SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS
Praça Alencastro, nº 158 - Centro

sexta-feira, 8 de maio de 2020

"Ministro da Saúde defende não politizar isolamento social no Brasil"

Reunião com o Ministro da Saúde, Nelson TeichEm reunião virtual com deputados, Teich afirmou que estados e municípios devem definir o grau de isolamento a ser adotado conforme a gravidade da pandemia em cada local.O ministro da Saúde, Nelson Teich, defendeu, nesta quinta-feira (7), não transformar em discussão política a questão do isolamento social no combate à Covid-19 no Brasil. Segundo o ministro, as medidas de isolamento – das mais brandas até o confinamento total (lockdown) – deverão ser adotadas conforme a situação específica dos estados e municípios. Ele afirmou que “não dá para trabalhar como se o lockdown fosse a essência de tudo”. “A gente não pode transformar isso em uma discussão política. Essa é uma discussão técnica”, afirmou Teich, em reunião virtual da comissão externa da Câmara dos Deputados destinada a propor ações de combate ao coronavírus. A decisão, disse ainda, deve ser tomada por estados e municípios com base nas variáveis. “Você vai avaliar pessoas que estão infectadas, casos novos, leitos ocupados. Não existe uma medida geral, existe medida para cada local.”
Durante a audiência, que durou cerca de quatro horas, alguns deputados questionaram o ministro sobre o isolamento. “Qual é a sua opinião sobre o isolamento social? O senhor acha que alguns estados devem ir para o lockdown e como o senhor pretende anunciar isso?”, havia perguntado a deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ).
A deputada também criticou o governo de Jair Bolsonaro, cujas mensagens considera “frias, debochadas e anticientíficas”. Outros parlamentares também reclamaram da postura contrária de Bolsonaro ao isolamento.
Apesar das críticas, Nelson Teich respondeu que o compromisso dele, à frente do Ministério da Saúde, é salvar vidas. Até agora, mais de 8,6 mil pessoas já morreram no País em decorrência da Covid-19.
Nelson Teich também se disse defensor do Sistema Único de Saúde (SUS), em resposta ao deputado e ministro da Saúde no governo de Dilma Rousseff Alexandre Padilha (PT-SP), para quem o SUS deve ser fortalecido. “O SUS é prioridade absoluta. A razão de eu estar aqui hoje é para fortalecer o SUS. Se eu puder deixar um legado, é um SUS melhor”, garantiu o ministro.
Militares
À crítica de que o ministério está com muitos militares à frente de funções importantes, Teich respondeu que se trata de “um tempo de guerra”, e os militares trazem planejamento estratégico.
“Essas pessoas funcionam como um time, mas não são definitivas. Conforme isso for retornando para uma situação normal, elas vão retornar para seus lugares e pessoas civis vão ser recolocadas. Mas esse é um tempo de guerra”, enfatizou. Ele também disse que a liderança é dele, embora haja militares.
Saúde - doenças - coronavírus Covid-19 pandemia testagem diagnósticos prevenção controle pacientes (testes em drive-thru de Águas Claras-DF) Ações
Entre as ações realizadas no combate e na prevenção da Covid-19 até agora, Nelson Teich destacou a antecipação da vacinação contra a gripe, com 65 milhões de doses já distribuídas; a ampliação no número de testes distribuídos, com a previsão total de 46 milhões até setembro; a entrega de 487 respiradores artificiais e a pretensão de produzir nacionalmente 14,1 mil até julho, uma vez que existe dificuldade em importar; e a intenção de negociar precocemente com um possível produtor de vacina contra o coronavírus.
Além disso, ele mencionou a habilitação de 3.236 leitos de UTI, a distribuição de 82,6 milhões de equipamentos de proteção individual para profissionais da saúde, o cadastro de mais de 900 mil profissionais da área de saúde e de 100 mil estudantes, o repasse de R$ 5,2 bilhões de reais pelo governo federal para o combate da doença e o pagamento de emendas parlamentares.
O deputado Marcel van Hattem (Novo-RS) disse esperar que o dinheiro seja corretamente investido. “O ministro está tocando o trabalho com seriedade e buscando fazer uma prestação de contas para que não tenhamos surpresas negativas lá adiante. Que todo esse recurso que está sendo encaminhado para estados e municípios seja bem aplicado”, defendeu o parlamentar.
Por outro lado, Nelson Teich reconheceu a dificuldade na entrega de materiais e equipamentos, reclamação feita por vários deputados, como Mariana Carvalho (PSDB-RO), que relatou a falta de equipamentos e testes rápidos em Rondônia. “É uma dificuldade natural do momento, de uma doença que sobrecarregou o sistema mundial”, afirmou o ministro.
Visita aos estados
O ministro também anunciou aos parlamentares a meta de visitar até dois estados por semana para verificar a situação local. Ficou decidido que, em cada visita, Teich será acompanhado por um deputado representante da comissão e que seja proveniente do estado a ser visitado, com destaque para aqueles que enfrentam a situação mais grave.
A reunião foi pontuada de pedidos de parlamentares relativos a seus estados. Coordenador da comissão externa, o deputado Dr. Luiz Antonio Teixeira (PP-RJ) afirmou que a situação do estado do Rio é uma das mais graves do País e pediu ao ministro para liberar os hospitais federais localizados no estado para o combate à pandemia. “Peço, quase imploro, para que a gente possa agir diferente neste momento, para que a gente possa reverter respiradores e leitos que já temos no estado. Diferente de outros estados, nós temos equipamentos públicos no nosso estado. Esses equipamentos têm que servir à população neste momento”, defendeu.
Já nesta sexta-feira (8), Nelson Teich visitará o Rio de Janeiro e, segundo ele, deverá abordar a questão dos hospitais federais.
Reportagem – Noéli Nobre
Edição - Régis Oliveira
Foto 1: Maryanna Oliveira
Foto 2: Leopoldo Silva/Agência Senado
Caminho Político

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos