SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

A STELMAT visa o fortalecimento dos negócios em governança de TI

A STELMAT visa o fortalecimento dos negócios em governança de TI
Av. Isaac Póvoas, 927, Bairro Goiabeiras

Tribunal de Contas de Mato Grosso - Presidente Dr. Guilherme Maluf

Tribunal de Contas de Mato Grosso - Presidente Dr. Guilherme Maluf
Rua Cons. Benjamin Duarte Monteiro, Nº 01, - Ed. Marechal Rondon - Centro Político Administrativo - Cuiabá-MT

Loja Oficial - Casa Prado

Loja Oficial - Casa Prado
Camisetas, Polos, Calças, Bermudas, Sapatos e Acessórios de Qualidade na Casa Prado!

quarta-feira, 24 de junho de 2020

"Cientistas encontram microplástico no ecossistema terrestre da Antártida"

Garrafa plástica am praia da AntártidaPela primeira vez, pesquisa documenta presença de plástico em uma das mais remotas cadeias alimentares do mundo. Descoberta gera preocupação sobre futuro do frágil ecossistema, já ameaçado pelas mudanças climáticas.Pela primeira vez, cientistas encontraram microplásticos dentro de pequenos organismos que vivem no solo da Antártida, de acordo com um novo estudo publicado nesta quarta-feira (24/06) na revista especializada Biology Letters.
"Os plásticos estão entrando nas pequenas cadeias alimentares terrestres antárticas e representam um novo potencial fator de estresse para os ecossistemas polares, já afetados pelas mudanças climáticas e pelo aumento das atividades humanas", afirmam os autores da pesquisa.
A equipe de pesquisadores, liderada pela Universidade de Siena, na Itália, coletou organismos em um pedaço de poliestireno – material usado na produção de isopor – que estava coberto de musgo e líquens na Ilha do Rei George.
Usando uma técnica de imagem de infravermelho, eles descobriram pedaços de poliestireno no organismo de colêmbolos antárticos, ou Cryptopygus antarcticus, espécie de pequenos artrópodes nativa da Antártida.
Os pequenos organismos, parecidos com insetos, são frequentemente "espécies dominantes" em áreas da Antártida que não são cobertas por gelo, geralmente se alimentando de líquens e microalgas.
Fotografias de rochas em orla da Antártida e imagens de placa de isopor coberta de musgo
Os pesquisadores disseram que os colêmbolos provavelmente consumiram os fragmentos de plástico enquanto consumiam seu alimento habitual.Perigos da poluição plástica
Segundo os autores do estudo, o achado indica que a poluição por microplásticos já pode ter "se infiltrado profundamente" na remota cadeia alimentar terrestre da Antártida.
"As implicações da ingestão plástica por esta espécie incluem a potencial redistribuição de microplásticos pelo perfil do solo e a transferência para seus predadores comuns, os oribatibas", explicou à agência de notícias AFP Elisa Bergami, da Universidade de Siena, citando uma subordem de ácaros também conhecida como ácaros-escaravelho.
A presença de plásticos em uma das cadeias alimentares mais remotas do mundo poderia potencialmente prejudicar ainda mais o frágil ecossistema da Antártida.
Postos de pesquisa científica, instalações militares – incluindo a Estação Antártica Comandante Ferraz (EACF), do Brasil – e de turismo transformaram a área em torno da Ilha do Rei George, localizada nas Ilhas Shetland do Sul, em "uma das regiões mais contaminadas da Antártida", de acordo com os pesquisadores.
MD/dw/afp/cp
Caminho Politico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos