Complexo Hospitalar de Cuiabá

Complexo Hospitalar de Cuiabá
CENTRAL DE ATENDIMENTO 55 65 3051-3000

Águas Cuiabá

Águas Cuiabá
Av. Gonçalo Antunes de Barros, 3196 - Carumbé Av. Gonçalo Antunes de Barros, 3196 - Carumbé 78050-667 - Cuiabá / MT 0800 646 6115

Prefeitura de Várzea Grande

Prefeitura de Várzea Grande
AV. CASTELO BRANCO, 2500 - CENTRO SUL, VÁRZEA GRANDE

Tribunal de Contas de Mato Grosso - Presidente Dr. Guilherme Maluf

Tribunal de Contas de Mato Grosso - Presidente Dr. Guilherme Maluf
Rua Cons. Benjamin Duarte Monteiro, Nº 01, - Ed. Marechal Rondon - Centro Político Administrativo - Cuiabá-MT

domingo, 8 de março de 2020

"TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: Servidora conquista espaço em ambiente predominantemente masculino"

Quando Diana Lima cursou a faculdade de Tecnologia da Informação, apenas 5% da turma era composta por mulheres.A vaga era para ser dela. Há 20 anos Diana Maria de Lima prestou concurso público para a antiga Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) por insistência da irmã mais velha. Como na época não havia inscrição pela internet, enfrentaram uma fila extensa e durante a espera foi convencida a se inscrever também. Irritada com a persistência da irmã, ela escolheu o cargo mais difícil, que tinha apenas uma vaga para Técnico de Desenvolvimento Econômico e Social – perfil Administrador de Redes. Também foi a irmã que mostrou o resultado: Diana era a 7ª entre os 10 classificados. “Eu achava muito difícil me chamarem, porque tinha só uma vaga para TI (Tecnologia da Informação). Fui para fazer companhia a minha irmã na fila, ela se inscreveu para técnico de enfermagem, mas não foi classificada”, recorda. Quatro anos depois, em 2004, já no último prazo de validade do concurso, ela recebeu uma ligação de um servidor da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp-MT), informando sobre o prazo para tomar posse.
“Ele disse que eu havia passado no concurso da Secretaria de Segurança, mas eu não reconheci o nome, só sabia da sigla Sejusp, não me imaginei fazendo concurso para Sesp, então disse que não era eu e desliguei o telefone”. Ele retornou à ligação, disse para ela mesma conferir o nome na SAD (Secretaria de Estado de Administração) e tomar posse dentro de 15 dias, e desligou o telefone também. “Foi um mal-entendido na época, quando entrei na Sesp nos conhecemos, hoje somos colegas e damos risada disso”, conta Diana.
A escolha pela área de tecnologia ocorreu aos 18 anos, quando trabalhou em uma empresa de informática. Na turma da faculdade de TI, não tinham muitas mulheres, cerca de 5% apenas. “Depois que você vai para o mercado, tem o choque, por ser ainda muito masculino, mas é questão de amadurecimento, aí você vai compreendendo que o fato de ser mulher não significa que é menos capaz. Mas também é importante saber que vai ter que lutar pelo seu espaço de forma igualitária”, avalia.
Cargo de liderança
Já formada, Diana trabalhou em algumas empresas privadas como analista e, paralelamente, continuou estudando. Ao ingressar na Sejusp, compôs o setor administrativo do Centro Integrado de Operações de Segurança Pública (Ciosp), onde permaneceu por três anos. Depois, foi realocada para a Superintendência de Tecnologia da Informação (STI), onde atualmente ocupa o cargo de coordenadora de Soluções Tecnológicas.
“Eu sempre soube muito bem o que queria, então quando entrei na TI o meu coordenador na época perguntou o que eu gostaria de fazer. Eu disse que gostava de liderar, mais na parte de gestão mesmo. Fiz vários cursos nessa área. Atuei como gerente durante cinco anos, mas antes disso, fiquei cobrindo férias nas gerências, sempre quando precisavam”, conta.
Hoje, ela acredita que as mulheres estão cada vez mais ocupando espaços no mercado de trabalho e em cargos de liderança. “Tivemos muito avanço, pois na época da minha mãe não era comum ser independente, trabalhar fora, era uma condição mais de submissão, as mulheres ficavam com a função de cuidar da casa e dos filhos enquanto o homem era preparado para prover o lar financeiramente.
Hoje já está mais equilibrado”, acrescenta ela, que coordena cerca de 20 pessoas, sendo que a maioria são homens. “É um ambiente tranquilo e sou muito respeitada, atualmente trilho meu caminho encarando os desafios e aproveitando as oportunidades, sou feliz no que faço”, conclui Diana Lima.
Nara Assis/Caminho Político

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos