SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS
Praça Alencastro, nº 158 - Centro

sábado, 9 de maio de 2020

"Governo entrega ao STF gravação de reunião citada por Moro"

Bolsonaro Attends Navy Day Celebration (picture-alliance/A. Borges)Encontro foi citado por ex-ministro como evidência de interferência de Bolsonaro na PF. Celso de Mello impõe sigilo temporário sobre o material. A Advocacia-Geral da União (AGU) entregou na noite desta sexta-feira (08/05) ao Supremo Tribunal Federal (STF) a gravação da reunião ministerial ocorrida no dia 22 de abril. O encontro foi citado pelo ex-ministro Sergio Moro como uma evidência de que o presidente Jair Bolsonaro interferiu politicamente na Polícia Federal. Segundo o jornal O Estado de S.Paulo, o decano do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Celso de Mello, decidiu colocar temporariamente sigilo sobre o material.
"Determino que incida, em caráter temporário, a nota de sigilo sobre o HD externo encaminhado a esta Corte, no dia de hoje, pelo Senhor Advogado-Geral da União, mediante petição protocolada sob o nº 29.860/2020”, determinou o ministro.
"Esse sigilo, que tem caráter pontual e temporário – autorizado pela cláusula inscrita no art. 5º, inciso LX, da Constituição da República, cuja possibilidade de aplicação expressamente ressalvei na decisão proferida no dia 05/05/2020 –, será por mim levantado, em momento oportuno”, determinou Mello.
Na quinta-feira, a AGU havia encaminhado um pedido ao STF para entregar apenas parte das gravações da reunião. Foi o segundo pedido de reconsideração da AGU ao Supremo após o ministro Celso de Mello determinar que o Planalto tinha 72 horas para entregar as gravações. O prazo se encerrava na noite de sexta-feira.
Na quarta-feira, o órgão já havia pedido para que o ministro revertesse a decisão, alegando que na reunião foram tratados "assuntos potencialmente sensíveis e reservados de Estado".
Diante da postura do governo, a defesa de Moro chegou a acionar o STF e solicitar que Mello mantivesse a ordem de entrega da íntegra das gravações. Os advogados do ex-ministro argumentaram que mesmo que a reunião eventualmente tenha tratado de "assuntos de relevância nacional" não se poderia impedir que a Justiça analisasse a íntegra da gravação.
Moro afirmou em depoimento que o vídeo mostra que o presidente ameaçou demiti-lo caso ele não concordasse com a substituição da chefia da PF. Bolsonaro efetivamente acabou trocando o comando, o que provocou a saída de Moro do governo.
Segundo o jornal Folha de S.Paulo, a reunião também foi palco de outras cenas que podem provocar constrangimentos para o governo. De acordo com a publicação, os participantes, incluindo Bolsonaro, citaram a China, maior parceiro comercial do Brasil, "em termos pouco elogiosos".
O encontro também teria sido marcado por uso pródigo de palavrões e um ataque do ministro da Educação, Abraham Weintraub, ao STF. De acordo com o jornal, Weintraub afirmou que a corte era composta por "11 filhos da puta". Um dos ministros da Corte é justamente o destinatário do vídeo.
JPS/ots/cp

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos