SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

A STELMAT visa o fortalecimento dos negócios em governança de TI

A STELMAT visa o fortalecimento dos negócios em governança de TI
Av. Isaac Póvoas, 927, Bairro Goiabeiras

Tribunal de Contas de Mato Grosso - Presidente Dr. Guilherme Maluf

Tribunal de Contas de Mato Grosso - Presidente Dr. Guilherme Maluf
Rua Cons. Benjamin Duarte Monteiro, Nº 01, - Ed. Marechal Rondon - Centro Político Administrativo - Cuiabá-MT

Loja Oficial - Casa Prado

Loja Oficial - Casa Prado
Camisetas, Polos, Calças, Bermudas, Sapatos e Acessórios de Qualidade na Casa Prado!

quinta-feira, 16 de abril de 2020

"COVID-19: Psicopedagoga dá dicas sobre como falar do novo coronavírus com crianças"

É compreensível o motivo pelo qual você evita falar sobre assuntos assustadores com seu filho – como, por exemplo, o novo coronavírus (Covid-19). Afinal, toda família quer proteger as crianças da ansiedade evitável. Contudo, quando se trata da disseminação da pandemia de Covid-19, elas provavelmente já sabem mais do que você imagina, graças a conversas paralelas dos adultos e constantes notícias sendo veiculadas na imprensa e nas redes sociais. Infelizmente, muito do que estão ouvindo pode não ser preciso ou estar desatualizado.
Conforme pondera a psicopedagoga Ivete Barros, assim como em muitos outros tópicos sérios, cabe aos pais discutir o coronavírus com os filhos de uma maneira que diminua a preocupação, promova o conhecimento e interrompa a disseminação de informações erradas. No caso do novo coronavírus, ter uma imagem incompleta da doença respiratória pode causar desconforto nas crianças.
“Seja uma fonte aberta e honesta de informações. Explique o que é o Covid-19 e qual é sua origem. Deixe as crianças fazerem perguntas. Por outro lado, evite deixar que os pequeninos consumam notícias sobre o novo coronavírus sem a presença de um adulto para fornecer um contexto adequado para a idade e, claro, filtrar os conteúdos mais instigantes. Tente manter as coisas otimistas para seu filho. As crianças são sensíveis à ansiedade de seus pais. Não se torne alarmista”, comenta.
À frente do Educandário Jardim das Goiabeiras, Ivete reforça que durante as conversas é essencial usar uma linguagem apropriada para a idade. “Crianças pequenas não entendem palavras como ‘quarentena’ e ‘transmissão’, mas você ainda pode falar sobre o coronavírus com elas. Utilize termos como 'germes' e 'insetos'. Incorpore imagens animadas ou linguagem corporal para explicar a transmissão, por exemplo. Crianças também lembram de suas próprias doenças, portanto, faça referências”.
A psicopedagoga explica que é válido informar seu filho sobre tudo o que está sendo feito para combater a doença. “Contextualize para a criança quais são os esforços do governo e das organizações de saúde para evitar que o Covid-19 se espalhe. Inclusive, esclareça que uma das ações é justamente a suspensão das aulas presenciais na escola. Aproveite para falar sobre os pesquisadores que estão em busca de uma vacina. Saber que existem planos para combater o coronavírus pode aliviar as preocupações das crianças”.
Ivete complementa que é importante aproveitar esse período em casa para ensinar e/ou reforçar hábitos de higiene. “Ensine seu filho a lavar as mãos com água e sabão por pelo menos 15-20 segundos ou pelo tempo que leva cantar o ‘abecedário’. Isto, principalmente, antes de comer ou tocar o rosto. Também ensine a criança a tossir no braço, a jogar imediatamente fora os lenços usados e a limpar os itens comuns (como teclados e games) antes de usar”, sinaliza.
Psicopedagoga Ivete Barros
ZF PRESS/Caminho Político

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos