SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS
Praça Alencastro, nº 158 - Centro

segunda-feira, 20 de julho de 2020

"CORONAVÍRUS: Brasil se aproxima de 80 mil mortes por covid-19"

Moradores da comunidade Paraisópolis, em São Paulo, recebem orientações de segurançaPaís registrou mais 716 óbitos nas últimas 24 horas, segundo Ministério da Saúde. Número de novas infecções caiu em relação à véspera. Total de casos é de quase 2,1 milhões, com quase 1,4 milhão recuperados. Números do Ministério da Saúde divulgados neste domingo (19/07) apontam que mais 716 mortes por covid-19 foram notificadas no Brasil nas últimas 24 horas.
Com isso, o total de óbitos pela doença oficialmente identificados chegou a 79.488, segundo atualização publicada às 18h30 (hora local). O Ministério registra 1.371.229 recuperados. Já a taxa de mortalidade por grupo de 100 mil habitantes chegou a 37,8. Em número total de óbitos, o país ocupa a segunda posição no mundo – apenas atrás dos EUA, que acumulam cerca de 140,4 mil.
É a segunda vez em mais de um mês que o número de óbitos por covid-19 notificados num sábado fica abaixo de mil. O Brasil registrou oficialmente mais 23.529 casos, elevando o total para 2.098.389. Trata-se de uma queda considerável em relação ao sábado, quando se registraram quase 29 mil novos casos.
O país ultrapassou a marca de 2 milhões de infecções na quinta-feira, menos de um mês depois de registrar oficialmente o primeiro milhão. Na véspera, diversas autoridades e instituições de saúde em todo o país já haviam alertado que os números reais da doença devem ser maiores em razão da falta de testagem em larga escala e da subnotificação.
O presidente Jair Bolsonaro postou na manhã deste domingo um vídeo produzido pelo Exército Brasileiro sobre a importação de sedativos, analgésicos e neurobloqueadores do Uruguai para pacientes internados em unidades de terapia intensiva (UTI) em hospitais do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina.
A aquisição foi feita na última sexta-feira. No vídeo, afirma-se que "os medicamentos são indispensáveis para pacientes que estão em tratamento em UTI, a maioria em decorrência da covid-19".
Segundo escreveu o presidente Bolsonaro no Twitter: "Há mais de uma semana muitos hospitais do RS e de SC estavam sem analgésicos e sedativos, extremamente necessários quando se usam os respiradores. O general Pazuello, ministro interino da Saúde, entrou em negociação com o governo do Uruguai e resolveu rapidamente o problema."
O Brasil é o segundo país do mundo com maior número de casos de covid-19 oficialmente notificados. Só está atrás dos Estados Unidos, que acumulam mais de 3,75 milhões de ocorrências.
Na sexta-feira, a Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou que a transmissão do coronavírus no Brasil atingiu um platô. Ou seja, o número de novos casos se estabilizou e a curva não está mais subindo como antes.
No entanto, a OMS destacou que ainda não há uma tendência de queda e que é preciso ação política coordenada para que os casos caiam. "O Brasil está ainda no meio da luta. E não há maneira de garantir que a queda vai ocorrer por si", disse o diretor de emergências sanitárias da OMS, Michael Ryan.
Segundo a Universidade Johns Hopkins, quase 604 mil já morreram de covid-19 no mundo. O número de casos identificados beira os 14,4 milhões em todo o planeta.
AV/abr,ots/cp
Caminho Politico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos