato Grosso - Presidente Dr. Guilherme Maluf
Rua Cons. Benjamin Duarte Monteiro, Nº 01, - Ed. Marechal Rondon - Centro Político Administrativo - Cuiabá-MT

segunda-feira, 16 de março de 2020

"EFEITO CORONAVÍRUS: Bolsas abrem semana em queda em meio a temores por coronavírus"

Homem com máscara observa tela com gráfico que aponta quedaIncertezas econômicas causadas pela pandemia de covid-19 puxam baixas na Europa, na Ásia e nos EUA. Índice pan-europeu Stoxx 600 alcança nível mais baixo desde 2013. Petróleo também registra forte tendência de queda. As bolsas de valores europeias despencaram nesta segunda-feira (16/03), com quedas de até 9% logo após a abertura dos mercados, em um contexto de pânico pelas consequências do coronavírus e apesar de medidas adotadas pelos bancos centrais no domingo. Em Paris, o CAC 40 caiu 9% nas primeiras operações. Quedas também foram registradas em Londres (-7,6%) e Frankfurt (-7,8%). Em Madri, o IBEX-35 caiu 8,7%, e na Itália, o FTSE MIb caiu 7,6%.
O índice pan-europeu STOXX 600 caiu 4,5%, alcançando seu nível mais baixo desde 2013. No início das negociações na segunda-feira, o DAX, principal índice do mercado de ações da Alemanha, caiu abaixo do limite de 9.000 pontos pela primeira vez desde 2016, perdendo 5,57% em comparação com o preço de fechamento na sexta-feira. Meia hora após o início do pregão, o DAX ficou em 8525,01 pontos, o que representa uma queda de 7,64%, valor mais baixo desde 2013.
A queda nas bolsas europeias ocorre depois que as asiáticas também fecharam com perdas, como Xangai (-3,4%), Shenzhen (-4,83%) e Hong Kong (-4,03 %). A Bolsa de Tóquio fechou em queda de 2,46%, para 17.002,04 pontos, apesar das medidas urgentes anunciadas pelo Banco do Japão (BoJ). O BoJ aumentou as metas anuais para algumas de suas compras de ativos, visando estabilizar os mercados financeiros.
Na Oceania, a bolsa australiana afundou 9,7%. O índice ASX 200, um barômetro dos mercados do país, fechou com queda de 537,30 unidades, a 5.002,00 pontos. Os setores da indústria e de energia são os mais afetados, com perdas superiores a 15%. Segundo a CommSec, uma subsidiária do Commonwealth Bank of Australia, "os últimos anúncios dos bancos centrais falharam em restaurar a confiança dos investidores".
Nos EUA, o Federal Reserve (Fed, banco central) baixou para zero a taxa de referência neste domingo, como o presidente Donald Trump vinha pedindo há meses, para tranquilizar um mercado. No entanto, as ações em Wall Street despencaram 10% nesta segunda. O índice S&P 500 perdeu um décimo de seu valor mesmo após o chamado "circuit breaker", uma pausa no pregão de 15 minutos.
A correspondente financeira da DW, Chelsea Dulaney, disse que os investidores "não estavam convencidos" pelas medidas adotadas para ajudar a impulsionar a economia.
"Se você observar o que está acontecendo com os mercados, dá realmente a impressão de que está causando impacto. Esse impacto é causado por dois eventos: o coronavírus e a queda nos preços do petróleo", explica Medha Samant, diretora de investimentos da Fidelity Investment in Hong Kong. "Sim, os bancos centrais estão fornecendo algum tipo de cura para os mercados, mas não é realmente uma cura."
O Banco Popular da China disse que liberaria 550 bilhões de yuans (70,3 bilhões de euros, 78,5 bilhões de dólares) em liquidez no mercado através de mudanças nas exigências de empréstimos.
No entanto, os bancos centrais têm poder limitado sobre o quanto podem fazer, devido às já quase generalizadas taxas de juros baixas.
Pela primeira vez em três décadas, a produção industrial na China se contraiu, caindo 13,5% em relação a janeiro e fevereiro — uma queda muito além do esperado. O varejo também teve a maior queda em décadas, com vendas caindo 20,5% em comparação com uma queda prevista de 4%.
Investidores devem ficar de olho numa teleconferência do Grupo dos Sete (G7) nesta segunda-feira, quando será discutida a crise gerada pela pandemia de coronavírus.
Petróleo em queda
O preço barril de petróleo do tipo Brent começou a segunda-feira com uma forte tendência de queda, recuando para 31,86 dólares, 5,64% a menos que o registrado no fechamento da última sexta-feira e o menor preço desde março de 2004.
O Brent para entrega em maio estava sendo negociado a 32,05 dólares, mas caiu novamente devido às contínuas preocupações do mercado com a propagação da covid-19.
O petróleo do mar do Norte, referência na Europa, sofreu quedas acentuadas nas últimas semanas devido aos temores dos investidores de uma forte diminuição da procura por conta das restrições de circulação, voos e atividades produtivas e de negócios como resultado da pandemia do coronavírus e da guerra de preços iniciada pela Arábia Saudita.
Na semana passada, os preços do petróleo despencaram com a decisão saudita, maior produtor mundial de petróleo, de baixar o preço de suas exportações, e também por conta do novo coronavírus.
LE/efe/afp/ots/cp

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos