SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS
Praça Alencastro, nº 158 - Centro

quinta-feira, 18 de junho de 2020

"Forças antidemocráticas estão à espreita na pandemia, alerta Merkel"

Merkel discursou no Parlamento alemão: alerta contra divisões na UELíder alemã faz discurso ferrenho em defesa do projeto europeu e diz que reação à crise do coronavírus definirá papel do bloco no mundo. Se falhar, afirmou, movimentos autoritários vão tentar capitalizar. A chanceler federal alemã, Angela Merkel, afirmou nesta quinta-feira (18/06) que a forma como a União Europeia (UE) lidará com os efeitos da atual pandemia de coronavírus definirá o papel do bloco no mundo.
Qualquer erro, alertou, será explorado por forças populistas contra o projeto de integração comunitária. Merkel fez um pronunciamento no Parlamento alemão um dia antes de uma reunião, por videoconferência, dos líderes dos 27 países-membros da UE. Em pauta, estará um pacote de resgate econômico europeu, que já divide os integrantes do bloco.
"Não devemos permitir que a pandemia coloque as perspectivas econômicas dos Estados-membros da UE à deriva, enfraquecendo o mercado único comum – um elemento central da Europa", disse Merkel. "Trabalharemos com determinação contra o perigo de uma fenda profunda e permanente na Europa."
A União Europeia propôs no mês passado um fundo de recuperação de 750 bilhões de euros para ajudar os países a enfrentar a recessão desencadeada pelo coronavírus.
A cifra foi estipulada a partir de uma proposta anterior da Alemanha e da França. Mas Áustria, Dinamarca, Holanda e Suécia – um grupo de países chamado de "Quatro Frugais" – estão relutantes em dar dinheiro sem compromissos. Sua oposição às doações poderia atrasar o projeto.
"Não podemos ser ingênuos: as forças antidemocráticas, os movimentos radicais e autoritários, estão apenas esperando por crises econômicas, para capitalizá-las politicamente", advertiu Merkel.Merkel disse esperar que um acordo seja alcançado antes das férias de verão europeias, em julho, mas deixou claro que a conversa desta sexta será apenas uma primeira troca de ideias. Uma decisão, afirmou, só sairá numa reunião presencial.
"O ponto de partida é qualquer coisa, menos fácil, mas espero que todos os Estados-membros ajam agora com espírito de cooperação diante desta situação sem precedentes", disse Merkel.
Maior econômica da Europa, a Alemanha assume, em 1º de julho, a Presidência rotativa da UE por seis meses.
O Banco Central Europeu (autoridade monetária da zona do euro) projetou no início deste mês que os efeitos da pandemia levarão a uma retração de 8,7% na área de moeda única em 2020.
Segundo a presidente do BCE, Christine Lagarde, uma recuperação a partir de 2021 é possível (o banco projeta expansão superior a 5% para o ano que vem), mas dependerá justamente da duração e da eficácia das medidas de contenção e do sucesso das políticas para mitigar o impacto adverso da pandemia sobre a renda e o emprego.
Com a pandemia relativamente controlada e necessitando reativar a economia, a União Europeia reabriu nesta semana em grande parte as fronteiras internas do bloco, mas contínua fechada a países onde o vírus segue fora de controle, como Brasil e EUA.
Na Europa, ainda prevalece a cautela, após as mais de 180 mil mortes ocorridas em razão da pandemia. O continente registrou mais de 2 milhões das quase 8 milhões de infecções em todo o globo, seguindo dados da Universidade Johns Hopkins.
Entretanto, a necessidade de reavivar o setor do turismo é algo urgente para muitos países, como Espanha e Grécia, enquanto se multiplicam os graves efeitos econômicos da pandemia. As maiores economias do bloco esperam para este ano a maior recessão do pós-guerra.
RPR/dpa/ots/cp

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos