SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

A STELMAT visa o fortalecimento dos negócios em governança de TI

A STELMAT visa o fortalecimento dos negócios em governança de TI
Av. Isaac Póvoas, 927, Bairro Goiabeiras

Tribunal de Contas de Mato Grosso - Presidente Dr. Guilherme Maluf

Tribunal de Contas de Mato Grosso - Presidente Dr. Guilherme Maluf
Rua Cons. Benjamin Duarte Monteiro, Nº 01, - Ed. Marechal Rondon - Centro Político Administrativo - Cuiabá-MT

Loja Oficial - Casa Prado

Loja Oficial - Casa Prado
Camisetas, Polos, Calças, Bermudas, Sapatos e Acessórios de Qualidade na Casa Prado!

quinta-feira, 16 de abril de 2020

"PROJETO DE LEI: Proposta de Max Russi quer proibir bancos de descontarem dívidas com valores do coronavouver"

Parlamentar defende que o valor do subsídio precisa ser protegido, para que não seja debitado automaticamente pelas instituições com a finalidade de cobrir eventuais débitos na conta de quem recebe o benefício. A intenção do Projeto de Lei nº 315/2020 é proibir as instituições bancárias de utilizarem o valor do “coronavoucher” para descontar dividas de beneficiários, em Mato Grosso. Essa foi uma das propostas apresentadas pelo deputado Max Russi (PSB) na sessão plenária desta quarta-feira (15). De acordo com o parlamentar, o objetivo é dar segurança aos contemplados com o auxílio emergencial de R$ 600 reais, criado pelo governo federal e destinado às pessoas que estão desempregadas, trabalham na informalidade (sem carteira assinada) ou não tem qualquer renda, em razão da pandemia do novo coronavírus.
O deputado Max Russi explica que o valor do subsídio deve ser protegido, para que não seja debitado automaticamente pelos bancos com a finalidade de cobrir eventuais débitos na conta de quem recebe o benefício.
Além disso, Russi lembra ainda que boa parte dos favorecidos são de famílias assistidas pelo programa social Bolsa Família ou, até mesmo, microempreendedores individuais que contribuem para o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS),
“Os bancos visam o lucro e a gente não sabe como eles poderão agir. Precisamos regulamentar para que isso não aconteça e assim possamos proteger essas pessoas, que tanto necessitam de um auxilio nesses tempo difíceis”, argumentou.
Assessoria/Caminho Político

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos