SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

A STELMAT visa o fortalecimento dos negócios em governança de TI

A STELMAT visa o fortalecimento dos negócios em governança de TI
Av. Isaac Póvoas, 927, Bairro Goiabeiras

Tribunal de Contas de Mato Grosso - Presidente Dr. Guilherme Maluf

Tribunal de Contas de Mato Grosso - Presidente Dr. Guilherme Maluf
Rua Cons. Benjamin Duarte Monteiro, Nº 01, - Ed. Marechal Rondon - Centro Político Administrativo - Cuiabá-MT

Loja Oficial - Casa Prado

Loja Oficial - Casa Prado
Camisetas, Polos, Calças, Bermudas, Sapatos e Acessórios de Qualidade na Casa Prado!

quinta-feira, 9 de abril de 2020

"Maioria dos brasileiros prevê perda de renda devido a pandemia, diz Datafolha"

Homem de costas carrega sacoPesquisa aponta que aumentou o pessimismo em relação à crise do coronavírus, com 69% esperando uma redução de seus rendimentos. Preocupação é maior entre os mais pobres, mas também cresceu entre os mais ricos.Em meio à crise causada pela pandemia de covid-19, a doença respiratória causada pelo novo coronavírus, o pessimismo dos brasileiros aumentou, aponta uma pesquisa do instituto Datafolha divulgada nessa quarta-feira (08/04). Segundo o levantamento, 69% preveem que seus rendimentos diminuirão nos próximos meses, e apenas 30% acham que isso não acontecerá. Na pesquisa anterior, divulgada em 24 de março, 57% temiam a perda de renda, e 43% descartavam a possibilidade.
O temor é maior entre os mais pobres, mas aumentou significativamente entre os mais ricos. Entre as pessoas com renda familiar mensal de até dois salários mínimos (R$ 2.090), 73% têm expectativa de redução da própria renda (antes, eram 61%). Entre os brasileiros com renda superior a dez salários mínimos (R$ 10.450), 67% preveem redução nos ganhos (na pesquisa anterior, eram 49%). O Datafolha ouviu 1.511 pessoas entre os dias 1º e 3 de abril. As entrevistas foram feitas por telefone.
De acordo com o instituto, se perdessem seus rendimentos agora, 40% dos entrevistados teriam dinheiro o suficiente para se sustentar por no máximo um mês, 6% afirmaram que já não estão conseguindo se sustentar, e 11% responderam que teriam dinheiro suficiente para menos de 15 dias.
Além disso, 56% dos entrevistados acham que a pandemia prejudicará a economia por muito tempo (em março, o índice era de 50%). Entre as pessoas com renda familiar superior a dez salários mínimos, 71% preveem uma crise prolongada, número bem superior à pesquisa anterior, quando eram 55%. Segundo o Datafolha, 37% dos brasileiros acreditam que terão perdas financeiras pessoais por muito tempo (antes, eram 28%).
Devido às medidas de isolamento social adotadas pela maior parte dos estados, o Datafolha perguntou se os entrevistados poderiam continuar trabalhando de casa. No fim de março, 46% disseram que sim. Agora, o índice caiu para 33%. Entre os mais pobres, com renda de até dois salários mínimos, 23% disseram que poderiam seguir trabalhando (antes, eram 40%).
Apesar das preocupações econômicas, a maior parte dos brasileiros segue apoiando as medidas de isolamento. O Datafolha apontou que 76% concordam que o mais importante agora é ficar em casa para evitar a disseminação do coronavírus. O índice é alto até mesmo entre os eleitores que votaram em Jair Bolsonaro e dizem não se arrepender: 62% deles concordam com que o combate ao vírus deve ser a prioridade.
Dados da mesma pesquisa, divulgados na segunda-feira, já haviam mostrado que para 23% dos entrevistados o isolamento deve durar entre 21 e 30 dias; para 23%, 31 dias ou mais; e para 16% por mais 11 a 15 dias.
O Datafolha também já havia divulgado alguns dados da pesquisa no domingo. De acordo com o levantamento, apesar de apenas 33% considerarem a gestão da crise do coronavírus pelo presidente Jair Bolsonaro como boa ou ótima, 59% dos brasileiros são contra a renúncia dele. Ao mesmo tempo, mais de um terço (37%) dos entrevistados defendem que Bolsonaro renuncie.
Segundo o Datafolha, 44% dos brasileiros acreditam que o presidente não tem mais condições de liderar o país, mas 52% ainda endossam a capacidade do presidente de seguir na função. Entre os evangélicos, tradicionais apoiadores de Bolsonaro, 64% são contrários à renúncia, e 60% acreditam que o presidente tem condições de seguir liderando o país.
LL/ots/cp

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos