SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS
Praça Alencastro, nº 158 - Centro

sábado, 2 de maio de 2020

" Segurança de dados: investimento ou custo?

A pandemia do Covid-19 que atingiu em cheio a população mundial e praticamente todas empresas públicas e privadas. A partir daí, fomos obrigados a repensar as formas de trabalho e o relacionamento com clientes. Investir em tecnologia e cibersegurança voltou a ser palavra de ordem já que a forma de trabalhar também mudou. Tecnologias como desktops virtuais, telemedicina, teletrabalho ganharam projeção. A pergunta é: pessoas e empresas estão prontas para crescer e evoluir ao invés de sucumbir a este momento tão novo e difícil pra todos nós? Estamos prontos para proteger nossas informações? E as empresas, estão preparadas para garantir segurança e confiabilidade às informações e dados de seus clientes?
Seja qual for a resposta, fique tranquilo: existem soluções para todos esses problemas. A tecnologia evoluiu e hoje já é possível, por exemplo, guardar todas estas informações em nuvens digitais, sabia? A Cloud, por exemplo, é uma ferramenta que reduz custos com datacenters, otimiza o uso dos recursos e aumenta a produtividade das organizações. De acordo a IDC Consultoria, sua versão pública, oferecida pelas empresas Google Cloud, Microsoft Azure e AWS deve crescer aproximadamente 35% por ano no Brasil.
Se você já a utiliza ou ficou interessado e conhecer este produto, atenção: erros de configuração são responsáveis por vários incidentes, como vazamento de informações. Por isso, o monitoramento constante de atividades maliciosas é imprescindível. Portanto, invista também em Centros de Operação e Monitoramento de Segurança da Informação.
Por conta do isolamento social decretado pelo poder público em todo o mundo, diversas empresas tiveram que adaptar suas rotinas adotando o sistema home office, onde o colaborador trabalha em casa. Outras optaram pelo Bring Your Own Device (BYOD) permitindo que seus funcionários utilizem seus próprios dispositivos para trabalhar. Há ainda, aquelas que escolheram como ferramenta o desktop virtual onde o colaborador acessa de qualquer lugar as telas de trabalho dos terminais que utilizam nas empresas.
Todas ferramentas importantes e úteis, mas que precisam ser monitoradas afim de se combater ataques criminosos virtuais, o trabalho sujo feito por hackers. Portanto, nada mais necessário neste momento que ter à mão tecnologias capazes de checar as vulnerabilidades destes dispositivos e ambientes a fim de mitigar toda e qualquer possibilidade de invasão de dados.
A Internet das Coisas (IoT, na sigla em inglês) promete ser a nova grande fonte de inovação do mundo. Em um futuro bem próximo, dispositivos como máquinas industriais, carros e até eletrodomésticos estarão conectados, gerando milhões de dados. No Brasil, a tecnologia chega a passo lentos, mas alguns setores já exploram a IOT com destaque para aplicações em agronegócio, saúde e prestação de serviços públicos.
O problema, mais uma vez, é que estes dispositivos já são alvo de invasões cibercriminosas. Por isso, volto a frisar a necessidade de proteção de dados através da adoção de plataformas de segurança e de sua adequada configuração e monitoramento. A proteção através do Firewall sempre foi e continua sendo fundamental. Pois permite determinar a quais redes cada dispositivo terá acesso, bem como filtrar o tráfego de dados em busca de ameaças.
Pra finalizar este artigo, quero lembrar que em janeiro de 2021 entra em vigor no país a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). Ela responsabiliza as empresas que atuam no Brasil pela proteção e tratamento correto dos dados dos clientes que estiverem sob sua custódia. Determina ainda, que em caso de má conduta, as infratoras sejam multadas e até 2% do faturamento bruto ou R$ 50 milhões por infração, levando em conta a maior soma.
Mesmo assim, por mais incrível que pareça, o investimento em segurança de dados no Brasil, seja por empresas públicas ou privadas, é ínfimo. Não percam tempo, empreendedores: ativem já sistemas de back-up com testes de restore, invistam em criptografia, façam a gestão de acessos privilegiados com responsabilidade e invistam maciçamente em segurança da informação. A blindagem de dados não pode ser tratada como custo, mas como investimento!
José Masson Jr é analista de sistemas, especialista em segurança de redes e diretor de empresas de TI em Mato Grosso. E-mail: jmjjose@hotmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos