SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS
Praça Alencastro, nº 158 - Centro

quarta-feira, 22 de julho de 2020

"CORONAVÍRUS: Epidemia nos EUA "vai piorar antes de melhorar", admite Trump"

Donald Trump em coletiva na Casa BrancaNa primeira coletiva sobre a situação da covid-19 nos EUA em três meses, presidente muda de tom sobre gravidade da doença e pede que americanos usem máscara. "Qualquer coisa que possa potencialmente ajudar é boa." Após mudar seu discurso sobre o uso de máscaras, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta terça-feira (21/07) que a epidemia de covid-19 deve piorar no país e pediu aos americanos que usem a proteção facial e respeitem o distanciamento social.
As declarações foram feitas na primeira coletiva de imprensa para informar sobre a situação do coronavírus nos EUA realizada depois de três meses de suspensão do evento. A crise do coronavírus no país "vai, provavelmente, infelizmente, piorar antes de melhorar". "É algo que não gosto de dizer, mas é assim que as coisas são, é o que temos", afirmou Trump na Casa Branca, em Washington. Essa foi uma das primeiras vezes nos últimos meses que o presidente reconheceu a gravidade da situação no país.
Inicialmente, Trump subestimou o coronavírus e minimizou a doença. Apesar do aumento dos casos, nos últimos meses, ele vinha defendendo a reabertura da economia e se recusava a usar máscara em público. Essa medida de proteção contra a covid-19 se tornou uma questão partidária, com muitos apoiadores de Trump alegando que a obrigatoriedade do uso de máscaras violaria a liberdade individual.
Com a explosão dos casos em todo o país, incluindo em estados politicamente importantes, como Flórida, Texas e Arizona, o presidente tem mudado seu tom sobre a epidemia para tentar controlar o avanço do surto enquanto luta pela reeleição contra o democrata Joe Biden, que lidera as pesquisas de intenção de voto.
"Estamos pedindo a todos que usem máscara se não for possível manter o distanciamento social. Se você gosta ou não da máscara, elas terão um impacto, terão um efeito e precisamos de tudo o que pudermos conseguir", ressaltou Trump.
O presidente também afirmou que estava se acostumando com a máscara e disse que a usaria "com prazer" quando estivesse com outras pessoas ou no elevador. "Qualquer coisa que possa potencialmente ajudar é boa."
Trump pediu ainda que os jovens evitem bares lotados, onde o vírus pode se espalhar. "Colocaremos um fim muito rápido à doença com tratamentos terapêuticos e com uma vacina. O vírus vai desaparecer, desaparecerá", acrescentou, destacando que a responsabilidade da situação sanitária é partilhada entre ele e os governadores.
Sem a presença de especialistas e de integrantes da força-tarefa da Casa Branca contra o coronavírus, a coletiva, que contou apenas com Trump, representa uma mudança na estratégia do presidente, que vinha elogiando governadores republicanos que focaram na reabertura da economia e criticando democratas que adotaram duras medidas restritivas para conter o avanço da covid-19 em seus estados.
Essa mudança de tom ocorre ainda em meio à tensão entre o presidente e integrantes da força-tarefa sobre a melhor maneira para combater a pandemia. Especialistas do governo criticam a maneira como as suas recomendações vêm sendo ignoradas.
A reabertura em alguns estados americanos foi rápida demais, levando à explosão de casos e ao aumento no número de mortes. Seguindo Trump, alguns governadores republicanos também se opuseram ao uso de máscaras.
Fontes próximas ao presidente disseram que ele temia que a proteção o fizesse parecer fraco e que desviasse o foco para a crise de saúde pública e não para a recuperação econômica, segundo a agência de notícias AP.
O número de casos nos Estados Unidos chegou a 3,9 milhões nesta quarta-feira, e o de mortes, a 142 mil, de acordo com a Universidade Johns Hopkins.
Embora Flórida, Texas e Califórnia sejam agora os estados que contabilizam mais contágios por dia, Nova York ainda é o que tem os piores números da pandemia, com 408.181 casos e 32.520 mortes, das quais 23.424 ocorreram na cidade de Nova York.
O segundo estado com mais mortes pela doença é Nova Jersey, com 15.737, seguido por Massachusetts (8.450), Califórnia (7.890), Illinois (7.517), Pensilvânia (7.051), Michigan (6.382), Flórida (5.206) e Connecticut (4.406).
Em relação a contágios, a Califórnia está atrás apenas de Nova York, com 404.848 casos, e a Flórida aparece em terceiro, com 369.834.
O total de mortes já ultrapassou de longe a mais baixa das estimativas iniciais da Casa Branca, que projetava de 100 mil a 240 mil óbitos por covid-19. Trump chegou a dizer que o número total de óbitos ficaria entre 50 mil e 60 mil, e depois elevou a estimativa para 110 mil.
CN/rtr/efe/lusa/cp
Caminho Politico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos