SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS
Praça Alencastro, nº 158 - Centro

quarta-feira, 17 de junho de 2020

"Estão abusando, é hora de colocar tudo no devido lugar", diz Bolsonaro"

Presidente Jair Bolsonaro entre apoiadores, em 24 de maioPresidente vê abusos em operações contra aliados autorizadas pelo Supremo Tribunal Federal e afirma que não vai "assistir calado enquanto direitos são violados e ideias são perseguidas".O presidente da República, Jair Bolsonaro, afirmou, nesta quarta-feira (17/06), no Palácio da Alvorada, que houve abusos na operação autorizada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) contra seus aliados e que "está chegando a hora de tudo ser colocado no devido lugar".
"Eu não vou ser o primeiro a chutar o pau da barraca. Eles estão abusando. Isso está a olhos vistos. O ocorrido no dia de ontem, no dia de hoje, quebrando sigilo parlamentar, não tem história nenhuma visto numa democracia, por mais frágil que ela seja. Então tá chegando a hora de tudo ser colocado no devido lugar", afirmou o presidente, no jardim do Palácio da Alvorada, perante apoiadores, que gravaram as declarações em vídeo.
As declarações desta quarta-feira ecoam as do dia anterior, quando o presidente disse que não vai "assistir calado enquanto direitos são violados e ideias são perseguidas". Ele negou ligação do governo com o autoritarismo e afirmou que sempre esteve ao lado da democracia e da Constituição.
"O histórico do meu governo prova que sempre estivemos ao lado da democracia e da Constituição brasileira. Não houve, até agora, nenhuma medida que demonstre qualquer tipo de apreço nosso ao autoritarismo, muito pelo contrário. Luto para fazer a minha parte, mas não posso assistir calado enquanto direitos são violados e ideias são perseguidas", escreveu Bolsonaro em várias redes sociais.
"Por isso, tomarei todas as medidas legais possíveis para proteger a Constituição e a liberdade dos brasileiros", acrescentou o chefe de Estado. Ele denunciou ainda "ataques concretos" ao Executivo e acrescentou que "tem suportado" todos os "abusos presenciados nas últimas semanas" sem desrespeitar "nenhuma regra democrática".
Em entrevista à DW nesta quarta-feira, o ministro do STF Gilmar Mendes disse que Bolsonaro comparece a atos antidemocráticos "para manter esse jogo de ambiguidade" e cultivar aliados e que as Forças Armadas não são árbitro no conflito entre os três poderes. "Mas se usa isso para tentar amedrontar e constranger as instituições", comentou. "As Forças Armadas não são milícias do presidente da República, nem de força política que o apoie."
Nesta terça, a Polícia Federal (PF) cumpriu mandados de busca e apreensão na residência de aliados do presidente, por determinação do ministro do STF Alexandre de Moraes, para levantar eventuais provas sobre a organização de protestos antidemocráticos e seus financiamentos.
Moraes determinou também o fim do sigilo bancário de dez deputados e um senador, todos aliados do presidente, numa investigação sobre financiamento de atos antidemocráticos. A maioria dos parlamentares com sigilo bancário levantado é filiada ao PSL, partido pelo qual Bolsonaro se elegeu presidente, mas que deixou no final do ano passado.
Na segunda-feira, a Polícia Federal realizou uma operação contra membros de movimentos antidemocráticos e cumpriu seis mandados de prisão, também após autorização do STF. Um dos alvos era a líder do movimento de extrema direita 300 do Brasil, Sara Fernanda Giromini, conhecida como Sara Winter. O grupo, que apoia Bolsonaro, prega o fechamento do STF e do Congresso.
O STF está analisando dois inquéritos, que investigam a divulgação de notícias falsas e ameaças a juízes por apoiadores de Bolsonaro, assim como a organização de atos antidemocráticos por aliados do presidente, que pedem o fechamento do STF, do Congresso e uma intervenção militar no país.
Os alvos da investigação são suspeitos de receberem recursos financeiros para promover atos contra a democracia e de cometerem crimes previstos na Lei de Segurança Nacional. Segundo a Procuradoria-Geral da República (PGR), o objetivo das prisões temporárias é "ouvir os investigados e reunir informações de como funciona o esquema criminoso".
AS/lusa/efe/ots/cp

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos