SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS
Praça Alencastro, nº 158 - Centro

quinta-feira, 18 de junho de 2020

"Pandemia derruba em 15% as vendas de imóveis em março e Secovi-MT prevê cenário difícil"

Pesquisa de acompanhamento do mercado imobiliário feita pelo Sindicato da Habitação em Mato Grosso (Secovi-MT) mostra que no primeiro trimestre deste ano foram comercializados 1.874 imóveis em Cuiabá movimentando R$ 655,010 milhões. Apesar de a soma dos três meses mostrar uma variação positiva, os números de março já trazem os efeitos negativos da pandemia do novo coronavírus com uma queda de 4,39% nos valores e de 15,35% nas unidades vendidas, no comparativo com o mesmo mês de 2019. O levantamento do Secovi-MT, que faz parte da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Mato Grosso (Fecomércio-MT), mostra que os imóveis comercializados na capital entre janeiro e março deste ano registraram uma variação positiva de 16,38% sobre os R$ 547,747 milhões faturados no primeiro trimestre de 2019. Houve também um pequeno aumento de 1,17% sobre as 1.852 unidades vendidas nos primeiros 90 dias do ano passado.
No entanto, são os dados de março, analisados de forma isolada, que evidenciam o recuo causado pela pandemia da Covid-19. Marco Sérgio Pessoz, presidente do Secovi-MT, explica que o sindicato estava esperando o relatório da pesquisa com os dados completos para ter uma ideia dos efeitos da pandemia sobre os números do mercado imobiliário.
"Analisando com calma a gente percebeu que no comparativo entre março de 2019 e março de 2020 - lembrando que tivemos um decreto do Município no dia 21 de março, mas na semana anterior a gente já estava numa expectativa de mercado mais fechado - nós tivemos uma queda comparativa com o ano passado de 4.39%", observa Pessoz.
Em nível financeiro de transações imobiliárias a queda foi bem maior em março e já acendeu o alerta vermelho com projeções nada animadoras para os próximos meses. "Tivemos uma redução de 15,35% em valores. Uma redução expressiva que já reflete, ao meu ver, o caso da pandemia sobre o mercado imobiliário. E a gente tem umas informações, ainda não oficiais, de que o impacto no trimestre sucessivo ultrapasse os 50% comparado com o trimestre do ano passado", pondera Marco Pessoz.
A pesquisa a ser finalizada após o fechamento das vendas deste mês deverá confirmar uma queda drástica em valores e na quantidade de imóveis comercializados. "Vamos esperar fechar os números agora em junho, mas acreditamos que o impacto da pandemia no mercado imobiliário foi muito forte, até acima de outros setores, mercados que estão reabrindo agora", ressalta o presidente do Secovi-MT.
Tipos de imóveis mais vendidos
Do total de imóveis vendidos nos primeiros 90 dias deste ano, foram 240 unidades novas (12,8%) enquanto os usados somaram 1.634, o que representa 87,2% do total negociado. No segmento de novos, foram vendidas 203 unidades verticais (apartamentos ou salas comerciais em prédios), outros 21 empreendimentos horizontais e 16 terrenos. No grupo dos usados, foram 601 unidades verticais, outras 577 horizontais e 366 terrenos. Ainda, 63 imóveis rurais e outros 15 classificados como galpão/telheiro.
Ainda, conforme o levantamento publicado no dia 12 deste mês, do total de unidades vendidas, 582 foram financiadas somando R$ 136,090 milhões. Essa modalidade de pagamento representa 20,78% do valor comercializado. No comparativo com os valores financiados no mesmo período do ano passado houve aumento de 5,86%. Nos três primeiros meses de 2019, a quantia financiada para compra de 506 imóveis foi de R$ 107,136 milhões.
A pesquisa de Acompanhamento do Mercado Imobiliário feita pelo Secovi-MT utiliza como fonte os dados, valores e demais informações disponíveis no ITBI (Impostos de Transmissão de Bens Imóveis) disponibilizado pela Prefeitura de Cuiabá. O levantamento também traz dados segmentados sobre as vendas em cada região da Capital, como valores das transações e gráficos com diferentes comparativos relativos a anos anteriores.
Vendas por regiões
Na região leste de Cuiabá foram vendidos 601 imóveis que totalizaram R$ 223,623 milhões. A região oeste foi responsável por 556 unidades vendidas somando R$ 234,636 milhões. Outros 302 imóveis comercializados estão na região norte da capital e movimentaram R$ 88,709 milhões. Por fim, a região sul da cidade foi escolhida pelos compradores de 352 unidades ao custo total de R$ 97,266 milhões. A pesquisa do Secovi-MT também mostra que 63 imóveis comercializados estão na zona rural de Cuiabá e somam R$ 10,774 milhões.
Assessoria/Caminho Político

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos