SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS
Praça Alencastro, nº 158 - Centro

sexta-feira, 19 de junho de 2020

"Ex-ministros denunciam ameaça à democracia e meio ambiente sob Bolsonaro"

O presidente Jair Bolsonaro e o ministro do Meio Ambiente, Ricardo SallesEm carta aberta, nove ex-titulares do Meio Ambiente falam em "desgoverno" no país e pedem providências do Legislativo e Judiciário. Potenciais crimes de responsabilidade por Salles precisam ser investigados, afirmam. Nove ex-ministros brasileiros do Meio Ambiente divulgaram uma carta aberta em defesa da democracia e da sustentabilidade, afirmando que o governo do presidente Jair Bolsonaro representa uma ameaça às instituições democráticas, ao meio ambiente, aos povos indígenas e à saúde e à vida de brasileiros em meio à epidemia de covid-19.
O grupo pede que a Procuradoria-Geral da República (PGR), o Supremo Tribunal Federal (STF), o Congresso Nacional, governadores e prefeitos tomem providências e medidas legais para garantir a preservação ambiental e da democracia no país.
À PGR, eles solicitam que sejam investigadas denúncias de possíveis crimes de responsabilidade cometidos pelo atual ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles.
O documento é assinado pelos ex-ministros Carlos Minc, Edson Duarte, Gustavo Krause, José Carlos Carvalho, Izabella Teixeira, Marina Silva, Rubens Ricupero, Sarney Filho e José Goldemberg. Eles comandaram a pasta nos governos dos ex-presidentes Itamar Franco, Fernando Henrique Cardoso, Lula, Dilma Rousseff e Michel Temer.
O texto condena a postura "anticientífica" da gestão Bolsonaro e o desrespeito aos demais Poderes por parte do Executivo, e afirma que o país vive atualmente um "desgoverno".
"Vivemos inédito momento histórico de aviltamento e ameaça à democracia consagrada na Constituição de 1988 de parte do próprio poder Executivo por ela constituído", afirma a carta, que apela por uma "urgente união nacional em defesa da Constituição".
"A omissão, indiferença e ação anticientífica do governo federal transformaram o desafio da covid-19 na mais grave tragédia epidemiológica da história recente do Brasil, causando danos irreparáveis à vida e saúde de milhões de brasileiros", prossegue, num momento em que a doença causada pelo novo coronavírus já atingiu quase 1 milhão de pessoas e matou mais de 47 mil no país.
O documento ainda denuncia que a "sustentabilidade socioambiental está sendo comprometida de forma irreversível por aqueles que têm o dever constitucional de garanti-la", mencionando a destruição dos biomas, que avança em taxas aceleradas, "com aumentos expressivos de desmatamentos na Amazônia, no Cerrado e na Mata Atlântica".
O texto também condena o que chama de desmantelamento sistemático de órgãos ambientais e normas federais durante a gestão de Ricardo Salles no Ministério do Meio Ambiente, e diz que povos indígenas, comunidades quilombolas e populações tradicionais "veem crescer de modo exponencial as ameaças aos seus territórios e às suas vidas".
Os ex-ministros ainda mencionam a reunião ministerial de 22 de abril, cuja gravação foi tornada pública pelo STF no mês passado, chamando-a de "degradante" e "retrato fiel desse desgoverno".
Segundo a carta, o encontro entre Bolsonaro e ministros dedicou "horas a ofender e desrespeitar de maneira abjeta os demais Poderes do Estado, sem uma palavra de comando para o enfrentamento da crise econômica ou superação da crise 'pandêmica'".
"A única menção à pandemia, feita pelo ministro do Meio Ambiente, não se destinou a estabelecer conexões entre a agenda da sustentabilidade e os desafios na saúde e na economia, mas, inacreditavelmente, para se aproveitar do sofrimento geral em favor dos nefandos interesses que defende", afirma o texto.
Na reunião, Salles sugeriu que o governo aproveitasse que a atenção da imprensa está voltada para a epidemia de coronavírus para avançar algumas mudanças nas leis ambientais que em circunstâncias normais poderiam ser recebidas com fortes críticas pela mídia e pela opinião pública. A fala gerou notas de repúdio por parte de entidades ambientalistas internacionais, como o Greenpeace.
"Nós temos a possibilidade neste momento, que a atenção da imprensa está voltada quase que exclusivamente para covid-19... A oportunidade que nós temos, que a imprensa está nos dando um pouco de alívio nos outros temas, é passar as reformas infralegais de desregulamentação, simplificação, todas as reformas que o mundo inteiro cobrou", disse o ministro no encontro.
Na carta aberta, os ex-ministros afirmam que, com essa fala, Salles "confessou de público o que pode caracterizar crime de responsabilidade, por desvio de função e poder, ao revelar o verdadeiro plano em execução por este governo que é 'passar a boiada' sobre a legislação socioambiental".
Por fim, o texto defende que "a polarização e radicalização promovidas pelo governo podem e devem ser respondidas com a união e colaboração entre pessoas de partidos e orientações diferentes fiéis aos valores e princípios da Constituição".
"Aprendemos pela dura experiência com o atual governo que quando a democracia, a liberdade e a Constituição são ameaçadas e/ou violentadas, os primeiros valores sacrificados são os relativos ao meio ambiente e aos direitos humanos. Sem democracia forte, não haverá sustentabilidade. Sem sustentabilidade, não haverá futuro para nenhum povo", conclui a carta.
Carta em maio
Esta não é a primeira vez em que ex-ministros do Meio Ambiente se unem para atacar a política ambiental de Bolsonaro. Em maio, oito ex-titulares da pasta divulgaram uma carta semelhante, assinada pelos mesmos ex-ministros, com exceção de José Goldemberg.
Nela, os autores afirmavam que, em outubro do ano passado, já haviam alertado o presidente sobre a importância da consolidação e o fortalecimento da governança ambiental e climática para a inserção internacional do Brasil e para impulsionar o desenvolvimento do país.
No entanto, passados cem dias de governo, "as iniciativas em curso vão na direção oposta à de nosso alerta, comprometendo a imagem e a credibilidade internacional do país", dizia o texto. "A governança socioambiental no Brasil está sendo desmontada, em afronta à Constituição."
À época, Salles respondeu às críticas em comunicado divulgado no Twitter. "O atual governo não rechaçou nem desconstruiu nenhum compromisso previamente assumido e que tenha tangibilidade, vantagem e concretude para a sociedade brasileira. Mais do que isso, criou e vem se dedicando a uma inédita agenda de qualidade ambiental urbana, até então totalmente negligenciada."
O ministro também negou que a atuação de seu ministério comprometa a credibilidade do Brasil no exterior e voltou a colocar a culpa em organizações não governamentais. "Ao contrário do que se verifica na prática, o que vem causando prejuízos à imagem do Brasil é a permanente e bem orquestrada campanha de difamação promovida por ONGS e supostos especialistas", afirmou.
EK/ots/efe/lusa/cp

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos